Teaser Paralelo

Estamos numa época de correria filosófica (isso no meio e adjacências, claro, rs), com muita gente deslumbrada por soluções bizarras para os problemas clássicos da busca pela verdade, ansiosas por fingir que estão entendendo o que na verdade é nonsense, de modo a serem tidas como intelectualmente superiores pela sua estranha habilidade mental. Trocam a grandeza da realidade por esta vaidade momentânea. A mim, imune à febre gerada pelo coro, acusam de estar me apegando a um otimismo obsoleto – ainda desejando a Verdade, a Razão e a Objetividade em seus mitológicos trajes prateados e gloriosos. Não sou atingido por tais críticas, por saber – no que é uma análise interior clara e simples – não estar motivado por necessidades psicológicas, mas percebendo, ao contrário, que o velho e bom raciocínio encontra, por trás de toda essa balbúrdia, o sutil sentido que tentam suprimir em vão.

Anúncios

3 Respostas to “Teaser Paralelo”

  1. Diego Caleiro Says:

    Acho que todos achamos que haja um suitil sentido a ser encontrado.

    Só não sabemos onde direito

    Passei para lhe pedir para responder o meu comment nesse post.

    http://brainstormers.wordpress.com/2009/04/24/compulsao-de-produzir/#comments

  2. Jonatas Says:

    Pois é, eu tenho a impressão de ter encontrado a solução teórica definitiva para os problemas da consciência e do livre-arbítrio, por exemplo (ambos correspondendo ao que pensa Dennett sobre o assunto). Estarei eu negligenciando algum sentido sutil? Não sei. Continuo pensando como posso. Não seria nosso defeito deixar de trocar idéias a respeito?

  3. Jonatas Says:

    Ou talvez seja antes o que Searle pensa sobre o assunto. Costumava achar que Searle era dualista ou algo do gênero, mas pelo que vi ele parece propor o mesmo tipo de monismo que eu: um monismo em que a consciência como ocorre só é observável numa visão de primeira pessoa e nunca de terceira; somente como ser e nunca como objeto externo. Toda a observação que temos da realidade é virtual (só se pode ver representações virtuais da realidade e nunca ela mesma diretamente, o que seria ilógico, pois ela não tem aparência). E a realidade virtual é naturalmente prone a modificações livres, que a fazem diferir da realidade física nos aspectos que chamamos de qualitativos da consciência.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Biological_naturalism

    A explicação de Searle sobre subjetividade ontológica é bastante pertinente e útil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: