IEI 7 (Imortalidade)

Imortais Transumanistas x Mortais Conformados
(Diego, Paralelo & Vitor contra Pierre & CD)

A morte é certa?

Diego, Vitor e eu pensamos que há esperança tecnológica para escapar dela. E se for preciso alterar o código genético pra isso, se for preciso transferir a consciência para um HD, se for preciso se tornar um ciborgue – em suma, se for preciso ir “além da condição humana” (aí o transumanismo), então que seja! Morrer, nem pensar.

Muitas pessoas, sobretudo as religiosas, vêem nisso um absurdo anti-ético: “fomos feitos para morrer e ponto final”. O CD e o Pierre não têm quaisquer críticas morais desse teor a fazer. Eles apenas não são tão otimistas a ponto de achar que vale à pena se dedicar em nome da possibilidade de a tecnologia superar a morte: se é que ela conseguirá isto, quase certamente (ou mesmo certamente!) não será em nossas vidas, por mais que consigamos viver 150 anos com o estilo de vida mais saudável jamais concebido. Então, não vale o esforço.

Na verdade, o Pierre e o CD não têm sequer esse ceticismo firme. Eles têm mente aberta para considerar ao menos plausível a superação da morte. Bem, eles só foram enquadrados como “mortais conformados” para animar a festa!

Interessante foi a visão futurista do Diego: se em 50 anos tivermos acesso a uma tecnologia anti-morte, isto justifica que passemos 200 anos escondidos num abrigo, a salvo de fanáticos religiosos ansiosos por nos matar em nome de Deus e da “ordem natural” – supondo que os fanáticos morressem e fossem substituídos por gerações mais esclarecidas, este tédio de 200 anos nos garantiria os próximos 200 mil!

Sendo tão otimista, é surpresa que o Diego nos considere – os humanos imortais, se acontecermos – incapazes de atravessar a morte térmica do Universo, a ocorrer dentro alguns bilhões de anos. “É impossível”, diz ele, “daí não passamos!”. Todos os outros participantes, em especial o CD, preferem racionar assim: “Teremos centenas de bilhões de anos para resolver o problema? Até lá damos algum jeito!”.

Anúncios

4 Respostas to “IEI 7 (Imortalidade)”

  1. Jonatas Says:

    Pessoalmente vejo a superação da morte como algo importante somente na medida em que contribua à utilidade, no que a preservação da juventude é beneficial à saúde e bem-estar, potencial cognitivo e aprendizado, talvez às custas da renovação e originalidade mentais, não vejo a vida eterna como uma finalidade.

    O potencial do transhumanismo no que trata de resolver problemas para mim está no aumento da inteligência, a capacidade humana de criar a evolução e melhorar suas condições, levando à redução do sofrimento e das catástrofes humanas, tornando nossa vida mais interessante, prazerosa e humana.

  2. Diego Says:

    É importante lembrar que quando aumentamos nossas capacidades cognitivas, aumentamos nossa possibilidade de mudar, então somos jovens para sempre, e não é necessário que uma geração substitua sua antecessora, como ocorre hoje.

  3. Paralelo Says:

    É impressão minha, Jonatas, ou você parece conceber que morrer, pessoalmente, talvez seja algo bom “para as gerações futuras e a espécie como um todo”?

  4. Jonatas Says:

    Sim, acho que há uma grande utilidade no ciclo de vida e morte (mas vejo também aquilo em que ele é desvantajoso).

    1. A parte inicial ou infantil e adolescente da vida é bastante vista como a melhor parte, e isso é acertado de um ponto de vista psicosomático: a criança tem menos inibições e aproveita uma saúde psicológica quase perfeita, que se traduz em um bem estar e espontaneidade corporais, uma parte da vida bastante intensa e feliz. O adolescente tem uma parte da vida bastante intensa, mas mais inibida e menos feliz. O adulto tem uma vida um tanto apagada, e atribuo isso não somente ao envelhecimento, como também à experiência em termos psicológicos.

    2. A morte possibilita a renovação de idéias e costumes enraizados na mente de uma pessoa. Veja como os adultos da geração passada têm dificuldade em se livrar de crenças e modos de agir de sua época, ao contrário da evolução e renovação espontânea que ocorre com a criança e a nova geração. A criança aprende com uma imensa facilidade aquilo que está no seu meio, e antes dos 10 anos já não tem mais essa capacidade.

    3. Praticamente, é impossível ser imortal. Vc pode ser explodido em pedaços num atentado, cair de avião, etc. Mas não é só isso… a dificuldade na imortalidade vai muito mais além de parar o envelhecimento. No início, mesmo se pararmos o processo de envelhecimento aos 20 anos, ainda haverão doenças (físicas e mentais), degeneração cumulativa nos órgãos internos (por uso), e diversos riscos de morte. Como parar isso? Nossa medicina não consegue sequer tratar muitos ferimentos bem o bastante. Não haverá uma solução mágica.

    4. Há ainda, é claro, em teoria, o processo de seleção natural que depende do ciclo de vida e morte. Mas creio que os seus efeitos benéficos estão no momento estagnados ou revertidos em maléficos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: