O Fim de Lost

Lost S06E17 e S06E18 – The End
A voz dos descontentes…

Alerta vermelho: este texto é somente para aqueles que assistiram todo o seriado de Lost, até o último episódio.

[ Extra: o blog Desvendando Lost, da Fernanda Gomes, quer começar o trabalho de amarrar as pontas soltas, se isso for possível. Começa com uma lista de perguntas sem resposta. Quem quiser contribuir, com soluções ou mais furos da série, vá lá. ]

Eu, como Nemesis da série que amo… Criticar negativamente o Series Finale de Lost, um episódio feito sob medida para agradar, emocionar e encantar, não é uma tarefa fácil. Mas a legião de descontentes tem muita razão, e eu queria – dentro de minhas possibilidades – dar-lhes voz com essa crítica (fato é que os principais veículos, como Dude We Are Lost!, Teorias Lost, Lost in Lost, foram completamente elogiosos, e até o Defenda a Ilha da sempre científica KA, foi bem mais elogioso do que seria de se supor.  Isto não reflete a ferrenha divisão entre os fãs. Está faltando um ponderado contraponto. Deixem-me tentar).

Uma vez que decidiram pelo (direi por que foi) péssimo caminho de mostrar o pós-morte dos Oceanic 815 & cia., não se pode negar que capricharam na ideia. Quem já simpatiza com isso e não está muito preocupado com a complexidade da trama deve mesmo ter se deleitado de cara com o episódio. Pessoalmente, só na segunda vez que vi, já conformado e preparado, pude apreciar o capricho da revelação do Limbo – o quão foi gradual, cheia de pistas elegantes, minuciosamente interpretada, pontuada por ápices emocionais, seja em diversas relações de amor (confesso que desejei dizer que ficou piegas… e não ficou… eles souberam fazer), seja com Locke e Ben, Hurley e Charlie, Jack e Christian. E ainda o final clássico, emblemático, com Jack fechando os olhos – tão espetacular a ponto de chegar, às vezes, a me distrair da dolorosa decepção. São todos grandes momentos de Lost, dignos de um Series Finale. Pesam contra todo esse deleite a forçação dos encontros na pressa do episódio, o nonsense da maneira como as lembranças são despertadas e, acima de tudo, a novidade posta goela abaixo de uma realidade espiritual pós-morte, ainda por cima no formato insosso de um clichê religioso e puritano.

Lost não é isso (assim como Star Wars, Arquivo X e De Volta Para o Futuro não são isso), e concluir a série assim é alta traição, tanto quanto seria se ocorresse com as citadas obras – todas também angariaram fãs, lealdade, paixão e altas expectativas, com a diferença de que respeitaram tais expectativas (malgrado Arquivo X tenha se perdido em má qualidade, não largou sua essência nunca, e agora vejo o quanto isto foi melhor do que o ocorrido com Lost).

Além disso, não é como se, em momentos cruciais, não tivéssemos falas a bem pensar terríveis, que não enganam, como a justificativa do encontro no limbo: “estamos aqui para lembrar… e para esquecer”. Não dá. Doeu no cérebro [Juliana, nos comentários, me corrigiu aqui – o original “let go” tem a tradução bem melhor (no contexto) de “desapegar”, o que faz sentido. # v. comentario #]. Mas eu disse “falas”, no plural, por ter em mente uma segunda, que não citei. Era Jack dizendo para (F)Locke, em pleno encontro histórico, basicamente isto: “não posso detê-lo (…) vou matá-lo”. Entendo quem gostou. Sem concordar, entendo até quem apenas gostou e não viu problema algum. Mas acho que estão, acima de tudo, cegos para o fato de que toda essa poderosa sedução emocional está longe de superar toda a tragédia de roteiro deste The End, tragédia herdada pela temporada e pelo seriado inteiro.

A essência da série – sim, os enigmas – foi abandonada. Agora, quando eu ver alguém que, como eu, assiste o Piloto e fica pungentemente intrigado, fascinado, tomado pelo mistério da criatura oculta que derruba árvores e tem som mecânico, só me virá a tristeza de saber que a pessoa está sendo ludibriada. Que aquilo não é um mistério (que pressupõe resposta), mas sim apenas mera bullshit, mera enrolação sem fundamento.

Queria dizimar, de uma vez por todas, o argumento auto-enganador, a falsa consciência, de que “tudo bem Lost deixar os mistérios pra lá, porque a série é sobre personagens, não sobre mistérios”.

Todos os outros seriados têm personagens, mas só Lost justificou uma Lostpedia, que é uma enciclopédia investigativa tentando juntar todas as pistas. As comunidades estão abarrotadas de tópicos e teorias sobre enigmas, e não de comentários profundos sobre a natureza do amor ou da culpa (o que você encontraria numa comunidade de Brothers & Sisters, não em Lost). O que moveu Lost e seus fãs foi a investigação, a especulação. Se trocassem todos os personagens por outros, com vidas diferentes, mas deixassem a Ilha, a Black Smoke e a Dharma lá, Lost ainda seria Lost. Mas se tirassem todos os enigmas e só deixassem Jack, Kate & cia. na Ilha, Lost seria apenas uma versão tediosa de O Náufrago, que talvez nem passasse do episódio piloto.

Muitos, aliás, caíram na conversa fiada dos produtores. Como diz Guilherme Araújo, ao comentar o excelente artigo de Alexandre Versignassi (editor da revista Superinteressante) sobre o fim de Lost:

“Ao perceber que não conseguiriam dar conta, começou uma campanha ridícula, no início da 6ª temporada, protagonizada por produtores, roteristas e atores, que passaram a dar centenas de entrevistas (muito bem ensaiadas, diga-se de passagem) com a mesma frase: ‘A série é sobre os personagens e não sobre os mistérios em si’.”

Fato. E o passado condena os responsáveis por Lost:

Revista Veja: Muitos fão reclamam que Lost ficou mirabolante. O que está ocorrendo?

J. J. Abrams: Vou lhe dizer o que ocorre: esse pessoal não é nerd o suficiente. Nunca perdemos o controle. Ao fim da trama, todas as pontas se ligarão.

Chocante, não? Espero que isto cale os maníacos por repetir: “é uma série sobre personagens” (como se alguma série não fosse). Ainda este exemplo amargo, em palavras de Michael Emerson, intérprete de Ben: “a Ilha opera por um mecanismo científico, não algo místico ou espiritual”.

Então, Lost é sim uma série sobre enigmas. Melhor: é A Série sobre enigmas. E o que fez foi jogá-los no lixo e nos dizer: “esqueçam tudo e olhem pra cá: vejam os personagens no céu, comovam-se, fiquem anestesiados”. Para aqueles, como eu, em quem a anestesia não teve efeito, tem sido muito difícil suportar a dor e, pior, os (supostos?) fãs de Lost não só aceitando essa destruição dos rumos da série como, também, gostando dela.

Tudo isto dito, vamos aos fatos. Aos terríveis fatos.

Falarei primeiro do Limbo. Depois dos eventos da Ilha. Por fim, de como ficou a Mitologia de Lost.

O LIMBO

A primeira coisa a se esclarecer é que o Limbo pós-morte, essa novidade surgida nos últimos minutos do seriado (ou na 6ª temporada inteira, em retrospectiva), não tem nada a ver nem com a história pregressa dos personagens, nem com a mitologia da série e nem com qualquer evento específico visto ao longo de seis temporadas. É uma inclusão gratuita à trama de Lost. E ela é exatamente tão inadequada quanto seria, se surgisse fosse no final de O Poderoso Chefão, Star Wars, Homem-Aranha, O Senhor dos Anéis, Prison Break ou qualquer outra obra não relacionada à vida após a morte.

Como tal, o Limbo não faz absolutamente nada pela trama do seriado. Como um desfecho para a série, portanto, é absurdo. No que importa pra trama de Lost, sabemos apenas que a Black Smoke foi destruída (de um modo tão absurdo como surgiu), sabemos quem morreu, quem ficou e quem saiu da Ilha. Não ficamos sabendo mais nada, por incrível que pareça.

Agora, claro, há uma sensação de “wow, que genial!” no ar. Numa espécie de paródia pobre do fim da 3ª temporada, agora vemos que a história que assistíamos é outra coisa. E isto explica por que Desmond podia atropelar Locke sem problemas (já estavam mortos afinal), por que Ana Lucia ‘não está pronta’ (ainda corrupta), etc. Genial? Longe disso. Afinal, Keamy e Bakunin morrem – em plena vida após a morte! De Ana Lucia e outros problemas, falarei mais adiante.

Ficou a sensação terrível de que nem mesmo a ideia do Limbo foi proposital, mas mero improviso desesperado dos responsáveis por Lost que, ainda nessa temporada, puseram na boca de Faraday praticamente uma prova de que a “realidade paralela” foi causada pela explosão da bomba – se não foi, por que diabos ele teria aquele flash-sideway (que no caso seria falso), com aquelas equações? O que as equações mostram, bem entendido, é que uma explosão criou uma realidade paralela. Oras, acho que nem o fã mais estúpido de Lost está disposto a aceitar que uma realidade espiritual surgiu graças à explosão de uma bomba.

Um detalhe interessante, sobre a bomba ter mesmo gerado a realidade paralela/Limbo, é Juliet. No início da sexta temporada temos um festival de ambiguidades. Por um lado, Juliet está tendo flashes do momento em que encontra Sawyer no Limbo (o que faz sentido porque, como Desmond, ela foi exposta ao eletromagnetismo): “precisamos tomar um café”, “vamos dividir”, “beije-me”, “funcionou” (sobre a máquina de chocolates).

Por outro, Juliet está falando sobre a bomba: “Não deu certo. A bomba não funcionou”, “Preciso te dizer algo muito, muito importante…” (Miles completa –>) “funcionou”. Não dá pra dizer que é “muito, muito importante…” que a máquina de chocolates tenha funcionado. Juliet está dizendo que a bomba funcionou, então? Nem uma coisa, nem outra. Esses roteiristas foram muito ‘espertinhos’ (no mau sentido) nessa.

Não bastasse o Limbo ser algo posto lá à-toa, e que contradiz Faraday (e talvez Juliet), ainda é um mar de incoerências internas  e nonsenses. Oras, aquele é um lugar onde estão pessoas que já morreram. Por que só eventos relacionados à Ilha e ao Oceanic 815 despertam lembranças? O Limbo só existe para os Losties? Como Aaron nasce naquele lugar? Como Bakunin e Keamy morrem naquele lugar? Eles vão pra um “meta-limbo”?! E se os mortos vão para o Limbo e demoram pra lembrar da vida real, isso complica todas as aparições de espíritos 1) de pessoas fora da ilha, como Eko e Charlie; e 2) de pessoas na ilha, que nunca estiveram lá, como a mulher de Alpert ou o amigo de Hurley – já espíritos como o de Michael são ‘explicados’ por ficarem presos ali.

Para tapar esses furos, alguns levaram Locke a sério e acham que o filho de Jack não existe, portanto Aaron não existe. Então o Limbo seria um lugar mais estranho ainda: espécie de ‘simulação espiritual’ dos losties escolhidos, vivendo uma vida fake ideal, antes de serem ‘purgados’ e irem pro paraíso. E, no caso, só os losties existem. Mas como isso é? Keamy e Bakunin não existem? Penny, que nunca esteve na Ilha, não existe? Nádia existia? Ethan existia? Cadê Walt? E se é tudo simulação-para-os-losties, por que há uma ilha afundada no oceano, incluindo tubarão com logo Dharma, que ninguém ali jamais viu ou sabe que existe? Outra vez, só os losties estão no Limbo? Por quê? O que o vôo 815 tem de especial, a não ser para o público que assiste? E se Aaron não existe, lá estão Charlie, Claire e Shannon, às portas do paraíso, numa cena patética sorrindo para um boneco.

Também sem sentido é o padrão de qualidade moral do Limbo: enquanto Michael ficou preso na ilha, sussurando (¬¬), porque matou no impulso para salvar o filho, e Ana Lucia ‘não está pronta por ser corrupta’, Sayid torturou e matou dezenas a sangue frio mas ‘tem coração bom’ e está lá na festinha celeste. E não diga que ele se redimiu ao se matar, porque Michael fez o mesmo. Pior foi ver Sayid com Shannon, quando claramente seu grande amor é Nádia. Essa foi uma escrotização no talo.

Nem tente encontrar sentido. Nada fecha. Foi tudo jogado à-toa.

Cenas bonitas à parte que nos proporcionou, o Limbo é uma patacoada imperdoável, de cabo a rabo. Se isto, por si, não faz do Series Finale algo ruim, não sei o que faria um fã desgostar. Mas tem mais.

A ILHA

Os acontecimentos da Ilha, neste Series Finale, tiveram idiotice além da conta. Por exemplo, Lapidus ter sobrevivido era impossível. Ele tinha desmaiado, e nem respirador sobrou pra ele. Além do mais, ele já havia dito que o avião não poderia decolar, na situação e posição em que estava. Tudo isso foi doendo ao longo do episódio. Como ver Ben ser reduzido a imbecil quando diz: “quando disse que destruiria a ilha, achei que fosse metaforicamente”. Como se (F)Locke não tivesse sido claríssimo e direto. E como não bastasse a desculpa ultra-esfarrapada do episódio anterior: “descobri que era a fumaça quem me convocava”, que foi de lascar (claramente um improviso, e fraco, para amarrar a incoerência). Ainda assim, dá pra dizer que são detalhes. Só que, sendo todo o resto pior, esses detalhes incomodam muito mais.

Dá pra acreditar que (F)Locke, depois de 2 mil anos tentando, não vence por pura burrice?

E que Jack morre completamente à-toa?

Pois é. (F)Locke só não venceu porque não quis! Porque, em vez de matar Jack quando teve a chance, saiu andando… abÇurdo! Ou nem matasse Jack, mas ao menos cortasse a corda… ¬¬ Ainda por cima deixou uma arma com Sawyer, estupidamente, e por isso morreu. Os losties deram apenas sorte de encarar um vilão tão burro. Tudo isso é ruim demais pra ser relevado. Não são pequenas mancadas. As questões mais importantes do seriado, como quem vence uma batalha de 2 mil anos, são decididas por pura avacalhação. O que deveria ser épico se torna patético. Você não quer ver Darth Vader perdendo a luta porque escorregou numa casca de banana. É imperdoável.

Quanto a Jack, Desmond poderia pôr a rolha de volta, sem morrer, do mesmo modo que a tirou. Jack, ao contrário, faz questão de tirar a rolha, sem razão alguma pra isso, e morre de graça. “Você morreu por nada”. (F)Locke tinha razão, afinal.

A MITOLOGIA

Superficialmente, e fazendo muita força, a trama da ilha até que fechou. Em que pé ficamos?

Uma antiga inteligência, da qual nunca saberemos a origem, colocou na Ilha uma estrutura eletromagnética e/ou vital. E é de presumir que usaram algum truque ou encanto espaço-temporal, para só permitir ao guardião acessar sua Fonte de Luz. Sabemos que é uma inteligência, e não um fenômeno natural ou espontâneo, porque o interior da Caverna de Luz possui escadas, mecanismo e uma rolha com inscrições. E creio estar claro que não foi a mãe adotiva de Jacob quem construiu aquilo. Aliás, se a estrutura é tecnológica ou mágica, ou ambos, isso fica propositalmente em aberto.

Essa estrutura, ao que tudo indica, é a causa da vida existir na Terra. Presumivelmente, há centenas de milhares de anos tal Caverna de Luz vem sendo alvo de um revezamento de guardiões, num processo sem fim. Um destes guardiões é a mãe adotiva de Jacob e seu irmão. Ao que sabemos, ela é apenas uma entre tantas, como Jacob e Hurley a seguir. Presumivelmente não foi a primeira. Ela não é especial.

Contudo, algo especial ocorre – e nossa história começa aí – quando o irmão de Jacob se torna (graças à Luz) a Black Smoke e, assim, ameaça de modo bem mais concreto a Caverna de Luz. E o clímax desta história são exatamente os eventos que a série apresenta, eventos causados pelo fato de Jacob estar reagindo à Black Smoke. Ela, afinal, está o mais próxima possível de matá-lo e de destruir a Ilha. Agora, se a fonte é destruída, toda a vida morre. Felizmente, Jack consegue deter a Black Smoke. E Hurley o sucede, numa era mais pacífica. E este é o final feliz da história.

Isto é o pouco que temos (se é que temos). Agora o muito que não temos.

Histórias centrais à série, como a da Dharma, DeGroots e Alvar Hanso, tiveram um desfecho apenas vagamente dedutível (temos que supor que a comida Dharma que chegava para os losties viajava no tempo e que toda a Dharma morreu na Ilha, não sobrando ninguém lá fora; e temos que nos conformar com não sabermos o que a Dharma fazia, a não ser que eram “experiências malucas”). Concedo, porém, que deram uma elegante ‘palha’ sobre a Dharma ao nos mostrar os antigos romanos como “homens curiosos”. Eles foram a ‘primeira Dharma’, digamos. E, do mesmo modo, foram erradicados da Ilha, pois a Fonte não deve ser ameaçada com abordagem científica.

Enigmas colossais como a natureza da Black Smoke ou a origem da Estátua foram só vagamente aludidos. Todo o movimento dos Outros, associado a Jacob, é deixado pra trás de forma totalmente confusa, incoerente, esburacada (por que eles eram hostis com os Oceanic 815, se o próprio Jacob os trouxe? – deixaram Charlie, que era candidato, claramente para morrer enforcado. Por que faziam as maluquices que faziam?). Mistérios cruciais como a bilocação de Walt, a verdade sobre os bad numbers, a importância de Aaron, as poderosas “regras” entre Jacob e seu irmão e entre Ben e Widmore, as capacidades de Miles e Hurley, a imortalidade de Jacob e de Richard, foram simplesmente esquecidos, porcamente mencionados ou, pior, contraditos. Sem contar uma série de enigmas menores, cujas respostas supostamente podem ser deduzidas, mas a bem pensar nenhuma explicação soa plausível (por exemplo, o fato de Michael não conseguir se matar – porque ele era candidato? Então por que Charlie e Sayid conseguem?).

Mesmo esquecendo tudo isso, a história que efetivamente nos contaram não ajuda. Até na mais alta das panorâmicas, a coisa é insuportavelmente mal feita. Por exemplo, nos disseram que a única maneira de a Black Smoke sair da Ilha, ou destruí-la, é manipulando outras pessoas para fazer o seu serviço indiretamente. O que Jacob faz, então? Traz centenas de pessoas à Ilha. Bastaria não trazer nenhuma! E como cada um é mais burro que o outro, a Black Smoke demora 2 mil anos para conseguir fazer alguém ir lá matar Jacob (mesmo podendo ameaçar de morte várias pessoas, e se passar por entes queridos delas – mesmo podendo transformar as pessoas em marionetes infectadas!). Pra piorar, ora Jacob reage, capotando no soco pra cima de Alpert, ora simplesmente se deixa matar por Ben, praticamente entregando o ouro. Não faz nenhum sentido.

Sobre as “regras”, que moveram a trama de Lost por três temporadas, justificaram assassinatos, riscos de vida, suspensão de vingança e, acima de tudo, justificaram o fato inexplicável de a Black Smoke não poder simplesmente ir pra cima de Jacob ou, ao menos, dos candidatos – bem como o fato anedótico de que (pelo menos) Alpert não pode causar a própria morte – na-da-foi-ex-pli-ca-do. As regras são claramente malucas. Por que Alpert não pode se suicidar, mas pode morrer pelas mãos de outra pessoa (e que imortalidade inútil era essa, portanto?)?

Por exemplo, ficou sugerido que os candidatos não podem morrer causando a própria morte (pelo menos, com Jack acendendo a dinamite, no Black Rock). Ao mesmo tempo, foi dito o oposto: que os candidatos podem morrer causando a própria morte (e por isso (F)Locke fez com que eles tentassem desarmar a bomba, no submarino – de fato, Sayid morre assim). Não fosse pela elegância que encobre falhas (o que, sim, é um mérito de Lost), todos veriam que isto ficou tão ruim quanto Heroes.

As regras entre Jacob e (F)Locke parecem mais como leis da física: impossíveis de quebrar. Mas como elas funcionam? Como surgem? Estão associadas a Jacob (como disse seu irmão, ele criaria regras no futuro), ou à Fonte de Luz (não parece, já que Hurley é livre pra fazer as regras que quiser)? Por que Alpert começa a envelhecer após a morte de Jacob e o fim de suas cinzas, mas as outras regras, como (F)Locke não poder atacar os candidatos, se mantêm de pé? Esse deveria ser o coração da trama de Lost, mas é mera arbitrariedade de roteiro.

Já as regras entre Ben e Widmore, aparentemente, são algo como “em respeito a Jacob, não cause mal ao seu camarada-Outro”. Por exemplo, Ben matar o próprio pai, que é da Dharma, é ok. E são regras “quebráveis” (Widmore as quebra com o assassinato de Alex). Isto parece dar o direito de Ben matar a filha de Widmore (olho-por-olho), mas não o próprio Widmore. Ben realmente tem um respeito sagrado por Jacob. Até que perde a fé, mata Jacob e, portanto, manda as regras pro lixo e simplesmente vai lá e atira em Widmore. Parece que fecha. Tudo muito lindo (e eu fiz muita força pra dar coerência a tudo), maaaaas… o fato é que Ben confessou mandar Goodwin para morrer nas mãos de Ana-Lucia, por ciúme de Juliet… ¬¬ Atirou em e depois até matou John Locke (que já era lider dos Outros)!! Sério que, tendo quebrado as regras nesses casos, ele ia respeitá-la justo no caso de Widmore, que matou sua filha?! Very bad… E eu espero que agora esteja mais claro como foi dolorosa essa reta final de Lost.

Outro ponto crucial da mitologia, que foi largado às traças, é a imortalidade. Céus, como Jacob sobreviveu 2 mil anos? Como Alpert passou séculos jovem? Não pode ser simplesmente a Fonte de Vida da Ilha, porque então ninguém envelheceria. Sim, eles nos deram a resposta: basta beber um líquido na presença do guardião da Ilha, e você será imortal enquanto as cinzas deste guardião não forem queimadas.

Ou seja, tudo não passa de uma simpatia de folhetim, de quinta categoria. Que droga, isso era pra ser Lost! Dá pra conceber uma resposta mais sem sentido e estúpida? Já vi pessoas dizerem que ninguém pergunta, em Harry Potter, como eles conseguem fazer mágica. Eles simplesmente fazem. E que então tudo bem Lost fazer o mesmo. Mas é uma péssima analogia, porque até a trama de Harry Potter tem regras internas claras, e até ali seria ridículo se Harry Potter ficasse imortal e invulnerável simplesmente bebendo água! Exigira um encanto fabuloso, algo que nem os maiores mestres da Escola de Magia poderiam fazer. Imortalidade é um conceito poderoso em qualquer ficção, e nem os maiores magos de Harry Potter, nem os maiores Jedi de Star Wars, podem se tornar imortais sem uma explicação muito boa, sem um esforço espetacular. E é isto o que gera drama, claro. O que Lost jogou no lixo de maneira primária, infantil.

NÃO SE FICA IMORTAL E INVULNERÁVEL POR BEBER ÁGUA OU RECITAR VERSINHOS EM LATIM.

Até em Alice no País das Maravilhas isso seria ridículo.

#Ver fãs aceitando isso de boa dá até vergonha alheia, putz.

E por falar em “Fonte da Vida”, esta ideia parece ter o mérito de tornar plausível que, por se aproximar dessa Fonte, as pessoas voltem a ficar saudáveis e sararem rapidamente. Locke andando; Rose sem câncer; etc. Mas por que mulheres grávidas morriam? Por que Ben não se curou sozinho? A luz é moralista e só salva os bons? Então por que salvou Bakunin tantas vezes e deixou de salvar Boone, ou o agente que aprisionava Kate?

Além do mais, supostamente ocorre “algo pior que a morte” com quem entra na Caverna de Luz. E é óbvio que ficar imortal e ganhar poderes fabulosos se tornando a Black Smoke é pior do que a morte… Ãh? Ok, ok, é que perder os sentimentos é que é pior que a morte (mas se a Black Smoke não tem sentimentos, não pode ser má… Ôõ… Tá, abstrai.). No entanto Jack entra lá e morre! “Ah, mas Desmond tinha desligado a Luz, então ok”. É, mas Jack volta lá dentro e religa a Luz. E morre. Game over. Nem com esse farrapo de trama, inventado na última hora, foram coerentes – ou, se você preferir, a Black Smoke nunca foi o irmão de Jacob, afinal. Mas isso só provaria que realmente nada nos contaram sobre ela. Quer pular da frigideira para o fogo?

E os caprichos insanos de Jacob? Supostamente ele trouxe “pessoas solitárias” para a Ilha. Claro que essa é outra desculpa que gera problemas. É difícil ver o que havia de errado com o piloto do avião e todas as pessoas que só foram morrer ali. Qual era o problema de Libby? E das crianças, que só fizeram ficar órfãs? Jacob não tinha um método melhor, pra trazer o avião, do que ‘fazer Desmond se atrasar na escotilha’? Sem contar coisas péssimas como Sayid estar feliz da vida, Jacob ir lá e praticamente ser o responsável pela morte de Nádia (quando poderia simplesmente riscar o nome de Sayid da lista e deixá-lo em paz, como fez com Kate) – aliás, nada explica Sun não ter viajado pro passado no voo Ajira. Se é por não ser mais candidata, como estão dizendo, Kate também não era mais.

4  8  15  16  23  42 – que frustração! Os bad numbers ora deixavam Hurley com azar, ora o deixavam com sorte mas enchiam de azar quem estivesse por perto. Por quê? Nada, foi à-toa. A Dharma transmitia tais números. O ARG Lost Experience nos deu a ótima explicação de que os números se tratavam do resultado de uma equação relacionada a eventos catastróficos, como o fim do mundo. Então, onde quer que haja desastres, a tendência é a manifestação dessas constantes. E talvez vice-versa. Isso explicaria de modo interessante o azar de Hurley, a queda do asteroide. Mas a chamada Equação de Valenzetti nem foi citada no seriado. Então conta? Acho que não. E só fizeram estragar o conceito ao mostrar que, do nada, os 6 candidatos finalistas calharam de ter os bad numbers. Não, não tem explicação.

Por fim, claro, comento os dois maiores crimes de Lost: não responderem o que é a Ilha e nem como surgiu a Black Smoke. Isso eles tinham que responder. Os conformados veem respostas: a Ilha é a Fonte de Vida do planeta, posta ali por alguma inteligência desconhecida (ETs, Deus, Duendes, Civilizações Antigas [evoluídas por seleção natural, rs], Seres do Futuro, Programadores da Matrix, etc.). E a Black Smoke é o resultado de um homem jogado dentro da Fonte.

Não são respostas, é claro.

A ‘resposta’ sobre A Ilha até passaria, se não viesse ilustrada por uma (sério!) Rolha de Vinho Gigante, que faz o “nooooo!” de Darth Vader parecer shakesperiano. Mas a verdade é que a própria ideia de uma Fonte de Vida, escondida numa caverna, que é ciclicamente protegida por guardiões solitários matusaléns é simplesmente ruim. É arbitrária, simplista, tosca. Pusessem esta Fonte no centro da Terra! Estaria a salvo! Ou, já que conseguem esconder a Fonte dentro da Ilha, escondessem a Ilha do mundo. Aquele guardião, afinal, só serve para fazer as pessoas descobrirem que a Fonte existe! Quando essas ideiazinhas chovem na cabeça, pode apostar que temos algo ridículo diante de nós. Mas isto é revelador: a trama de Lost se revela tão patética quanto a trama de qualquer religião, Bíblia, Torá, I-Ching tomadas ao pé da letra… Por que será? E pra não me acusarem de estar simplesmente tomado por um ódio idealista à religião, devo dizer que amo a sofisticação religiosa de Star Wars. A questão não é ser religioso ou científico. É fazer algo que preste!

Sobre a Black Smoke… a emblemática Black Smoke, que disparou nossas paixões ao derrubar árvores no episódio piloto, e tinir com seus insondáveis sons mecânicos. Aquilo não era sobre os personagens. Eles eram meros coadjuvantes para a experiência marcante, genial, de ser perguntar, atônito: o que É esse… monstro?! E, claro, tantas outras perguntas. A resposta foi prometida, e nunca veio. O maior mistério de Lost não passou de embromação. De engodo mesmo.

Tudo o que nos foi dito só tornou a Black Smoke patética: que ela veio de uma Caverna de Luz, sem mais, nem menos; que ela (sério) não consegue avançar no espaço vertical onde há cinzas de Jacob (ou cinzas e ponto, sei lá); que ela, às vezes, fica “presa” numa forma física sem razão alguma pra isso (e note que, mesmo depois de assumir a forma supostamente imutável de Locke, a Black Smoke ainda se passa por Alex, para Ben); e que, uma vez apagada essa Luz, ela se torna um corpo humano físico real (e de onde veio esse corpo, já que todos os reais corpos foram sepultados?). Como ela copia corpos? Por que tem sons mecânicos? Qual sua natureza? Como e por que surgiu? Por que diabos mataria o piloto Seth Norris, pra começo de conversa? Seis temporadas que se revelaram ser pura bullshit, pura bobagem nonsense.

Minha última resposta é àqueles que insistem que as respostas, se viessem, “soariam forçadas”. Este é o maior auto-engano de todos. No passado, Lost respondeu (de maneira sutil, completa e genial) essa série de questões a princípio insondáveis:

– O que havia na escotilha.
– Como e por que havia um urso polar na ilha.
– Como e por que Richard Alpert visitou o Locke criança.
– O que fazia Faraday na Iniciativa Dharma, nos anos 70?
– Por que a escotilha acende pra Locke?
– Que diabos era aquela transmissão de uma francesa pedindo ajuda, há 16 anos? (saudaaades doloridaaas!)
– Como Locke ressuscitou?
– Que voz Boone escuta no rádio do aeroplano nigeriano? (era Bernard!)

Etc, etc. As pessoas amaram, em uníssono. A série se tornou um mito moderno. Fazia sentido. Nada de ‘forçado’. Agora que as respostas não vieram, ou que são um lixo, paira esse auto-engano constrangedor de “isto é melhor do que se tivesse respostas claras”. Ah, a falsa consciência dos fãs conformistas…

Como um belo namoro que termina trágico, com traição, o passado maravilhoso também se revela amargo aqui.

Adeus, Lost.

Agradecimentos a Anderson Nunes, pela colaboração.

Anúncios

289 Respostas to “O Fim de Lost”

  1. patty Says:

    Nossa, como amie seu link. Antes de le-lo eu ja tinha utilizado em foruns muitos exemplos que vc citou rsrsrs Até harry potter tem o minimo de coerencia ! Se eu quisesse uma serie sobre pessoas, eu assistia brothers & sisters rsrsrs Que imagina que eu tirava sarro de Heroes…. kkk
    Muita vergonha alheia pelos fãs que engoliram essa. tem uns que dizem que nós nao entendemos, que eles nao tinham que responder nada…durma-se com um barulho desses !
    Amei seu texto.
    xoxox

  2. Silvia Says:

    Obrigado! É um alívio ver que alguém tenha conseguido ficar tão decepcionada quanto eu. Suas observações foram muito bem pontuadas, conseguiu escrever e detalhar toda a minha raiva! hauahu. Depois de terminar de assistir o episódio final, eu fiquei desesperada, é como se eu tivesse esperado seis temporadas, isto é, seis anos da minha vida, pra nada, pra um fim meloso e sem sentido. E sair navegando na net e vendo muitos fãs adorando o final e chamando quem não gostou de burro e que não entendeu a proposta foi de foder o cérebro. Hehe

  3. Yuri Grecco Says:

    Claro que é importante lembrar também que aviões não dão marcha ré. Turbinas são unidirecionais.

    Não concordo com o texto todo, inclusive acho que consigo responder algumas questões levantadas. Mas o eixo central, o conceito trabalhado aí, concordo plenamente.

    • ivan Says:

      só uma observação.
      certos aviões dão marcha ré..

      se “da ré” com o reverso ligado, e é usado pra taxiar(mas vou pesquisar isso bem) mas isso é o de menos..

      o mais interessante é que ele saiu dali voando muito bem .. mesmo estando meses parado ao relento … com a janela quebrada.(sem pressurização, e com o combustível parado dentro do tanque…
      combustivel esse que é volátil e que com o tempo não funciona como deveria(acho que tem a ver com octanagem )ou algo do tipo..

      eu fiquei decepcionado mesmo , depois da 5°temporada o negócio começou a ficar ruim…. se tivessem encerrado a série quando esclareceram sobre a iniciativa dharma.. teria ficado melhor.. o que era o foco das atenções na época.. .. a dharma..que eu achava que tinha as respostas,passou a ser um detalhe..

  4. eric coutinho Says:

    concordo absolutamente em genêro e número. Lost acabou e ficou o vazio no estômago de QUE PORRA FOI ESSA QUE FIZERAM. A melhor série já feita foi estragada com uma merda de 6ª temporada, sem graça, sem explicações e com um final improvisado com cara de novela das 8. Todas as teorias mencionadas foram jogadas de lado e fizeram um final digno de Crepúsculo totalmente nonsense…

    bosta de final

  5. Ka Says:

    Mas então, caro Paralelo…Eu concordo com você na grande maioria das indignações. Sem dúvida houve uma perda de controle criativo, uma epidemia de preguiça ou algo do gênero que tomou conta da equipe – principalmente agora na última temporada.

    Esta sexta temporada foi uma decepção. Só que a queda veio acontecendo aos poucos..e eu já não esperava um milagre que consertasse tudo no fim. Acho isto evitou a decepção. Não esperava nada do fim. Nada mesmo.
    E com o desenrolar de um episódio emocionalmente criado para comoção, desliguei o senso crítico. Me deixei levar mesmo.

    Como eu disse lá no blog, me sinto dividida para analisar. de um lado tenho vontade de esculachar, mandar twitters mal educados para Carton e Damon. Me sinto traída por ter viajado em uma experiência de pesquisas, debates, que foi criada e alimentada pelo marketing da série. E que merecia atenção por ter sido a principal catalizadora de audiência.
    Por outro, toda vez que lembro de Vincent deitando ao lado de Jack moribundo..ah…foi uma cena final perfeita, vai.
    O limbo? Ah, prefiro pensar como um apêndice que não interfere na estória da Ilha. Seria pior se a Ilha fosse o inferno, mas poderiam editar uma versão de dvds sem eles, né…

    A incosistência do roteiro existiu, foi gritante e provou que eles não sabiam exatamente o que faziam. Talvez tenha existido pressão da ABC, o que não justifica a queda da qualidade criativa, mas explica como algo que começou genial se tornou meramente comercial. Mas esta dica tava dada desde que percebemos que as viagens no tempo foram só um recurso chamativo, pouco explorado para mitologia. Ficou ainda ainda mais na cara com o desenrolar da sexta temporada e foi explícito lá em Ab Aeternun.
    Me preparei para o pior. Ele veio, mas não foi tão ruim assim. No saldo, curti…
    O legal é que este debate vai longe.
    Abs

  6. Marcos Says:

    Teu texto é um resumo fabuloso de “The End”:

    Maestria em recursos emotivos, mas com uma covarde traição à essência da série.

  7. sidnei Says:

    cara, gostei demais do seu texto, estava pesquisando no google justamente algum lugar que comentasse algo assim e cai aqui no seu blog…como eu deixei de assistir a seria no final da segunda temporada (eu acho) o remember antes do ultimo episódio final foi o suficiente…eu deixei de assistir justamente porque na epoca que parei, achei que os diretores se perderam na historia, os acumulos de eventos sem explicação estavam ficando cada vez maior, derrepente acabava a temporada e eu ficava achando que perdi tempo da minha vida assistindo algo que não estava fazendo sentido nenhum…apesar de eu ter me desprendido da serie, tenho que tirar o chapéu p/ os diretores que conseguiram prender um numero tão grande de fãs, e pessoalmente, acredito que que a pirataria tenha contribuido p/ o desfecho comercial da serie, tanto que li, que o dvd terá + 20min de conteudo extra, naturalmente vai ter + hype em cima destes 20min hehehehe

  8. BiaC. Says:

    OTIMO texto. parabens.
    Resumo de tudo??? na minha HUMILDE opinião:
    Uma TRAIÇÃO aos fãs da verdadeira magia de LOST: tooooodas aquelas 123654873548435484384 perguntas -que ansiavam- por respostas. importando somente aos (LOUCOS) diretores e fãs mediocres demais um ‘happy end’ regaaaaaaado EXAGERADAMENTE por religião. fail… terrivelmente fraco e desconexo com o que CONHECIAMOS de Lost.

  9. Pajé Says:

    Nossa, obrigado… eu tenho uma tendência a ser emocional na hora de julgar as coisas e já ia caindo na “buniteza” do último episódio!

    Esse texto me ajudou a lembrar porque eu comecei a gostar de Lost em primeiro lugar. Era aquele clima das primeiras temporadas, em que o foco da série era uma ilha com propriedades estranhas e acontecimentos misteriosos, mas era possível ver que a série rumava para uma explicação científica (afinal, havia estações de pesquisa, vestígios de uma comunidade científica até o mítico monstro de fumaça preta fazia sons mecânicos). Ali é que estava Lost.

    Acho que o estragou a série foi a mitologia. De repente não é preciso explicar nada direito mais!

  10. Victor Passos Says:

    Ótimo texto!
    Uma pena Lost ter tomado um rumo tão inconsistente com a proposta inicial.
    Triste ter a certeza final que a história nunca teve rumo, e que cada entrevista mentirosa dos produtores não passou de um engôdo arquitetado na maior cara de pau.
    Fiquei contente de ver toda a minha frustração com a série condensada num texto que ajuda os descontentes a ter voz.
    Namastê

  11. Anderson Says:

    Ótimo texto!

    Sem considerar o cinismo dos “principais veículos” e seus comentaristas que apenas elogiaram o final (ou essa 6ª temporada), ignorando convenientemente de tudo que se passou na série.

    E ainda fica no ar essa idéia equivocada de Lost ser a melhor série já feita. Mas a explicação para isto existe: o marketing e espectadores de capacidade intelectual sofrível, que parecem possuir apenas memória de curto prazo.

    Observações complementares:
    Quem apareceu para o Michael no cargueiro? O MIB não poderia ser, pois ele precisava de um barco para mudar de ilhas.

    E que motivação inconsciente o Jack teria para ter casado (e tido um (F)filho) com a mulher em que foi responsável indireto pela morte?

  12. Paralelo Says:

    Patty, Silvia, Eric, BiaC., Sidnei, Victor, Marcos,

    gratificante encontrar nossos iguais indignados, rs… Ufa! Eu pensava justamente em fazer algo para tirar essa falsa impressão de que o fim de Lost foi genial, e que todos concordaram com isso. Foi um pesadelo terminar o episódio e só ver elogio atrás de elogio na mídia! Imagino o alívio da Patty, com todas essas maravilhosas coincidências, rsrs (também adorei).

    Yuri,

    onde você quis chegar sobre a turbina e a marcha-a-ré? Não sei se era “pois é, foi tosco mesmo” ou “você está muito exigente, por que não reclamou até deste detalhe mínimo?”

    KA,

    tua explicação pra ter apreciado o episódio faz todo sentido, já que eu jamais perdi a esperança num desfecho fabuloso pra Lost (em outras palavras: eu fui “pato” até faltar 10 minutos pro fim da série!) e, portanto, minha frustração veio numa explosão só, e não aos poucos. Foi realmente chocante, pra mim, ir vendo aquilo que me parecia impossível: não estão respondendo NADA? É SÉRIO? Ãh?! Wtf?! Igreja? Mortos?!

    Pajé,

    não esperava ‘converter’ um satisfeito, kkkkkk! Claro, você já devia estar na corda bamba mesmo.

    Anderson,

    de fato. Se for catar os furos, dá um livro. E, considerando que o pai de Jack estava no Limbo, também não podia ser ele, seja pra Michael no cargueiro, seja pra Jack no hospital. Pelo menos, Juliet parece deixar claro que, uma vez mortos, todos vão direto pro Limbo.

    Abraços a todos.

    P.S.: não resisti e incluí mais um parágrafo, sobre a incoerência de Jack entrar na Caverna e morrer (afinal, deveria ocorrer “algo pior que a morte” com ele).

  13. Marlon Says:

    Quando eu comprar em DVD a última temporada de lost, vou jogar fora o último episódio……….

    O que tinha a ver o limbo, a vida pós-morte com Lost????
    Parecia que eu estava vendo um episódio de supernatural……..

    Me senti um palhaço sem saber quem matou todos os passageiros da Ajira. Quem estava atirando nos Losties na canoa na 5° temporada quando estavam indo para a orquidea….

    E final das contas….. ainda não sei o que é o monstro que derruba as arvores? porque ele nao podia sair da ilha? o que ia acontecer se ele saisse????

  14. Xupilsca Says:

    Eu tive esse mesmo sentimento. Se tivesse tirado os últimos 10 minutos, eu até engoliria um final super novela da globo (choro só de pensar em Sawyer e Juliet). Pra mim a frustração aconteceu quando o Christian Shephard abre a boca. Quando acabou eu só soltei um: “Hã?”. E não foi por não ter entendido, e sim por não acreditar que fizeram isso comigo. Podiam pelo menos falar do básico, como o MIB ser repelido por cinzas (qualquer uma? Pq quando ele vai pra cabana, o Jacob não está morto). Eram cinzas de candidatos? Ex-guardiões?

    E olha que eu estava achando a 6ª temporada boa, mas depois de Across The Sea eu tinha que ter preparado o meu espírito.

    Quem morreu fui eu, e nem passei no limbo…

  15. Vicente Says:

    Caralho,

    falou tudo brotha.

    Conclui-se apenas a história do limbo, deixando o verdadeiro enigma – a Ilha – em segundo plano, atrás de uma lenga-lenga religiosa e medíocre.

    Um abraço.

  16. Ricardo Mathias Says:

    Perfeito sua crítica. Tive a mesmíssima sensação. Utilizaram um truque barato de inventar uma história paralela, sem qualquer relação com a trama original, só pra desviar o foco das incoerências que não souberam responder. Decepcionante.

  17. JP Says:

    Por que a escotilha acende pra Locke????? Sério?!?! Você não viu? Cara, nada mais era do Desmond (dentro de um dos quartos) acendendo a iluminação interna. Como havia uma sequência de espelhos usados para vigilância, um dos raios de luz atingiu a escotilha na hora que Locke está batendo nela. Ou seja, pura coincidência. Taí a sua explicação. Reveja e verá que é verdade.

  18. Luciene Says:

    JP, se você prestar atenção ao texto, ele disse que essa foi uma das questões bem respondidas ao longo da série.

  19. Andrea Says:

    Gente, que tristeza!!!! Fico a procurs de um alento na internet, uma notícia que existe um verdadeiro final alternativo, que vai sair a sétima temporada… mas é só ilusão…
    Só encontro o consolo de que não sou a única que se apaixonou pela série pra ser tão desapontada depois…

  20. Wagner Douglas Says:

    Assino embaixo tudo isso!!!

    A gente achava q estes produtores e roteiristas eram o supra-sumo da inteligência. Explicaram algumas coisas que a princípio eram absurdas, e nos deixaram na expectativa de saber o desenrolar chocante de diversos mistérios. No fim das contas, eram apenas “bullshit” pra deixar a gente acompanhando blogs e mais blogs de discussão, madrugadas em claro, perda de tempo imaginando como poderia ser as soluções, compras de souvenires, etc, pro fim não resolverem coisa alguma e fazer um final digno de uma série maternal, jardim de infância puro. Esse fim não foi o LOST que aprendi a gostar. Esses produtores e roteiristas então se mostraram CHARLATÕES DE ÚLTIMA CATEGORIA, só querendo saber de ficar muito mais ricos. Fiquei decepcionadíssimo!

  21. Carol Says:

    Amei sua análise! Parabéns!

  22. Carolina Says:

    Finalmente um ser pensante resolveu escrever algo coerente sobre esse final bonitinho de Lost! Dá até náuseas entrar em blogs como o Dude we are lost e ver as resenhas melosas e os comentários de gente boba que, depois de passar anos postando teorias e questionando, de repente acharem esse final idiota uma obra prima.

  23. Júlio Says:

    Se conseguiram consertar o avião rapidinho, em uma hora, PORQUE DIABOS NÃO O FIZERAM ANTES?

  24. Marcio Albuquerque Says:

    Discordo de alguns pontos, e sua manifestação contra religioes foi desnecessaria e grossa.

    No entanto, agradeço por ver refletido meu desapontamento sobre Lost.

    O pior são os fãs que criaram uma nova igreja Lost (a la Star Trek) e consideram a série um divisor de aguas entre inteligentes e estupidos. Quase um teste de QI.

    • Leonardo Nery Says:

      Concordo com Marcio Albuquerque no que tange aos seus comentários a cerca da religião. Fé é algo pessoal e para os que creem é algo a ser respeitado.

      • Paralelo (Lauro Edison) Says:

        Leonardo,

        não é desrespeito eu dizer o que honestamente penso sobre religião, ou sobre qualquer assunto. Todos os livros ‘sagrados’ são sim, a meu ver, uma coleção de bobagens antigas. Tenho o direito de dizer o que penso. Os religiosos que aprendam a ser tolerantes com a diferença.

      • Renato Miranda Says:

        cara, otima sua analise sobre o final decepcionate dessa serie que empolgou tanto. falou tudo.

        impressionante como crentes sao chatos e insistem em pedir repsito a suas alucinacoes. sera´ que ficam irritados se alguem criticar as fadas ? o saci ?

  25. Lelê Says:

    Obrigada por (pelo visto) ser o ÚNICO a dizer algo plausível sobre o fim de Lost. E até por não esquecer o que a série de fato FOI um dia. O Leco – lá do Teorias Lost – conseguiu fazer o “comentário detalhado” sem apontar um só erro de Lost. Gente, como é possível?! Tomei a liberdade de postar um comentário e divulgar esse link lá.

    http://www.teoriaslost.com/2010/05/detalhes-de-617618-end-series-finale.html

  26. simiano Says:

    Cara li seu post e concordo com muito do que vc disse sim. Acho que as questões da ilha ficaram extremamente mal explicadas.

    A questão do purgatório já acho que não deixou pontas. O que me pareceu foi que ali é uma vida pós morte, onde eles tem a chance de expurgarem os erros que cometeram no passado ou até sofrer pelas maldades que cometeram. Veja comigo

    Jack e seu pai tinham uma relação conflituosa, e Jack chegou a dizer uma vez que seria um pai bem melhor que Christian. Então no purgatório ele foi posto a prova com um filho que achava que ele tinha as mesmas atitudes que ele.

    Locke passou grande parte da vida com o ódio pelo que seu pai o fez, e teve que ser confrontado com o fato de ele ter causado um grande trauma a seu pai.

    Sawyer sendo um vigaristam tendo a oportunidade de se redimir ao ser um policial.

    Hugo sendo uma cara de sorte não trazer azar as outras pessoas mas tentar ajudá-las.

    Se formos pegar todos os personagens estão em situação parecida. Então acho que isso do purgatório ficou razoavelmente bem explicado, mas as mitologias da ilha e os seus mistérios, isso foi algo que cagaram em cima mesmo, e nesse ponto sou mais um fã indignado.

  27. Kurayami Says:

    Bom dia!
    Peguei o link pelo Lelê, que ele postou no TeoriasLost, e resolvi vir conferir. (Afinal, eu só havia lido criticas ‘positivas’, queria saber o outro lado tb).

    Primeiramente, eu gostei do final (bem como da série como um todo). Não achei nada muito forçado, traição, e nem nada do tipo. Não posso negar, claro, que há falhas no desenrrolar do enrredo e alguns buracos bem fundos. Mas nenhum deles, acho, é uma âncora que afunda o seriado como um todo.
    Como foi dito em algum blog, em Lost, o ‘Eletromagnetismo’ foi o responsável por tudo que eles queriam fazer mas non tinham como explicar. À partir desse momento, ou você abre totalmente a mente e é simplesmente guiado na jornada, ou você ficará muito decepcionado e inconformado com muitas coisas que aconteceriam (e aconteceram). As curas, os poderes do Guardião, o Smokey… tudo isso seria obra do Eletromagnetismo (ou dos poderes da ilha, seja qual for a base deles).
    Eu optei por só ouvir, e aproveitar a jornada, sem um livro de física/química/ciência do lado, ou uma Bílbia/Alcorão… E digo que foi bem proveitoso ^^

    Eu ia comentar alguns pontos do seu post, mas non acho necessário. Só queria expressar minha opinião aqui também.
    E uma pena vc(s) non ter(em) gostado, sério =/

  28. Kurayami Says:

    Acabei de ler o post anterior!
    Quer saber, deixa xD Provavelmente você nunca entederá.

    Btw, já assisiu The Prestige, com Christian Bale e Hugh Jackman?

    • Liana Says:

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, só tenho que rir da sua cara, ser superior…

      • Kurayami Says:

        Nãão, não. Longe de mim me sentir superior.
        Quis dizer que ele nunca entenderá, digamos, ‘o gosto do mistério’.
        Se ele acha que a graça está em ‘saber com faz’, ele nunca entenderá o outro lado (‘ver sem saber’).
        É questão de gosto mesmo. Como você gosta mais de comédia e romance, e eu mais de aventuras ou ação.

        Desculpe se me expressei mal ^^

  29. Wilian Says:

    Olá
    Cheguei aqui através do link no teoriaslost que o coelga de cima postou.
    Achei maravilhoso seu texto.

    Por fim, gostaria de dizer a todos os inconformados que pensem LOST FOI UMA SÉRIE DE TRÊS TEMPORADAS.

    Esquecem todo o resto, curtam as três primeiras que foram realmente excelentes.

    O que será que esta passando nos outros canais?

  30. Juliana Says:

    Pô, eu amei o final, não concordo com a decepção, mas juro que fico aliviada de ver um contraponto tão bom e inteligente. Visões diferentes sempre agregam. O problema são os ataques por atacar, vazios de argumento e cheios de agressividade. Tudo o que você NÃO fez em seu texto. Parabéns!

    Só posso contribuir com duas coisas?
    Sobre a frases “Estamos aqui pra lembrar… e esquecer”, o problema foi a tradução. Falei disso no post de detalhes do episódio no Teorias Lost. “Let Go”, naquele contexto, estaria mais para “se desapegar”, no sentido de se libertar da vida terrena e seguir adiante, evoluir espiritualmente. Óbvio que isso traz uma penca de conceitos religiosos embutidos, mas né, gostando ou não, a situação era essa. Acho que a tradução foi infeliz. Eles não tinham que esquecer de nada, e sim superar, conscientes de tudo o que tinham aprendido.

    Outro esclarecimento, sobre um comentário do Yuri, que disse que aviões não andam de ré: segundo meu pai, que foi comissário de bordo por mais de 20 anos, acionando o reverso, com uma potência adequada do motor, ele vai para trás sim.

  31. Anderson Says:

    Paralelo, mais observações.

    Algo que eu considerava estranho, e que com o fim da série ficou mais claro. O plano do (F)Locke para matar o Jacob não tinha muito sentido, com uma inconsistência muito grande. Pois vejamos, o plano se resumia no seguinte: Convencer o Locke a sair da ilha para morrer, e de algum modo o cadáver voltar para a ilha, assim tomaria a forma do Locke enganando e/ou convencendo o Ben a assassinar o Jacob.

    Até ai parece um plano engenhoso e razoável, mas somente se ignorarmos os que viviam na ilha e que o Jacob poderia alertar. O Richard, por exemplo, em mais de 100 anos na ilha, não sabia que o MIB tomava forma de outras pessoas, mais precisamente, as que morreram? Quem ele pensou que apareceu para o Ben (quando criança) na forma da mãe deste? O Jacob não se deu o trabalho de avisá-lo (Richard)?

    Mesmo aceitando esse desconhecimento por parte do Richard e dos Outros sobre essa capacidade do MIB copiar os mortos, fica a dúvida de quem passou a informação de que o cadáver do Locke tinha de estar no vôo da Ajira. O (F)Locke não podia sair da ilha, logo não teria como informar ninguém de fora. Como a Eloise sabia disso? Se a Eloise e o Widmore trabalhavam em conjunto, surgem essas possibilidades:

    – Se eles eram aliados do Jacob, não diriam para levar o corpo do Locke para a ilha, gratuitamente, pois apenas ajudaria no plano de fuga do MIB.
    (essa de “todos” estarem presentes não faz sentido, pois o Aaron e o Walt não embarcaram. E outra, a Kate estava cumprindo pena, não sendo permitido ela sair do Estado, muito menos pegar um vôo internacional…).
    – Se eles eram aliados do MIB, não faz sentido o Widmore depois ir à ilha levando cercas sônicas.
    – Se eles trabalhavam isoladamente, para que ajudar os losties (e o Ben) voltar à ilha? Ficou claro que eles precisavam apenas do Desmond para sabe-se lá o que.

    E pensando nisso, as intenções do Widmore e da Eloise nunca foram esclarecidas, “levar o Desmond” não resolve nada, pois em que exatamente o Desmond seria útil para o Widmore? Tirar a rolha? Ver a vida após a morte? WTF! Isto levanta a hipótese do Widmore saber sobre a “luz”, mas não também passa de especulação, a série nunca disse nada a este respeito.

    O (F)Locke/MIB não tinha controle algum do que acontecia fora da ilha, qual a garantia de que o Locke fosse morrer? E de voltar?

    Se o Jacob considerava importante avisar a Ilana e o grupo que embarcou no Ajira para proteger os candidatos, porque não avisar o Richard (ou os Outros) também? O cara ficou igual uma barata-tonta toda a sexta temporada, sem saber o que fazer, ora desmaiado, ora querendo explodir o avião. Seria o mínimo de inteligência deixar o Richard bem informado e contar como aliado uma pessoa que é IMORTAL, diferente do grupo da Ilana, que foi dizimado em segundos…

    Há outros tantos furos de roteiro, que eu sequer chamaria de mistérios… estão tão entrelaçados que inviabilizam toda a coerência dos eventos narrados.

  32. Polyanna Says:

    gente, por mim lost seria a melhor temporada de todos os tempos, se tivesse um fim maneiro. O que me deixou com muita raiva foi que o criador teve tanta imaginação de criar enigmas mas, nao soube responde-los. Pra mim a morte é uma resposta muito simples pra tudo aquilo que ocorreu na ilha, esperava milhoes de respostas nesta utima temporada, mas ele matou quem nao tinha que matar, e essa outra vida que eles teriam fora da ilha, sinceramente, só atrapalhou tudo e ficou sem nexo, pois nao teve um fim. O errado foi, lost nao deveria acabar nesta 6ª temporada. Esse foi o grande erro. Parabéns pelo texto.

  33. Polyanna Says:

    aaaaaaaaah, nao acredito que nesse tempo todo eu quebrei a cabeça pra entender lost, simplesmente todos morrem no final!! pqp ¬
    traição mesmo com todos que viram lost do começo ao fim sem ter nada de como aquilo tudo ocorreu, e no grande e esperado fim, com todas as respostas as nossas perguntas .. puff.. morrem. Digno de pena essa ultima temporada :\

  34. Vannessa Jacarndá Says:

    Depois de 6 anos apaixonada por Jack ..rsss..me apaixonei por vc !!
    Tinha lido quase td buscando uma solução..encontrei aqui.
    PRABÉNS!!!!

  35. Vannessa Jacarndá Says:

    PARABÉNSSSS!!!!

  36. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Pessoal, muito obrigado pelos elogios.

    Marlon, foi o pessoal do Widmore que matou os passageiros do Ajira, não? Xupilsca, quando o pai de Jack abriu a boca, levantei os braços, chocado, rs. Luciene, thanks pelo JP, rsrsrs… Julio, fato. Andrea, esse lance de Limbo foi tão ruim que prejudica qualquer spin-off, universo expandido, filme ou continuação pra Lost!

    Todo o pessoal que tá completamente frustrado com a falta de respostas, eu me identifico 100%. E me pergunto como é possível que alguém não veja isso… Como podem dizer: “nossa, gente! Deixem as respostas pra lá, relaxem e curtam!” Aaaargh!

    Wiliam,

    a ideia de considerar uma série de 3 temporadas, eu até queria. Faço isso com Matrix, por exemplo. Só existe o primeiro filme, rs. Mas dava pra fazer, porque a história de Matrix I fecha. Lost, ao contrário, NUNCA FECHA. E não fechou nem no episódio final.

    Simiano,

    A interpretação de que, no Limbo, os losties tem uma espécie de “compensação” pela vida que tiveram soa estranha e forçada (como qualquer outra, aliás). Charlie continua viciado (e só); Sayid, ainda matando a sangue frio; o pai de Ben, coitado, nem se fala; Kate está igualzinha, fugindo; Locke deveria ir pro paraíso direto, rs, mas está paraplégico e morrendo de culpa pelo pai; Desmond como um magnata solitário? Que tem a ver? Então, creio que a vida dos losties no Limbo não foi pensada para o Limbo, viu? Quanto mais penso, mais acho que os criadores saíram chutando mesmo.

    Kurayami,

    sim, eu vi The Prestige e, apesar de todo o blá-blá-blá sobre “não estragar o truque”, eles revelam todo o segredo no final. Você entende tudo o que houve. Por isso mesmo, filme fabuloso. A diversão está em saber, rs. Vai dizer que o Mister M não era do caralho? Estou com House. House é foda! =D

    Lelê,

    eu até mandei o texto para os e-mails do Dude e do Teorias, pra ver se quem sabe publicam ou, ao menos, linkam. Enquanto isso, vi que também lá no Dude pelo menos duas pessoas pediram pra ser publicado. Vamos ver. Acho que os comentários aqui provam que tem muita gente ansiosa por um contraponto mais visível nos “meios Lost”, rs.

    Juliana,

    você tem o tipo de mentalidade que gosto. Te vi, lá no Teorias, dizendo que o espaço de comentário ERA MESMO pra debater, discordar, criticar. Essa turma não-me-toque do “pra que escrever, se discorda?” é fogo mesmo, rs.

    Sobre o “let go”, eu realmente fui vítima da tradução. Obrigado pela correção. Aí sim, a frase funciona, em vez de ser embromação gratuita (esquecer o quê, afinal? O que acabaram de lembrar?) – afinal, eles estão ali justamente para interromper, através de seus reencontros, perdões, reconciliações, etc., aquela vivência ainda anexada [apegada] aos dramas da vida passada. Dá pra riscar minha crítica à frase, sim. E fica tão bonito [hmmm, raspando no piegas…] quanto sei que ficou toda a parábola do Limbo. 😉 … Mas, claro, é como eu disse: Limbo?! Wtf?! rsrsrsrs

    Anderson,

    como eu disse, daria um livro, rs. Muita sacanagem do Jacob mandar Ilana & cia. pra lá, para morrerem todos, e à-toa, quando ele podia, sei lá, “tocá-los”, deixá-los invulneráveis à Black Smoke, o que for. Como você bem disse, ele não fez isso e, pior, não explicou nada pra Alpert, que de fato era invulnerável. Palhaçada total.

    Mas pelo menos sobre Locke morrer, isso a própria Black Smoke (encarnando o pai de Jack) o “instruiu” a fazer. E a ideia de “todos voltarem a ilha” também foi propagada pelo próprio Locke, ainda vivo. Sim, tudo fraco, mas já estamos nessa, né? Só fica esquisita a insistência de Ben e Miss Hawking para que o corpo de Locke vá junto (com sapatinho certo e tudo ¬¬). Isso Locke nunca especificou. Por que Ben e Hawking fariam questão? Não foi Jacob quem pediu isso… Então, no fim, você tem razão. Outra furada grandiosa.

  37. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Ih, Vanessa, então aparece! rsrsrsrsrs

  38. andre Says:

    Ainda não entendi uma coisa
    Se o mib desejava sair da ilha seria para conhecer pessoas lugares etc…
    mas se ele sair tudo acabara
    entao pq ele iria sair????
    pq a mae nao poderia libera-lo se o jacob iria ficar para proteger???

  39. Miguel Says:

    Achei o ep. final emocionante. Porém, divorciado da proposta da série, que não era sobre pessoas, mas sim, sobre mistérios e propriedades físicas da ilha (basta ver o Lostpedia), e, também, da propria 6a. temp., em que se esperava saber os efeitos da explosão (ou não) da bomba.
    Na verdade, estamos nos conformando com o final, após ler informações adicionais ou rever o ep. (várias x diga-se de passagem), afinal, investimos seis anos e vários dias/noites nele.
    Outra coisa, as temporadas anteriores falam do Jacob como “o cara”, e a sexta o revela como um idiota, como bem apontado aqui nos demais comentarios, que não sabia de nada, morreu de forma idiota, etc.
    O mesmo do Balck Smoke, cujas atitudes dispensam maiores comentários.
    Cara, parabéns pela tua visão. Todos os demais sites defendem o final como algo fodástico, que só os top inteligentes conseguem entender, o que é completamente ridículo. O final não tem nada a ver!

  40. Miguel Says:

    Por sinal, sabem aquela Kristin do E!? A que tem as informações previlegiadas dos criadores do Lost? Ela tenta explicar o final:
    http://www.eonline.com/uberblog/watch_with_kristin/b183078_idiots_guide_lost.html
    Vale a pena ler para ver como estamos certos: o final seixa a desejar.
    Dá para votar também sobre o que achou do final da série e os resultados são:
    What did you think of the Lost series finale?
    52.0% Loved it
    24.0% Liked it
    11.2% Hated it
    12.8% I still don’t get it!
    Abraços!

  41. Rodrigo Says:

    Ufa… finalmente achei um blog que compartilha a minha decepção de FÃ ASSÍDUO de LOST com esse final melancólico e piegas…

    O que me fez ser fã de LOST foram os mistérios e enigmas jamais vistos na história da TV mundial… que me fez perder horas e horas, anos e anos pesquisando, compartilhando, se dedicando a tentar entender tudo isso…

    mas depois dessa 6ª temporada e desse final patético só tive a certeza que os criadores se perderam com TANTOS enigmas e adotaram a saída mais fácil… mitologia e espiritualismo…

    Pior é ver TANTOS FÃS se dizendo satisfeitos com esse desfecho sentimentalóide…

  42. Renata Says:

    Gostei demais do seu texto. Como tantas outras pessoas aqui, eu tbm fiquei esperando o desfecho de Lost. E vou apodrecer esperando, pois isso não foi final, foi engodo [como vc bem disse]. Me irritou ler comentários em outros blogs sem uma única crítica, apenas dizendo que o final foi sensacional [será que eles viram outra série? nao é possível!].

    Muitas coisas importantes ficaram pra trás, abafadas pelo final emotivo:

    1) afinal pq o Aaron tinha que ser criado pela Claire? que diferença isso fez/faria na serie?
    2) pq o Jacob ressucitou o Locke (se o MIB ia pegar o corpo dele)?
    3) que poder tinham as cinzas do Jacob?
    4) afinal, de que lado estava a Eloise? Matou o filho e empurra ele de volta pra ilha?
    5) qual a relação da Ilana c/ o Jacob? Pq e como ela sabia que o MIB ia pegar a forma do Locke e não poderia + mudá-la? E pq ela sabia disso tudo e o Richard nao sabia de nada?
    6) Jacob era um idiota ou é impressão minha?

    Não teremos estas respostas. É o “ganha, mas não leva”. Paciencia!

    De qualquer forma, queria deixar os parabéns pelas suas palavras neste post, todas muito bem colocadas e coerentes. E parabéns pela coragem de expressar o que muitos sentiram com esse final sem sentido.

  43. Brito Says:

    Que bosta! FIM

  44. Renato Augusto Avino Says:

    Este final de Lost foi repleto de emoção, mas mesmo com toda esta emoção, eu não conseguia digerir bem… e não conseguia entender o porquê.
    Até que li o seu post. De fato, consta neste post todas as coisas que não se encaixam e que deixam este último episódio de Lost difícil de engolir.
    Amei a série como um todo, e este último espisódio foi repleto de emoção. Mas, tive essa sensação de que toda esta emoção foi para encobrir todas estas falhas e inconsistências, que as novelas fazem.

  45. adriano Says:

    cara……….foi o melhor texto sobre o final piengas de lost q eu já li!!!!
    conseguiu abranger todos os pontos.
    ps. indignado por este final….

  46. Hugo. Says:

    Cara,

    Parabéns pelo texto, pelas lembranças e pelas controvérsias que trouxe.

    Com teu texto, eu mesmo me deparei com situações que nem me lembrava.

    Infelizmente existem muitas contradições com o final lançado, realmente não tendo sido a melhor resposta para os “Segredos de Lost”.
    _____________

    Parabéns pelo texto, mais uma vez.

    Abraços.

  47. SPECTRE1961 Says:

    שָׁלוֹם

    Paralelo, gostaria que você tenha uma leitura do que eu vou colocar aqui …

    Fora do lugar comum ..

    Por favor interprete minhas palavras, como seu eu fosse o personagem …

    “A Presença” do Universo D.C. ou o “One Above All” do Universo Marvel …

    Vamos lá …

    A relação de estapafúrdios e incoerências no roteiro de Lost,

    Nesse momento se tornaram insignificantes …

    O “zeitgeist” que o seriado deixou em milhões de pessoas por todo o planeta …

    É muito + significativo e relevante, que um roteiro “costurado” às pressas …

    A dicotomia:

    Ciência x Religião denotou um grande “vazio” para cada seguidor assíduo de Lost,

    Por ter deixado nesse “mix”, um gosto de falcatrua e oportunismo pelos autores gringos …

    Que você brilhantemente expôs em suas linhas …

    Porém …

    Máximas, como:

    “A Ilha é secundária, o importante são os personagens”

    “A Ilha era o tema central e os personagens, eram os “players” dela”

    Ou seja …

    Tanto a leitura de uma linha de pensamento como a outra,

    É de valor estéril …

    O fundamental é …

    Durante o período de 2005 – 2010, uma parcela significativas de pessoas ao redor do mundo ..

    Estavam e ainda estão numa frequência que podemos designar como:

    “Lost”

    |Sim, e a patotinha da ABC + a turminha do J.J. Abrams ganharam milhões, etc …

    Mas …

    Todos nós, que assistimos e ainda estamos em sintonia com recordações, “sentimentos” e blá blá blá …

    Nós estamos provocando uma poderosa cadeia de “Egrégoras” !

    (From: “tecnologia kardecista”)

    Pausa …

    Ok, Paralelo …

    Nesse momento, estou entrando no terreno do “Fantástico”,

    Do “Nonsense” …

    Acima até dos patamares previstos no Kardecismo e de outras correntes místicas/religiosas …

    Não importa …

    Lost assim como os “análogos”: Arquivo – X e agora Fringe …

    Tendem a provocar uma espécie de “fricção” nas mentes dos espectadores, sendo eles “nerds”, “geeks” ou não … uma “excitação” que eu expresso como uma sinalização dos tempos que estamos vivendo e os rumos que a moderna sociedade vai anda passar …

    Um “presságio” em outras palavras ..

    Quando principalmente, você de uma maneira inteligente e racional,

    Enquadrou o seriado yankee como um “ENGODO” !

    Paralelo,

    As “patricinhas”, os “mauricinhos”, os “paraibas” e todo o “curral” de estereótipos …

    Querem uma certeza …

    Para provocarem o “Moving On” …

    Eis o por que,

    Que muitos deles, ao “lerem” as suas conclusões e interpretações,

    O taxam como um “rebelde isolado” ou um “estraga prazeres”…

    Amigo Paralelo,

    O mainstream quer nos “engolir” …

    Tranformar em “commodities” todos nós,

    É o alvo Number One

    Afinal …

    Fodam-se as “pessoas” ….

    Viva !

    Os “consumidores” …

    (DVDs, Bonequinhos, Albúm de Figurinhas, Vibradores, etc …)

    Por que,

    Para eles …

    A Ilha de Lost …

    Está em alguma prateleira do Walt – Mart …

    Solução Final:

    A Arma Secreta do “Samba do Crioulo Doido” ….

    A única saída que eu vejo para isso,

    É “caetanizar” os significados de Lost e toda a celeuma que vem junto …

    Até por que,

    Nós somos nativos de Pindorama …

    E por aqui, nessas plagas …

    2 + 2 … “pode ser que seja 4, ou não!”

    “O pior cego é o que não quer duvidar”

    Wilhelm Reich

    Amigo Paralelo,

    Todá Raba !

    Tipo

    Estereótipo
    Monotipo
    Tipo sanguíneo
    Você é o meu tipo?
    Minimalismo
    Expressionismo abstrato
    Pós-modernismo
    É isso?

    Nós somos os filhos do concreto e do aço
    Este é o lugar onde a verdade está contida
    Esta é a hora que a mentira é revelada
    Tudo é possível, mas nada é real

    Religião corporativista
    Televanjahipnotismo
    Sofra até morrer
    Pelo doce-tchau-e-tchau
    Ciência e tecnologia, a nova mitologia
    Olhe bem fundo
    Vazio

    Nós somos os filhos do concreto e do aço
    Este é o lugar onde a verdade está contida
    Esta é a hora que a mentira é revelada
    Tudo é possível, mas nada é real

    Tudo que vai
    Volta

    Hipotético
    Teorético
    Evidência circunstancial
    Irrelevância
    Não pense duas vezes
    Apenas role os dados
    Pague o preço
    Olhos de cobra

    Nós somos os filhos do concreto e do aço
    Este é o lugar onde a verdade está contida
    Esta é a hora que a mentira é revelada
    Tudo é possível, mas nada é real

    Nós somos os filhos do concreto e do aço
    Este é o lugar onde o seu destino foi selado
    Esta é a hora que a sua vida é revelada
    Tudo é possível, mas nada é real

    Tudo que vai
    Volta…

    Type/Living Color

    SHALOM !

  48. Wilson Says:

    A melhor crítica que eu li sobre Lost essa semana.. Me sinto exatamente como vc.. Insatisfeito e frustrado.. A série foi fenomenal, mas esse final foi deprimente.
    Muitas pessoas dizem que a o final foi ideal e que a falta de explicações é proposital para que cada um chegue a suas próprias conclusões… Mas acho que é papo de quem está se enganando e fazendo força, muita força, para acreditar que esses 6 anos de Lost fizeram sentido.
    Na minha opinião, o último capítulo de Lost foi o final da sexta temporada, as outras 5 temporadas não fizeram diferença.

  49. Daniel Medina Says:

    Não consegui ler até o final, depois eu tento. Mas voce disse que o Sayind e o Charlie, que eram candidatos se mataram, quando existe a Regra Que Os Candidatos Não Podem Se Matar. Se eu não me engano, Charlie não se mata, O cara de tapa-olho explode uma granada fazendo inundar a sala onde Charlie estava, e este morrendo afogado. E no caso de Sayind, quem tentou desarmar a bomba foi o Sawyer, e não o Sayid, a única coisa que este fez foi levar a bomba, que iria explodir de qualquer jeito, para outro lugar e aí sim a bomba explodiu. Não me parece que eles tenham comitido suicídio.

  50. Reginaldo Says:

    A Black Smoke matou o piloto para garantir que ninguem fugisse da ilha, pois ali existiam varias pessoas para serem usadas em seus planos de matar Jacob.

    “2) pq o Jacob ressucitou o Locke (se o MIB ia pegar o corpo dele)?”
    R= O Jacob ressucitou o Locke antes do mesmo ir para ilha. Ou seja, o Jacob não era vidente!.

  51. Anderson Says:

    Reginaldo, ajuda pensar um pouco antes de escrever.

    O piloto ia proporcionar a fuga de que jeito? Juntando os destroços do avião e pilotando? ¬¬’

    Sobre o Jacob ressuscitar o Locke:
    O Jacob – vale lembrar, como GUARDIÃO DA ILHA – no mínimo sabia que os losties viajaram no tempo (anos 70; anos 90; na época em que a estátua estava inteira etc.) e isso inclui o Locke. Se o MIB sabia dos locais e épocas em que o Locke ia aparecer, porque não o Jacob?

  52. Marco Túlio Says:

    Perfeita sua análise.

    No meu caso, desisti no dia em que o galeão de madeira bateu na enorme estátua de pedra. O resultado foi a estátua totalmente destruída, a ponto de não ficarem nem as pedras por perto e o galeão saiu totalmente intacto e foi parar no meio da mata !? Não encalhou? Bateu em pedras e nem arranhou? Ah, certo, foi o Jacob que trouxe o galeão a salvo, foi a luz que protegeu o galeão… qual é!

    Foi uma solução tão ridícula para explicar o Galeão que passei a esperar pelo pior na revelação dos mistérios.

    O que ficou foi a emoção de ver o final, de saber que acabou. Acho que isso é o que emocionou a todos. Como roteiro foi realmente ridículo. Conto para ganhar dinheiro, já que a fraude só seria revelada no final, com todos já ricos.

    E aquele final de novela das oito, com todos os casais se formando no último capítulo? kkkkkkkkk

  53. Raphael Says:

    Marco Túlio:
    Na série, “ficou no ar” (rs) que um tsunami teria passado por lá, e assim, fica no ar (também) que o galeão de madeira teria destruído a estátua de pedra, sem maiores estragos.
    A cena em si foi ridícula, assim como a morte do Jacob.
    E convenhamos, essa temporada foi bastante avacalhada, nem pareceu o mesmo seriado.

  54. Alípio Says:

    O texto começou bem, fazendo voz ao descontentamento com o fim da série, mas depois descambou para uma uma leva de argumentos mostrando quão falho é o roteiro. É claro que tem falhas, afinal é um roteiro. Eu não tenho mede de afirmar que sou capaz de achar erros e furos em qualquer livro, peça, filme, novela, série, video game, enfim, qualquer obra da ficção.
    Eu tenho um preconceito terrível contra novelas e adoro implicar com meus familiares que gostam delas, evidenciando um por um, os erros e furos. Por outro lado, livros e filmes que eu adoro, mas que sempre vejo furos aqui e acolá, eu faço vista grossa.
    Afirmo categoricamente que, fosse o final de seu contentamento, vc faria também vista grossa para os incontáveis furos que deixaria.

    O problema de Lost, é que a relação dos fãs com a séria é excessivamente passional. Tanto dos que amam tanto, que fecham os olhos para os defeitos, quanto os que estão agora terrivelmente decepcionados, que constroem textos gigantes como esse que acabei de ler. Que nada mais é que um desabafo, afinal foi a unica coisa que te restou. Vejo gente dizendo que perdeu seis anos da vida. Puxa, que vida infeliz dessas pessoas, nesse meio tempo eu fiz uma graduação, um mestrado, assisti Lost, etc….

    Lost foi uma série, e tem todos os problemas que uma série tem. É inerente ao formato. É como novela. A ficção é escrita ao mesmo tempo que nós a contemplamos. Um filme ou um livro, bem ou mal, está lá, do início ao fim, para apreciação. Uma série não. Ela sofre o impacto do expectador. Se gostam e com isso geram milhões, há pressão para que se crie mais e mais. Foi o que aconteceu com Lost. Eles começaram e terminaram a série como sempre imaginaram (tirando o fato que o purgatório seria a Ilha, e passou para a RP). O problema foi o meio termo. À pedidos da ABC foram criando e inventando mistérios e mais mistérios, que no fim das contas, não fazem sentido. Eles não mentiram que a série deles sempre foi sobre os personagens, sobre a redenção deles, ou vcs realmente acham que o título da série é sobre estarem perdidos na ilha? Santa ingenuidade Batman. O problema foi o sucesso, por mais ridículo que isso possa parecer. As pessoas gostavam do clima de mistério e nonsense da ilha (que era o purgatório, o além-vida, ou o que quiserem chamar e que com isso permitia o inexplicável) e então deram mistérios e mais mistérios para todos, e ai mora o problema. As pessoas se interessaram mais sobre a estranha ilha, do que sobre os personagens e seus problemas (o foco inicial da série) e eles embarcaram no interesse das pessoas, mesmo sem conseguir dar um desfecho interessante para isso. Ávidos pelo sucesso e dinheiro, ligaram o foda-se e enganaram a muitos. É, portanto, compreensível o gosto amargo na boca. Particularmente, não concordo muito com a parte de fãs que reclamam do abandono da ciência em prol do misticismo e religião. Pô, para mim, a ciência foi deixada de lado no momento em que eu vi um monstro de fumaça, com barulhos mecânicos, matando pessoas. A ciência em Lost sempre foi mambembe, sempre foi para despistar, para enrolar, mas mesmo assim gerou questionamentos e discussões que nenhuma outra série o fez.

    No fim, para mim, Lost foi isso: um misto de sensações, um misto de experiências. Amor, ódio, raiva, alegria, contentamento, decepção. Creio que para o formato, Lost foi importante e a mesmo com os incontáveis furos, mesmo com a enrolação, provocou discussões e reflexões, que as outras séries, tão burras, não conseguem criar. É isso o que mais me causa espanto! A melhor série dos ultimos anos é falha, tem furos, enganou os telespectadores, mas mesmo assim é infinitamente superior a maioria das concorrentes, que mesmo certinhas, fechadinhas, são estúpidas.

  55. Etiene Tico Says:

    Ótimo texto.

    Adorei ter assistido Lost durante todo esse tempo, só que infelizmente estragaram a última temporada e o final da série.
    Achei desnecessário a história do limbo, purgatório ou qualquer outro nome que inventaram.

    Deveriam ter usado essa última temporada para tentar esclarecer todos os mistérios da ilha e criar um desfecho digno para os personagens.

    Os roteiristas ficaram presos na fórmula ilha + flashback, ilha + flasforward, ilha + flash sei lá o que, após terem utilizado passado, presente e futuro, acabaram as opções, e partiram para esse pós morte, que para mim não ajudou em nada a resolver o seriado.

    Gostaria que tivessem resolvido coisas como Alvar Hanso, a Iniciativa Dharma, o motivo da Libby ter ficado no hospício, aquele templo do japonês,Walt, coisas que acho muito mais importantes.

  56. camila e thiago Says:

    DECEPCIONADOS…

  57. GILMAR Says:

    QUANDO LEIO SEU COMENTÁRIO COMEÇO A PENSAR TUDO NA VIDA DEVERIA TER RESPOSTA, QUERIA PODER ENCONTRAR COM PICASSO E PERGUNTAR SOBRE SUAS OBRAS O QUE SIGNIFICAM ,PQ ELA TEVE FASES DIFERENTES OU ENTÃO PQ VAN GOG CORTOU A PRÓPRIA ORELHA.LOST LIVE

  58. Michele Says:

    Finalmente alguém que consegue enxergar que fomos todos enganados e por muito mais tempo que imaginávamos…Adorei seu texto, já não me sinto tão idiota de ter detestado toda essa última temporada.

  59. andreia Says:

    A história não era sobre a ilha…e nem sobre os personagens, pessoas como queiram….era sobre os telespectadores….nós somos os losties!!!(Pelo menos é assim que me sinto depois de tudo) rs…ou os losties são os autores, produtores, elenco que nessa altura estão losts na grana que ganharam rs

  60. Carolina Says:

    Bem, eu concordo em grande parte com seu artigo. Quando li as últimas páginas de Harry Potter eu achei que tinha lido a pior coisa do mundo, pricipalmente se comparado a toda história. Depois do final de Lost, percebi que o fim de Harry Potter não foi tão ruim assim. Afinal, apesar de clichê, não entrou em desarmonia com o conteúdo da história, por assim dizer.

    Confesso que até depois de assistir o último capítulo eu ainda achava perfeito. No entanto, após determinada declaração (vou chegar lá) do porta-voz da ABC eu vi que Lost tinha se tornado aquele tipo de seriado estilo novela das 8, lá para o terceiro mês, quando o autor não lembra nem mais o nome da personagem que criou.

    A meu ver, o que faltou foi malícia por parte dos produtores. Até que eles quisessem nos enrolar e criar um final de última hora, poderiam ter feito melhor. Quando eu terminei de ver o último capítulo eu entendi o seguinte: todos eles morreram na queda do avião e, prá ser franca, preferia que tivesse sido assim já que eles preferiram uma resposta totalmente espiritual. Somente dessa forma os mistérios da ilha poderiam ter ficado sem solução. A ilha poderia bem ter sido um produto do subconsciente dos Losties, criado através da projeção de seus medos, aflições, como meio de sanar necessidades de superação. Enfim, um lugar que fosse real para eles, mas não prá gente. A RP, um segundo plano de consciência. Como é impossível contestar uma realidade espirtual, pronto. Estaria aí um final. Muita gente pderia ter gostado ou não, mas a explicação estaria lá.

    Mas o representante da ABC deixa claro que a experiência na ilha foi real e ela existiu. Pronto. Prá mim o erro tá aí. Se ela foi real, existiu, tem que haver explicações satisfatórias. Essa questão de negligenciar uma dimensão da história é absurda. Afinal, qual a importância real da ilha na vida desses personagens? Que papel ela desempenhou além de servir como ponto de encontro? Poderia bem ter sido em um bar.

    Essa coisa de dizer que se trata de ficção científica, portanto não precisa ser explicado é coisa de quem está mentindo para si mesmo. Para quem acha que é assim, aconselho a ler Operação Cavalo de Tróia. É uma ficção científica que conta a viagem de nois majores à época de cristo e você acompanha com detalhes preciosos uma viagem ao tempo.

  61. Carolina Says:

    Quanto ao caso do avião que dá ré… Gente, avião dá ré sim. Não como a gente entende. Eles usam uma manobra chamada power back, usam reversores. Eles não o fazem nos aeroportos porque é desnecessário.

  62. Sérgio Says:

    Os obtusos que não entenderam a série do inicio ao fim deveriam continuar assistindo Teletubies ou Chaves, pois isso já é muito para a mente das pessoas…

  63. FernandoC Says:

    Legal que as pessoas que hoje dizem “a série era sobre pessoas”, passaram todos esses anos curiosas com os mistérios e teorias decorrentes, inclusive os principais sites que agoram babam no final sem fim. Nunca vi estes aclamados seres discutindo, nas 5 temporadas anteriores, o relacionamento entre os personagens em primeiro plano… Ahã, sempre foi sobre pessoas…

  64. n0b0dy Says:

    os produtores SIMPLESMENTE MENTIRAM logo no inicio de Lost. Esta é a ‘chave do mistério’! Todos morreram na queda do 815… a partir daí, os ‘piores’ ficaram ‘presos’ na ilha surreal vivendo sem saber que estavam mortos.. e depois que ‘morreram’ foram prum próximo nivel espiritual… pra só então tomarem a consciência de que morreram na queda do 815… pensem assim e TUDO fará sentido! É o unico modo de fazer com que tudo faça sentido.. por isso era tudo surreal! Portando nada daquilo precisava de explicação cientifica (COMO explicar um monstro de fumaça com barulhos mecanicos que é sensivel à certas frequencias sonoras ou à cinzas de pessoas mortas?????) DÃÃÃÃÃ…
    Claro que neste contexto REAL de como foi o desfecho, a série desapontou MUITO porque os produtores negaram logo de cara que os losties NÃO ESTAVAM MORTOS! … só que uma justificativa pra isso se dá num dos ultimos diálogos da série, quando o Christian afirma pro Jack que eles SÃO REAIS E QUE TUDO QUE ELES VIVERAM FOI REAL! claro que neste contexto, o ”real” é espiritual……. THAT’S ALL FOLKS!!

  65. Amanda Says:

    Excelente texto!! Você conseguiu exprimir (quase) todas as minhas indignações. Ao terminar de assistir “The End”, senti que tinha perdido 6 anos da minha vida assistindo Lost. De repente a série ficou patética.

    O Limbo foi ridículo e totalmente sem sentido. Se eles já estavam mortos, porque morriam de novo? Então era tudo “imaginação” deles? O taxista que Kate sequestra, a advogada que trata do testamento do Shepard, a recepcionista do hospital, o balconista no aeroporto!!… E claro, como que Aaron nasceu se Claire estava morta?? Ridículo.

    Sinceramente, acho que eles não quiseram fazer um final feliz, pra não ficar cliché, e inventaram de última hora a desculpa esfarrapada do Limbo. Pelo menos se tivesse sido um final feliz, eu teria terminado o último episódio achando que foi lindo, e nem ligaria para a falta de respostas. A Ilha seria simplesmente um lugar misterioso. Seria surreal, mas condizente com o resto da série. Mas, mais uma vez, foi patético.

    E realmente, a batalha épica entre Jacob e MIB, se resumiu a uma simples briguinha. Se eles eram simples mortais, como viveram mais de 2 mil anos. E a falsa imortalidade do Alpert???? COMO ASSIM??? Então eu também sou imortal, pois não está nos meus planos dar cabo da minha própria vida.

    Enfim… Como já acabou, só tenho a dizer que foi DECEPCIONANTE.

  66. V. Leal Says:

    Oh finalmente um escrito sobre lost que não deixou a baba cair no teclado! Os sites aqui sitados são sites que eu visitava, no entanto os blogueiros donos desses blogs são fanáticos e uns inclusivem fat$$$uram para tecerem elogios absurdos sobre o que não é nada elogiável.

    Lost não foi a melhor série, mas nem aqui nem no purgatório ideal. O que foi realmente inovador em Lost diz respeito ao mercado, consumo e nova forma de divulgar um programa, nisso eles foram campeões. Dizer que Lost é sobre pessoas e seus dramas e dane-se os mistérios, aham! Com aqueles atores (salvo no máximo 3) que nem Manoel Carlos contrataria, se fosse drama ficaria difícil. E o público que gosta de boas atuações e drama etc, não ia escolher Lost para ver.

    Está claro o motivo de Sun não ter caído no passado junto com outros losties: prender a atenção da audiência para o reencontro. Os roteiristas entraram num processo de inventar mais e mais para prender a audiência e esse é o único mérito deles, pois conseguiram.
    Inventaram um monte de bobagens e deram declarações q. vc tb citou, que serviram de “sossega leão”, para quem já estava vendo a baboseira que iam fazer. Realmente, a rolha ficou ridícula. Tudo acabou num jogo de “fizemos pra chamar/prender sua atenção e vender bonequinhos, camisas, box”.

    Tá aí algo que sobrevive só pelos fanáticos que odiavam a idéia do purgatório, mas quando ela veio – ohhh que genialll, que inesperado! só rindo.

  67. deeperlost Says:

    CONCORDO COM VC EM CERTOS PONTOS.

    MAS, UMA PERGUNTA – XXXX – UMA ÓTIMA PERGUNTA

    SE VOCê PERCEBEU TUDO ISSO, PORQUE CONTINUOU ASSISTINDO A SÉRIE?

    POIS DE ACORDO COM VOCÊ…A SÉRIA ESTARIA CAPENGA BEM ANTES.

    MAS VEJA SÓ O QUE ELA FEZ COM VOCÊ!!!!!

    VOCÊ PAROU PARA ESCREVER UM TEXTO DESTE TAMANHO!!!!

    AGORA NÃO FIQUEI COM PENA DO FINAL, MAS DO SEU ESFORÇO.

    MAS CÁ PARA NÓS!!!

    FOI JUSTAMENTE DESSE FINAL, QUE VOCÊ ACHOU TANTAS RESPOSTAS PARA FALTA DE RESPOSTAS.

    AINDA BEM QUE SEU BLOG NÃO TEM O NOME DE LOST – IMAGINA!!!

    AGORA! APERTA PLAY

  68. Luiz Neves Says:

    Nossa cara, tu és um gênio! Gênio não, né?! Se não se acharás demais. HAHAHAH.. Mas foi fodástico esse teu post sobre o fim de lost. Quem ler e continuar o final de lost “Perfect” tá de palhaçada ou é muito lostista(mesma coisa que Clubista etc). Finalmente achei um lugar que eu pudesse explicar relação espaço/tempo da realidade parelela, ops, afinal não tem explicação. Ficava me remoendo esses dias “Mas se Jack morreu, ficou esperando até 2000 mil anos dps Hurley e Ben morrerem?” Muitos me respondiam “Ah, naquela linha espiritual, 2000 mil anos podem equivaler um simples mês”. Ah faça-me o favor né ¬¬.. Outra duvida que tinha era ” WTF! David ñ morreu como estava ali?”. Obrigado por vc me responder isso, simplesmente RÍDICULO, era uma simulação apenas pra os losties, mas e Keamy e outros?

    Pqp tantos erros, me deixa muito muito P* da vida, e o pior são as respostas forçada. Caramba, como forçaram a barra em cima de Locke.. Afinal como ele iria sair da ilha dps? Ia sair nadando, ou ia aprender a pilotar avião, visto que a principio o piloto tava morto. Enfim, ele poderia matar, destruir a ilha e nao ia conseguir sair de qlqr jeito..

    Enfim mt mt mt erros, decepcionante. E eles ainda querem ganhar mais dinheiro as nossas custas com dvd de 20min pra responder o que podia ser respondido satisfatóriamente no decorrer de 6 anos.

    Salvei teu blog nos favoritos, esse vale a pena.. Grande abraço 🙂

  69. SPECTRE1961 Says:

    שָׁלוֹם

    Paralelo,

    Já começo a ver alguns “infiltrados”/”hostis”, no seu “pedaço” com breves comentários tipo:

    “então por que assitiu?”

    “vocês são uns idiotas, que teimam em não enxergar a realidade”

    Enfim,

    Isso me faz lembrar a turma (incautos) que entrou e ainda ingressa em picaretagens de marketing de multi-nível …

    Alguns exemplos:

    Herba-Life, Mary Kay e algumas Igrejas Evangélica$ …

    O mote que essa “patotinha” dos defensores implácaveis da Ilha de Lost vai passar a utilizar será o mesmo dos “seguidores” dessas “seitas …

    Algo no estilo:

    Só Lost Salva !

    Arrependei – vos !

    Porém …

    A nossa vantagem em relação aos “incautos” gringos,

    É que moramos num país, cuja capital se chama Brasília …

    E o que acontece por lá (diáriamente) no Congresso/Poder Público …

    Folclores e lendas como:

    Fumaça Preta, Viagens no Tempo, Realidade Paralela …

    Ah!

    Isso aí se torna contos da carochinha … perto da corrupção, canalhices e outras formas de roubar, mentir e enganar o povo !

    Que é real e vocês são testemunhas “vivas” disso …

    Paralelo,

    Se esse 171 do J.J., o Lindelof e toda a quadrilha da ABC viessem um dia para o Brasil,

    Para produzirem seriados por aqui …

    Eles primeiro e antes de qualquer coisa …

    Iriam ter que fazer um “estágio” com os políticos, “bispos” e outras corjas que se multiplicam a medida que o tempo passa …

    Lost, é em última estância …

    Um conto muito bem “intencionado” para entreter e consolidar mitos ..

    (Mitos “fakes” e divertimento com o sabor “tú me traístes”)

    Ainda assim …

    Pode se chegar a uma conclusão bem “brasileira” …

    É uma típica série para o famoso “corno sabido” …

    Passados 6 anos de quebra-cabeças, enigmas, blá blá blá …

    Aparece então, no meio de um conferência para os aficionados …

    Uma jovem engajadapara aplacar os ânimos dos “traídos” por Lost ..

    Algo como uma genuína nerd, óculos de grau, “muderninha” e tal …

    Ela sobe no “palco” exclamando:

    Ah ! “Genti”, parem com isso !

    “Não foi divertido ?”

    Moral da história:

    “A plateia só é respeitosa quando não está entendendo nada.”

    Nelson Rodrigues

    SHALOM !

  70. O Fim de Lost | Movie Reviews & Film Critics Says:

    […] Eu, como Nemesis da série que amo… Criticar negativamente o […] View full post on WordPress.com Top Posts […]

  71. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Outra vez, agradeço a todos os elogios! 😉

    André,

    com boa vontade, podemos “deduzir” que o MIB acreditava que era tudo bobagem e que, portanto, nada acabaria se ele saísse da Ilha.

    SPECTRE1961,

    não posso negar que teu estilo pós-moderno e new age te leva a fazer conexões impensáveis pra quem – como eu – segue mera lógica, rs. Não deixa de ser exótico, ao menos. Mas se você olhar o resto do blog e o site principal, verá que sou um racionalista do-tipo-que-tostaria-pós-modernos-em-lava-vulcânica, rsrsrsrs. Mas até dá pra dizer que Lost foi um fenômeno e tal, algo histórico. Eu não daria o passo de dizer que causou alguma “sintonia metafísica” no mundo, que valha por si, mas fenomenal a série foi mesmo. Mas não tem jeito: o final terrível azeda tudo. E “Shalom” é o caralho, kkkkk. Agora me ache “limitado”, o que for. Recomendo o post anterior. Eu sou House. Você, J J Abrams (ou pior, rs). 😉

    Daniel,

    Charlie voluntariamente fecha a porta, para não arriscar a vida de Desmond. É suicídio sim (sem contar ter ido pra lá sabendo que ia morrer). E Sayid faz questão de garantir a própria morte, quando poderia (como outros ali) ter tentado sobreviver (jogasse a bomba longe, oras). Idem, pois. Aliás, isto contou como um “sacrifício” que justifica Sayid estar no ‘paraíso’, com os demais.

    Alípio,

    não tem essa de “todo roteiro tem furos”. De Volta Para o Futuro, por exemplo, não os têm. O Poderoso Chefão, idem. Star Wars, muito poucos. As primeiras temporadas de Prison Break e Dexter, quase nenhum. Já Lost é um queijo suíço. E como esse queijo suíço só foi revelado de vez no episódio final, creio que devemos reavaliar o fato de que a série pareceu genial a maior parte do tempo – pareceu, porque parecia que viriam respostas. Isso foi ilusão.

    Carolina,

    eu detestaria um pouco menos, é verdade, a conclusão em que todos estão mortos desde a queda do avião. É bem boba, né? Mas concordo ser melhor do que o que vimos – pois, de fato, é pelo menos coerente com o absurdo. Seria tudo delírio. Mas o ruim dessa interpretação é vermos tantos mortos morrerem, rs.

    Amanda,

    morri de rir com “Então eu também sou imortal, pois não está nos meus planos dar cabo da minha própria vida”, kkkkkkk!

    V. Leal,

    sério que alguns sites “fat$$$uram” para elogiar Lost? Há evidências disso? :O

    deeperlost,

    eu amei Lost até o penúltimo episódio. Pode me chamar de “pato”, como já confessei ter sido, rs. Mas acreditei até o fim que todos os furos eram aparentes, que eles sabiam o que estavam fazendo, que uma resposta genial e revolucionária viria – nem que fosse no último episódio.

    Luiz Neves,

    essa do DVD com “mais 20 minutos” é de f*%$# mesmo. E o pessoal ainda fica animado!

  72. Lincoln Wallace Says:

    Sabe o que realmente nao entendo, e que eu, nao sou roterista, diretor e etc, pensaria em algo mais criativo para essa sexta temporada inteira, imagino entao Nerds Losties espalhados pelo mundo que com certeza elaborariam uma sexta temporada realmende antenada do que ja foi um dia Lost.

    E lamentavel.

    Realmente nao da para entender.

  73. Luís Says:

    Concordo bastante com o texto, na linha do editorial da SUPERINTERESSANTE mas menos “jogando tudo para o alto”.
    Afinal, LOST é uma série bem acima da média, sim, e achei fantástica a primeira temporada… não era toda hora que via situações e personagens tão verossímeis, com a criatividade de estarem inseridos numa “ilha mágica”.
    Depois… bem, depois veio o esticamento de tudo por 6 temporadas e roteiros escritos a várias mãos… normal, é “showbusiness”.

    Já na primeira temporada, para mim, a enrolação ficou evidente quando os losties encontram a tal francesa mas não se dão ao trabalho de perguntar muito sobre a ilha… “enrolação elegante”, como foi dito…
    Isto perpassou toda a série… Ben cresceu na ilha e sabia quase nada do “monstro”, ou do “coração da ilha”?! Sawyer passou 3 anos como segurança da DHARMA e não tinha nada a contar aos companheiros, quando os re-encontra?! Richard passa 150 ANOS na ilha e não reconhece as artimanhas do “fumacento”, e depois abandona tudo correndo para o avião?! “Enrolação elegante”…

    Eu também gostei do final… concordo plenamente com o texto: final bonito – e inteligente, sim – mas desconectado da série…
    Não acho que deveria haver “explicação” para tudo, mas lamento pelas boas idéias mal aproveitadas, lamento por não saberem amarrar melhor uma idéia tão rica como a da Iniciativa DHARMA.
    (Aquele assassinato coletivo do pessoal da DHARMA – “bela” atitude para quem deveria proteger a ilha – pareceu solução de novela interminável: “joga todo mundo numa kombi e faz ela cair num barranco”…)

    De LOST, por último, lembro mais uma vez uma moral rara, que espero que mais gente tenha captado: no final das contas, o que importa é conviver – consigo mesmo e com os outros…

  74. Alípio Says:

    Não há furos nos roteiros, ou vc não consegue enxergá-los? House por exemplo, a primeira vista (principalmente de leigos) parece ser coerente. Quem tem um mínimo de conhecimento da área biomédica, de pesquisas, análises clínicas, etc, vê que não é bem assim. Isso torna a série menos interessante? Para mim de forma alguma.

    Sinceramente, acho que será inútil discutir meus pontos nesse momento. Como vc mesmo disse, acreditava piamente que tudo seria esclarecido e somente no episódio final é que viu a verdade. Confesso que isso me causa espanto. Já faz tempo que Lost deu sinais que não responderia nada, tanto é que muitos pularam fora. Mas como vc foi pego de surpresa, está motivado pelo mais interessante dos sentimentos, a raiva. Então….

    Ainda acho que Lost é a série mais genial do últimos anos mesmo com o final aquém. Até pq, na minha opinião, a concorrência é terrível!

  75. Vinicius Says:

    Parabéns pelo post que, como já foi dito por quase todos, refletiu realmente um pouco da frustração que todos passamos.

    Gostaria de expor a conclusão que tirei. o programa todo foi baseado no jack, mesmo que alguem venha aqui agora e diga q ele estava previsto para so aparecer no piloto e blabla, mas é visivel, o programa nao passou da exposição da vida do jack, até “ascender ao mundo dos céus”. É simples a leitura disto, ele cai na ilha, e mostra-se o que ocorreu com ele nela, ele sai da ilha e mostra-se a briga dele para voltar, ele volta e mostra a trajetoria ate virar o guardiao, e por fim, a sua subida! O meio, a ilha, os outros personagens, so serviram para na verdade mostrar que ele precisava e pq precisava destes para concluir a passagem! Tudo bem q isso foi sacanagem dos caras, mas, depois do ultimo capitul, ta ai!

    EU nunca vi como um daqueles teles que queriam as respostas antes de tudo, eu gostava pelo entretenimento, porem, depois de ver o ultimo episodio, ate nisso eles falharam! Ouvir que somos nos q temos q tirar as conclusoes da ilha! porra, sao 6 temporadas sobre a ilha, na ultima temporada, tiveram 3 episodios baseados unica e exclusivamente na ilha, no q era a ilha! para no final nego resolver que virou vc decide! entrou o antonio fagundes, e deu os telefones para a galera ligar e ver o seu final preferido! ai nao da!

    Apenas para comprovar o que disse sobre ser a vida do jack, so assim para explicar que o aaron tenha aparecido, e ainda como crianca, na moral, ele nao teve vida? foi um porra nenhuma a sua vida toda, e resolveu passar como bebe? nao rola!! o sayd com a shannon, so se explica por causa do jack ter esta referencia! o pai dele aparecer, para concluir tb! a outra vida criada, era a vida dele! a projecao q ele fez (!)

    É isso, se alguem tiver um contra argumento ao que disse! aberto ao dialogo!

  76. William Says:

    É, a comparação com os mitos religiosos foi sensacional. Não vejo mais nenhuma série que tenha um dos dois produtores, NUNCA MAIS. LOST FAIL :/

  77. X Says:

    DISCORDO DE TUDO.
    Sério, ele não precisava explicar nada mesmo… o lost foi tipo aquela piada: “Qual a diferença entre uma mulher gravida, um poste e um bambu?” … No final você pega o bambu e “enfia no cu”…
    As vezes foi isso mesmo que os produtores de lost quis… todo mundo curioso no final e foda-se. Se fosse eu fazer uma serie, eu acharia legal fazer isso, só pra tirar uma com os cara

  78. X Says:

    Tipo, Fiquei puto também pelo fato de não ter explicado varias coisas, mas meu… acho que pode ter sido isso que eles quiseram fazer… ficaram sem ideia, e pensaram: vamos fazer todo mundo de otario?

  79. Miguel Guilherme Says:

    A questão é:

    Mas somos nos que temos de matutar pra dar logica à trapalhada que foi lost?

    Não deviam ser os argumentistas, pagos a peso de ouro a fazer isso??

    Entao eles fazem a trapalhada, e nos ainda temos de ficar aqui tentando encaixar as trapalhadas deles?

  80. Edilaine Says:

    Adorei o texto;estou me sentindo assim: enganada, decepcionada, ludibriada. Parabéns por expressar tão bem isso.
    Só acho que eles já estavam mortos na ilha, no episódio “The Brig”, o 19ºda 3ª temporada, a Naomi conversando com Desmond e o Cooper (pai de Jonh Locke) falando com o Sawyer deixam isso claro, leiam os trechos da lostpedia:
    Naomi conta a Sayid muitas coisas sobre a busca de Desmond. Quando ele pergunta sobre notícias do Vôo 815 ela diz que o avião inteiro foi achado na costa de Bali em uma fenda oceânica de 4 milhas de profundidade. Robôs sub-aquáticos exploraram os destroços com câmeras, que mostraram que todos os corpos estavam no avião.

    Sawyer pergunta como ele chegou à ilha. Cooper conta que estava dirigindo na rodovia I-10 perto de Tallahassee quando alguém bateu na traseira do carro, fazendo-o atingir o guard-rail a 130 km por hora. Diz se lembrar ter sido transportado a uma ambulância, onde um dos paramédicos sorria para ele. Depois, acordou estava amarrado a uma cadeira e com uma mordaça na boca.Ele ouviu uma porta abrir e deu de cara com seu filho morto, Locke. Sawyer pergunta se ele achava que o filho estava morto por ter empurrado ele da janela do oitavo andar de um prédio. Cooper diz que isso apenas tinha deixado Locke paralisado, não morto. O que o matou foi a queda de um avião no Pacífico.

    Por isso, acho que morreram com a queda do 815.

  81. Arthur Says:

    Bom texto, mas tive preguiça de ler tudo. Pelo tanto que li, percebi que voce e uma pessoa inteligente que vai no minimo concordar com alguns dos meus pontos. (por favor releve os erros ortograficos, meu teclado esta em outra lingua)

    O fato e: Lost nao foi o seriado perfeito! Houve “flaws” desde a primeira temporada. Consequentemente, voce nao odiou o ultimo episodio ou a ultima temporada, voce odiou tudo!

    E facil achar imperfeições e defeitos em qualquer tipo ficção. Eu entendo sua frustração, mas nao o suficiente para tantas criticas!

    Se voce realmente odiou tanto assim o ultimo episodio, eu sinceramente nao entendo como voce conseguiu assistir 6 temporadas de pura “american bullshit”!

    Eu assisti todos os episodios, sempre achei lost uma serie boa, mas ja esperava um final aberto a loucuras, bobagens e mais perguntas… se voce nao, caia na real!

    Me desculpa se voce realmente achava que quase tudo seria respondido e no final quase todos os enigmas seriam decifrados! E obvio que o escritor de uma novela assistida mundialmente nao pode simplesmente dizer: Muitas das perguntas da minha novela nao vao ser respondidas, mas continuem assistindo-a que eu preciso continuar com o meu contrato multi-milionario com a ABC.

    Você quer achar um fundamento concreto ou uma resposta pra tudo que eles inventaram na serie inteira em 1 episódio? Para ne?

    Sim.. o cliche religioso nao foi o meu favorito! Mas eu ja esperava alguma coisa desse naipe..

    Eu achei o final bom, nao fantastico, mas bom. Bom para um serie complexa desse tipo. Eu pessoalmente gosto de finais abertos a interpretacoes, me faz refletir… se voce nao, sorry!

    Minha opiniao e: voce era viciado num show de tv. Agora que tiraram isso de voce, o mundo parece que vai acabar! Claramente levou a novela muito a serio e diferente de muitos, nao e uma pessoa que simplesmente queria assistir um bom show de drama/ficcao/aventura/…

    Tenho certeza que alguem ja postou coisas semelhantes aqui.. Eu como uma pessoa que assistiu o show apenas por motivos recreativos queria deixar minha opiniao!

    E se te faz dormir melhor.. voce realmente e um nerd! Nerd a procura de respostas pra tudo! Obcecado por um mero show… Espero que vc nao tenha gasto muitas horas pra escrever esse texto.

  82. Kurayami Says:

    Paralelo! (É esse seu nome? xD)
    Falaram de você hoje, desse texto em especial, no DharmaDay 3 (evento que aconteceu em São Paulo, pelo grupo do TeoriasLost)

    Vamos por partes, então.
    Sobre The Prestige, diga que não ficou NEM UM POUQUINHO decepcionado com ‘a verdade’ sobre a pers do Bale. Se disse ‘sim, eu fiquei um pouco’, uma verdade meia boca vale mais que um mistério?
    (Vide ‘os sussurros’)

    Agora, flashsideways/afterlife.
    Considere isso como um ‘enfeite’. O FINAL VERDADEIRO de Lost foi na ilha. Smokey morrendo, Jack salvando a ilha, Hurley guardião, pessoas indo embora. E, olhando somente esse final, assim, ‘raw’, considero-o fraco, sem sal. Como uma resposta sem imaginação.
    O flashsideways/afterlife seria uma ‘decoração’ para esse final. E, do meu ponto de vista pessoal, ficou uma puta decoração bacana! Eu não a levei para o lado espiritual. Eu vi aquilo mais como um mundo criado pelo subconsciente deles, e não uma pré-sala para o paraíso, limbo, ou wtv.
    De qualquer maneira, se tirarmos todo o flashsideways/afterlife da sexta temporada, o final de Lost seria o mesmo (aka, chato). O enfeite foi justamente pro ‘presente sem graça’ parecer/ficar mais bonito.
    Funcionou com alguns, outros non xD

    Quanto aos mistérios não respondidos, concordo com a maioria dos expostos aqui (menos alguem alí perguntando pq Jacob reviveu o Locke. Tipo, -q?). Mas digo que talvez só existam DOIS que realmente fariam diferença para o final da história dos sobreviventes (um deles seria uma base real para o que é o Monstro de Fumaça. O outro, deixo em aberto ^^).
    Fora isso, saber pq os mantimentos foram jogados depois de tantos anos, quem programou ‘good vibrations’ na Looking Glass, pq Aaron só poderia ser criado por Claire ou quem construiu a roda que move a ilha, não mudaria em nada o final. Tudo aqui que disse alí em cima ainda seria verdade e ainda seria sem graça.
    Saber um pouco mais sobre a Dharma, o que eles faziam exatamente, talvez até sobre os outros… mostrar os egipcios construindo a estátua… tudo isso seria bem legal de ver, mas não é necessário para encerrarmos o ciclo dos sobreviventos do vôo Oceanic 815. Pq afinal, Lost foi sobre eles, os sobreviventes.

    Os produtores criaram um Universo, enquanto contavam a história desses sobreviventes. A ilha estava lá muito antes deles! Provavelmente muito antes de Jacob e a mão louca dele. E também provavelmente existiu muito depois de Hurley e Ben! Porém, Lost foi sobre os sobreviventes.
    Spinoffs, rpgs poraí, livros, teorias na cabeça de fans, sobre a Dharma, sobre os egipcios, sobre os romanos, e sobre o ‘reinado’ de Hurley, completam(completarão) esse Universo, eternamente, quem sabe.
    Eu gosto dessa ‘possibilidade’. Eu gosto dessa ‘liberdade’.

  83. Ferds Says:

    Olá Lauro. Dispensável minha intenção de elogiar sua forma simples, objetiva, bem humorada e corretíssima de olhar com tranquilidade para o engodo/piada-de-mal-gosto que foi o final de Lost.

    Na verdade, eu só queria dividir duas perguntas: ocorreu a você, ou a alguém, que o propósito inicial da série é que a ilha (desde o piloto) fosse de fato o purgatório? Pensa, um lugar com todos aqueles mistérios e tal, onde os caras até construiriam seus devaneios sobre pessoas, jornadas e pós-morte, mas de forma mais coesa? O que furou? Que a turinha do JJ esqueceu que o público ficou um pouco mais esperto (e tem muito mais comunicação) desde o Sexto Sentido, os Outros e coisas do gênero, e todo mundo matou de cara. Então, tiveram que enrolar pacas a história, inventar milhares de coisas externas e absolutamente desconexas, descabidas e desnecessárias. Mas ainda acredito que havia uma ideia inicial de qualidade, sem o vai-e-vem e sem as inconsistências. Mas como todo mundo sacou desde o piloto, tiveram que improvisar e foi essa lástima.

    Engraçado que no terceiro episódio da última temporada eu postei num outro blog “ahá, a tal realidade paralela é a forma tosca que os caras inventaram para finalmente enfiar o purgatório na história como queriam desde o início”, e um caminhão de fãs malhou, dizendo “imagina, os roteiristas disseram desde o começo que a série não tem nada há ver com purgatório”. Dãããããã…

    E agora passamos uma semana tentando ver repercussões da série, mas só encontrando o delírio das viúvas de Lost, ainda extasiadas com a “genialidade” da série e a poesia de seu desfecho. Dããããã again.

    Parabéns pelo seu tiro certeiro de lucidez nesse lamaçal de fãs deslumbrados. Reescrevendo uma das leis de Murphy: se diante do final de Lost você continua achando que está tudo certo, é porque realmente não entendeu o tamanho problema….

  84. deeperlost Says:

    LEIAM ESTE POST: FEITO POR QUEM REALMENTE ENTENDE, PAREM DE USAR ESTE SITE E LER AS BOBAGENS Q ESTÁ PESSOA ESCREVE. http://aquitemfilosofiasim.blogspot.com/2010/05/lost-end.html

  85. deeperlost Says:

    LEIAM ESTE POST: FEITO POR QUEM REALMENTE ENTENDE, PAREM DE USAR ESTE SITE E LER AS BOBAGENS Q ESTÁ PESSOA ESCREVE. http://aquitemfilosofiasim.blogspot.com/2010/05/lost-end.html ORA BOLA

    CONTINUEM APERTANDO PLAY, PQ A VIDA CONTINUA

    • RRunner Says:

      Cara se vc gostou parabens! Tem milhares de sites sobre a serie cheios de “baba ovo adoradores do final perfeito de Lost”! Vai postar lá e para de encher o saco! O final foi uma droga e o post aqui é um dos poucos a expressar o que tantos sentem!!! De acordo com varios tontos que nem vc, todos que nao apreciaram o fim genial da serie nao tem maturidade intelectual suficiente para compreeender em sua totalidade a complexidade de uma narrativa como Lost! Como esse “otimo site” que vc indicou! Os “intelectualoides” que absorvaram a experiencia vs. os “pobres ignorantes” que nao entenderam a proposta de uma estoria que saiu do nada e nao chegou a lugar nenhum! Vao se catar! FOMOS ENGANADOS!!!

  86. Anderson Says:

    O que foi para mim o começo do FIM de qualquer espectativa de uma conclusão inteligente na série:

    “Diálogo entre Jacob e Richard”
    http://ander-voiceover.blogspot.com/2010/03/dialogo-entre-jacob-e-richard.html

  87. Anderson Says:

    O que foi para mim o começo do FIM de qualquer expectativa de uma conclusão inteligente na série:

    “Diálogo entre Jacob e Richard”
    http://ander-voiceover.blogspot.com/2010/03/dialogo-entre-jacob-e-richard.html

  88. brunobbarbosa Says:

    Parabéns, Paralelo/Lauro. Faço minhas suas palavras sem ter o mesmo trabalho de concebê-las.

    Recuso-me a acreditar que todas as almas do “purgatório” tinham seu correspondente real, de carne e osso, enquanto David, filho do Jack, era uma simulação, um programa criado por uma “Matrix” para “ensiná-lo”.

    Fico pensando se ele poderia seguir o caminho do Agente Smith, seu congênere eheh

  89. Anderson Says:

    brunobbarbosa,

    E sobre a gravidez da Sun. Quando o Jin e a Sun viram o ultrasom, eles lembraram da vida na ilha, do reencontro, da morte no submarino, ou seja, a Sun lembrou que morreu quando tinha uma filha de 3 anos. Se a pessoa/personagem não for completamente idiota, um pensamento assim passaria pela cabeça:

    Sun: “É estou feliz porque estou fazendo ultrasom de um filho que já tive, vivi 3 anos com a criança, voltei para a Ilha e morri. Que felicidade saber que morri e a criança REAL teve de viver sem os pais enquanto agora tenho um (F)feto para admirar”.

    Jin: “Eu também estou muito feliz Sun. Estou num mundo de faz-de-conta e mesmo assim tentaram me matar, você foi baleada, acabei de descobrir que nunca conheci a minha filha e isso nem vai acontecer nesse “limbo”, pois ela deve estar no limbo dela com os amigos ou o avô que cuidou dela. Nunca estive tão feliz!”

  90. brunobbarbosa Says:

    Pra mim ficou claro que a série tinha virado um caça-níquel quando na TERCEIRA temporada surge, sem mais nem menos, o personagem do Rodrigo Santoro e outros que sequer recordo o nome. E tão rápido e sem propósito surgiram como se foram, afetando absolutamente em NADA a série.

    Ficou clarividente que o propósito-mor não era dramático, científico, artístico, conceitual nem outro que o valha. Era entretenimento barato mesmo, onde, tal qual em novela das 8, o que valia era prolongar o sucesso e manter o ibope em alta a qualquer custo, só que em escala mundial.

    Antes fã assíduo, larguei ao fim dessa terceira temporada (eu e outros milhões…). Depois assisti alguns episódios esparsos, enquanto recebia relatos da minha noiva, que continuou assistindo. Vi com ela os 5 últimos, pra pelo menos não deixar soltos na cabeça os 60 primeiros que assisti. Fiquei bastante satisfeito ao perceber que economizei muita sinapse nesse meio tempo.

    Anderson, dá até uma sensação ruim de pensar nessas coisas, pois mesmo com esses remendos evidentes a gente vê tanta gente pagando pau pra algo que não foi feito com um décimo da paixão que eles demonstram pela série.

  91. Heitor Says:

    Seu texto é primoroso. Parabéns!

    Ao assistir o Series Finale, fiquei com todas essas perguntas na cabeça, mas me esqueci delas ao ver tantas pessoas gostando e se conformando com a conclusão da série. Ler esse post reabriu meus olhos, e agora só me resta a conformidade de saber que eu estava certo.

    Lost foi uma experiência incrível. Pena terminar com um gosto tão amargo.

  92. FeBa Says:

    Cara, o tubarão com o logotipo Dharma já tinha em outro episódio. Quando o Sawyer e o Michael são jogados ao mar no episódio 2 da 2ª temporada.

  93. FeBa Says:

    Alguém deve ter reparado no vitral cômico no último episódio lol. Cada símbolo de retardado, o que tinha relacionado à série e, principalmente, com o Limbo!? RIDÍCULO!!!

  94. samuel Says:

    você não entendeu lost. favor rever todas as temporadas. só UMA coisa pra você: JOHN LOCKE NUNCA RESSUSCITOU. agora, reflita. as conclusões que você tira são tão ou mais absurdas que as respostas ‘absurdas’ que você diz terem sido dadas.

    • RLC Says:

      Se o autor do post nao entendeu Lost como vc afirma, vc tambem nao entendeu nada do que leu aqui! Suas palavras “favor rever todas as temporadas. só UMA coisa pra você: JOHN LOCKE NUNCA RESSUSCITOU.” Releeia o post e reveja o contexto de “ressuscitar”!

      • samuel Says:

        o contexto é “lost respondeu a uma serie de perguntas, entre elas ‘como john locke ressuscitou’”: a resposta a essa pergunta é ELE NUNCA RESSUSCITOU. o fakelocke NÃO É john locke e, não o sendo, john locke não pode ter ressuscitado. essa pergunta continuaria valendo caso a dúvida persistisse. com a dúvida esclarecida, a forma da pergunta perde o sentido.

        e, como eu disse, a argumentação é confusa e, em alguns pontos, forçada que confunde o leitor.

  95. Final de LOST 2010 Says:

    Ótimo texto!

    Algumas coisas (questões levantadas) eu até acho que dá pra explicar.

    Mas, no geral, é isso mesmo.

    Tentei catalogar todos os mistérios importantes que restaram (ao fim de tudo):

    http://finaldelost2010.blogspot.com

  96. juju Says:

    antes me irritava muito. mas agora ADORO ver comentário de gente transtornada com o fim de lost. me impressiona ainda o fato acreditarem cegamente que a série ERA sobre algo que vocês gostam (física quântica ou o que o valha) e depois, do nada, VIROU sobre religião/misticismo/whatever. lost é isso ae. gostou? ok. não gostou? OK também. o apego exagerado a detalhes e a mania de criar expectativas sobre algo, se decepcionar, e colocar a culpa no objeto em questão é bem coisa de mané mesmo. lost é isso aí que vocês viram e SEMPRE FOI. deixem de ser criançolas e SUPEREM. ninguém perdeu tempo vendo a série. vocês passarem seis anos se enganando pra no final fazerem papel de palhaços por conta própria empilhando um monte de pergunta babaca e se revoltando na frente do pc. AMO VOCÊS.

    • samuel Says:

      vc não pode vir aqui e simplesmente xingar o pessoal, né. nós estamos tentando ter uma discussão séria sobre os rumos desse visionário produto audiovisual. não fomos enganados.

    • RRunner Says:

      A unica pessoa transtornada,criançola, que acredita cegamente que a série ERA sobre algo que nunca foi,mané e etc, etc etc…Por aqui é vc!!! “Lost é isso aí que vocês viram e SEMPRE FOI.” Nessa parte o monte de “asneiras”(Explicação:Coisas ditas por um asno!!! ;-))que vc disse é verdade mas nao no contexto que colocou! Lost realmente sempre foi o que foi(UMA SERIE DE ENIGMAS) mas ai quem precisa parar de se enganar e superar é vc! Durante quase toda sua “vida” Lost foi uma serie de MISTERIOS aceite e supere isso!!! Nao venha aqui dizer que nao vimos o que vimos, ao contrario dessa contra argumentação que ja deu no saco! Nao ter “engolido” esse “final perfeito e genial” NÃO é sinonimo de não ter conseguido entender essa “obra prima” ou estupidez! É apenas ter conseguido perceber o quão fomos enganados! Durante anos vc fez igualzinho aos que vc agora diz terem feito papel de palhaços e como todos esses até alguns dias atras vc estava com a mesma listinha que agora tanto despreza (OS MISTERIOS NUNCA TIVERAM A MENOR IMPORTANCIA PARA A SERIE! Conversinha fiada de fanzinho babaca!!!) empilhando o mesmo monte de “perguntas babacas” como todos, DUVIDO que um mes atras vc nao estava com a famosa “listinha” esperando a solução dos misterios da serie e achava que Lost era sobre personagens.Lost SÓ foi o que foi pelos misterios,sociedades secretas, viagens no tempo,etc,etc,etc… Mas o que atraiu vc na serie desde o inicio foi o relacionamento entre os personagens!?! Fala serio! Vai se catar!!! Os autores(Como é comodo encher o bolso de dinheiro e no fim de uma estoria tirar o corpo fora, nao responder nada e mandar cada um exercitar sua criatividade tentando juntar os pedaços da cagada astronomica que fizeram) agradecem aos que como vc durante toda a serie reviraram revistas,sites,blogs e tudo que pudessem encontrar a respeito da serie tentando entender os mesmos misterios que agora desprezam e ainda acharam o final genial!!!!

      • juju Says:

        HAHAHAHAHAHAHA. PQP. tu é tão louco, má tão louco, que inventou MILHARES DE COISAS que eu nem falei só pra me xingar. isso é que argumentação madura! sério, genial. ainda bem que eu não te conheço. BEIJOS!

    • RLC Says:

      Vc vem aqui, chama todo mundo de criançola e gente transtornada que precisa superar. Que todos os insatisfeitos com a serie estão fazendo papel de palhaço se revoltando na frente do pc empilhando um monte de pergunta babaca alem de outros tantos elogios e ainda quer falar em argumentação madura!?! Realmente é genial! Siga seu proprio conselho, amadureça! E nao fique mais na frente do pc igual aos revoltados que vc tanto critica,pare vc de fazer papel de palhaço, va se ocupar com outras coisas e nos brinde com a sua ausencia! Ainda bem que eu não te conheço. BEIJOS!

  97. samuel Says:

    o contexto é “lost respondeu a uma serie de perguntas, entre elas ‘como john locke ressuscitou'”: a resposta a essa pergunta é ELE NUNCA RESSUSCITOU. o fakelocke NÃO É john locke e, não o sendo, john locke não pode ter ressuscitado. essa pergunta continuaria valendo caso a dúvida persistisse. com a dúvida esclarecida, a forma da pergunta perde o sentido.

    e, como eu disse, a argumentação é confusa e, em alguns pontos, forçada que confunde o leitor.

  98. samuel Says:

    outro ponto: QUAL A FUNÇÃO DA ESTÁTUA em toda a narrativa? vcs acham que mitologia e ‘espiritualidade’ são bobagens? então eu pergunto: uma estátua de uma DEUSA significa O QUE, senão ‘mito’ e elementos ‘não racionais’, ‘não científicos’??

  99. samuel Says:

    e outra: tanto o JACOB NÃO ERA imortal que ele, TCHANANANA, morreu.

  100. Letícia Says:

    Faço coro com o Pajé!
    Acho que sou mais uma convertida…
    Realmente tiha me deixado levar pelos momentos emocionantes do finale (se bem que só chorei mesmo na hora em que acabou a luz na minha casa – sim, no meio do episódio! XD)… os reencontros foram lindos mesmo, de fazer os momentos da série passarem em flashback pela memória dos fãs…
    Mas eu não acredito que deixei passar a inconsistência do enredo e a infidelidade com o resto da série! Sinceramente, só comecei a ver Lost na 3a temporada, quando de repente cruzei com The Constant passando na TV… comecei a assistir com base nesse ep., esperando mais coisas desse tipo…
    Bom, se o destino deixou a desejar, pelo menos poderemos nos lembrar da trajetória…

  101. Kurayami Says:

    Criticar LOST dizendo ‘Não é o que eu queria/Não é o que eu esperava’ é para afirmar seu descontentamento pessoal. Não serve para dar base para coisas como ‘LOST é uma bosta’;’eles nos enganaram’;’LOST não tem coerencia’;’A série é horrivel’…

    • RRunner Says:

      LOST nao é uma bosta,mas do modo que terminou se tornou uma! Eles nos enganaram sim! E realmente LOST não teve coerencia. Mas nada disso tem a ver com descontentamento pessoal. O que leva varias pessoas a criticar a serie afirmando ‘Não é o que eu queria/Não é o que eu esperava’ é o simples fato que durante 5 das 6 temporadas nos venderam um produto e no fim entregaram outro! Induziram todos a seguir um caminho que no fim afirmaram nao ter a menor importancia! E pior, autores e seus parentes(Os que defendem a forma que serie terminou como genial so podem ser parentes dos autores) tentam nos convencer a todo custo que nao entendemos o que vimos e que nao vimos o que vimos! E que Lost sempre foi sobre pessoas(Uma mentira repetida varias vezes se torna verdade?!?!) A serie nao foi horrivel,foi uma das mais geniais ja vistas, sua conclusão a tornou horrivel.

      • samuel Says:

        se liguem, SOMOS MUITO MAIS ENGANADOS O TEMPO TODO por outras coisas. star wars nos enganou, tranformers nos enganou, o codigo da vinci nos enganou, indiana jones nos enganou. reclamar que ‘fomos enganados por lost’ é o argumento mais INGÊNUO q pode existir. fomos enganados tb por flashforward, essa serie genial revolucionaria que desgraçadamente foi cancelada.
        ME POUPEM. no capitalismo, e NA VIDA, no fim das contas, É SMPRE por dinheiro. se atenham na coerência da história, e não no que eu, vc ou qq um ACHA q é a história. há uma enorme diferença entre como as coisas SÃO e entre o que QUEREMOS q elas sejam.

  102. Francisco Says:

    Ahh Kra vc não achou mesmo q no último ep eles iriam explicar td a baboseira científica da trama … tssss
    Desde o início quando começaram os flashbacks fica bem clara a saga de cada um dos personagens. Eles erraram a mão ao fazer um final digno de fim de novela espírita da globo, mas se até o Bob Dylan tem discos pavorosos , o q esperar de uma grande empresa de mídia norte americana.Vcs estão procurando cabelo em ovo.
    A melhor série da TV .

    • RLC Says:

      Lost foi a melhor serie da tv ate que seu fim a retirou deste posto! E creio que ninguem em sã consciencia achou que em um episodio tudo seria solucionado! Essa esperança ja havia “partido” a muito tempo!

  103. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Thanks all.

    X,

    sério que Lost está perdoado, se a intenção dos criadores foi sacanear todo mundo? E eu que achava que isso só provaria meu ponto, rs.

    Vinicius,

    interessante isso de Sayid estar com Shannon porque era o que Jack lembraria. E então o Limbo era só de Jack mesmo. É trocar o péssimo pelo extremamente ruim, rs, mas é interessante. Estou pensando aqui… primeiro que Jack é racista, rs… e só rolou a Rose, porque ele salvou a vida dela, kkkkk. Mas, ãh… ele viu o pai de Locke, que nunca tinha conhecido, por exemplo.

    Edilaine,

    evidência interessante essa do pai de Locke. A objeção seria que foi mostrado que o avião caído no fundo do oceano era fake. Lapidus não reconhece o piloto, por exemplo. Tudo delírio dos mortos? Estranho… Mas será que essa teoria (todos mortos desde a queda do avião) está ganhando força? Alguém aí sabe se o texto de Mathew Fox, desmentindo isso, é mesmo verídico?

    Arthur,

    Star Wars fechou quase todas as pontas soltas no episódio III, que durou pouco mais que o Season Finale de Lost. Certo que não eram tantas pontas soltas assim, mas não era impossível. Uma revelação genial, sozinha, poderia amarrar 100 pontas de uma vez. Os criadores de Lost pareciam realmente geniais e capazes do feito. Mas que eu fui “pato”, isso já admiti, rs.

    Agora, dizer que o final de Lost foi “aberto a interpretações” é um erro. Filmes como 2001, Antes do Amanhecer e Edukators são realmente abertos, porque várias explicações são compatíveis e coerentes com o que foi mostrado. Mas Lost fez o contrário: nenhuma interpretação possível dá coerência ao que vimos. Tudo o que você imaginar gera contradições. Então foi sim um lixo.

    Kurayami,

    Realmente não lembro dos detalhes de The Prestige. Mas lembro de achar genial. O que posso dizer, em geral, é: mistérios em aberto são melhores do que respostas medíocres. Mas respostas convincentes e realistas são melhores do que mistérios em aberto. Sim, é legal enquanto o mistério tá em aberto, mas a vontade é resolvê-lo, oras. Não resolvê-lo é frustrante.

    Também não me empolgo com “continuações” de Lost, porque eles deixaram a história irremediavelmente incoerente no final. Então, qualquer coisa que inventarem, daqui pra frente, será pura viagem na maionese.

    Ferds,

    Sim! O Alexandre Versignassi, da Superinteressante, defende exatamente isto: que Lost foi programado par ser curto, talvez 12 episódios. E que desde o começo Locke já era pensado como sendo o MIB (por isso o olhar confiante de onisciência, por isso conta a história do gamão pra Walt, que era seu passado, por isso anda – imagino que a Black Smoke seria o diabo, ou coisa assim) e o pai de Jack já era um espírito mesmo (e teria o mesmo diálogo com Jack que vimos no fim da 6ª). Depois, claro, mudaram tudo, e ficou esse balaio de gato.

    brunobbarbosa disse: “a gente vê tanta gente pagando pau pra algo que não foi feito com um décimo da paixão que eles demonstram pela série”

    ISSO é que é triste. =\

    Anderson,

    verdade! kkkkk Ridículo Sun e Jin ficarem felizes com aquelas memórias! Sun: “Que legal! Na nossa vida real eu te chifrei, você me reprimia, ficamos 3 anos sem nos ver, morremos no reencontro, não conheceste nossa filha, que ficou órfã!”

    Samuel,

    claro que Locke NÃO ressuscitou. Claro que eu sei disso. Pois foi exatamente essa a resposta genial que deram, para o mistério levantado na 5ª temporada inteira sobre a ressurreição dele. Enquanto não sabíamos, a questão era essa: “como Locke ressuscitou?”. E eles responderam (poderiam deixar pra lá, como fizeram com tantos outros mistérios). Sobre a estátua, ela era egípcia. E os egípcios são uma cultura antiga muito associada ao avanço tecnológico (Pirâmides, mitos de imortalidade, teorias com aliens, etc.). Era algo promissor. E Jacob, claro, era potencialmente imortal. Se ninguém o ferisse, nunca morreria.

    juju,

    as perguntas não foram inventadas por fãs. Esta é outra falácia muito repetida por aí. As perguntas foram claramente levantadas pela própria série.

    • Vinicius Says:

      “Mas, ãh… ele viu o pai de Locke, que nunca tinha conhecido, por exemplo.”

      Concordo com vc, mas com certeza soube da historia, e o que, para mim, reforca a tese é o fato de ter sido o locke a ter colocado o pai naquela situação, exatamente a mesma que ele viveu, de ficar entregue a cadeira de rodas! e tambem, se nao for esta explicacao pro pai ter aparecido, seria apenas um pequeno erro de continuação! a verdade é que quem tem q escrever sobre somos nós… e de graça!

      Sinceramente, a série foi um marco, pela forma como os episodios foram abordados! mas teve um final abaixo da critica! era o tipo de serie q tinha ter um final acima da media! era como se o rambo na cena final nao entrasse atirando em tudo e matasse todo mundo! e apenas apertasse mao do cara! ai nao da! vc espera um massacre!

      Acho q a ilha teve seu desfecho, e o jack morrer foi ele, o que confirma que foi a vida do jack!

    • samuel Says:

      convenhamos que MITO DE IMORTALIDADE e AVANÇO TECNOLÓGICO cabem tanto na mesma frase quanto INICIATIVA DHARMA e PÓS MORTE.
      dentro da história, UM DRAMA, ainda que inicialmente VENDIDO como mistério, as histórias se encaixam, e a maioria dos ‘mistérios’ são irrelevantes.

  104. Rodrigo Ricardo Says:

    Nem li todo o texto, mas de já parabenizo o autor pela excelente iniciativa. Perfeito até agora. Depois comento mais.

  105. Rodrigo B Says:

    Acessem o blog abaixo…
    Como espírita (conhecedor e praticante) que sou, posso dizer que a analogia com o espiritismo foi bastante correta (dizer que foi perfeita é exagero), e por isso concordo com os comentários de Alípio.
    Eles estavam mortos desde o início, e qualquer busca por explicações a todos os mistérios será em vão…

    Abraços.

    http://blog.1dia.net/2010/05/26/explicacoes-sobre-os-grandes-acontecimentos-da-serie-lost-para-quem-fez-o-download-o-ultimo-episodio-nao-entendeu-o-final/

  106. Ricardo Says:

    Ainda bem que encontrei alguém imparcial para comentar esse final de temporada de Lost. Muito legal sua visão. Se a “realidade paralela” fosse real (gerada pela explosão da bomba e a consequente não queda do Oceanic) ficaria satisfeito. Tudo levava a crer que era isso que ia acontecer. Todos os sites de Lost só falavam nisso. Aí no final dizem que a RP era o Limbo ou sei lá o que, e mesmo assim, os fãs mais fervorosos dizem que foi Mágico, Lindo, Sensacional.
    Muito legal abordar a questão dos produtores (Damon e Carlton), parecem que eles quiseram aparecer demais (vejam os finais alternativos). Sabe aqueles cartolas no futebol que querem aparecer mais que os jogadores…Pois é!
    Agora alguns detalhes do episódios: Se o Limbo era um espaço “atemporal”, como a consciência do Desmond poderia vagar entre a vida “física, real” e esse local??Não consegui entender…
    Abraços!

  107. Danilo Says:

    Aos decepcionados!!!!!!

    Ahahahahha sifu, perderam 6 anos da sua vida vazia!!!!!!!!

    Lost foi até hoje a melhor série de todas, principalmente com o final. Ponto final

    • Mariana Says:

      Trouxa! A vida mais vazia de todos por aqui é a sua que acha que “Lost foi até hoje a melhor série de todas, principalmente com o final. E Ponto final” .Mané! Vale nem a pena!

  108. Rodrigo Ricardo Says:

    Depois de ler o texto inteiro e os comentários só tenho a parabenizar ao autor e solidarizar-me com todos que ficaram frustrados com Lost.

    Não precisavam dar explicações científicas, mas somente dar explicações. Do jeito que colocaram ficou claro que toda a série resume-se ao início e ao fim. O miolo (mistérios) foi só o chamariz. Deu todo o gás para a série, mas depois foi preterido. Os defensores desse final alegam que o que importou foi o desenvolvimento dos personagens. Então tudo entre o início e o final poderia ser alterado que o o resultado seria o mesmo?! Claro que não! O que prendeu a audiência na maior parte foram os mistérios do meio da série.

    Essa série foi um sanduíche que anunciou um recheio que atraiu a todos (os mistérios), mas que ao final disse que o bom mesmo eram as duas fatias de pão que o envolvia (personagens no início e no final).

  109. Rodrigo Ricardo Says:

    Mais uma coisa: como os fãs ainda conseguem ir a um evento chamado “Dharma Day” quando ficou claro que Dharma e nada foi a mesma coisa para Lost?!

  110. Rodrigo Ricardo Says:

    Olhem a pretensão: o box da 6ª temporada tem detalhes com hieróglifos egípcios. Ah, mas eles não têm importância alguma, então pq estão lá?!! (Só para vender idiota!)

  111. Edilaine Says:

    Paralelo,

    Sobre o avião fake do fundo do mar: Lapidus diz que não é o piloto por causa da aliança,ele diz que o piloto sempre usava aliança e nas imagens divulgadas não havia nenhuma. Vi no you tube este trecho, no vídeo eles mostram que o piloto não está com a aliança quando falou com Claire no aeroporto e nem quando o Jack e a Kate o encontram na cabine, após o acidente. (http://www.youtube.com/watch?v=oxoDAsnZAKs&feature=related)
    Há também Wildmore que diz ser responsável pela farsa, depois ele fala que foi o Ben. Podemos acreditar no Wildmore?
    Outras possíveis evidências de que estejam mortos:
    * o episódio da referida cena de Lapidus chama-se confirmados mortos;
    * no The End Ben diz que Lock não precisava mais da cadeira de rodas, assim como ele não precisava na ilha;
    * Hurley não emagreceu nem um pouco na ilha, ele comenta isso em um dos episódios;
    * o fato de Rose sentir-se curada;
    * no mesmo episódio “confirmado mortos” Naomi, ainda fora da Ilha, pergunta a Abaddon o que ela deve fazer se encontrar sobreviventes do voo 815, ele diz que tem certeza que não há nenhum.

    O que você acha?
    E se as respostam já estiverem lá? Só falta juntar as peças?

  112. dh Says:

    Final bobo.

    Twin Peaks, esse sim teve um final decente/corajoso/fodão/chocante/inesperado.

  113. SPECTRE1961 Says:

    SPECTRE1961 Disse:
    maio 30, 2010 às 8:52 am | Responder

    שָׁלוֹם

    Paralelo,

    Já começo a ver alguns “infiltrados”/”hostis”, no seu “pedaço” com breves comentários tipo:

    “então por que assitiu?”

    “vocês são uns idiotas, que teimam em não enxergar a realidade”

    Enfim,

    Isso me faz lembrar a turma (incautos) que entrou e ainda ingressa em picaretagens de marketing de multi-nível …

    Alguns exemplos:

    Herba-Life, Mary Kay e algumas Igrejas Evangélica$ …

    O mote que essa “patotinha” dos defensores implácaveis da Ilha de Lost vai passar a utilizar será o mesmo dos “seguidores” dessas “seitas …

    Algo no estilo:

    Só Lost Salva !

    Arrependei – vos !

    Porém …

    A nossa vantagem em relação aos “incautos” gringos,

    É que moramos num país, cuja capital se chama Brasília …

    E o que acontece por lá (diáriamente) no Congresso/Poder Público …

    Folclores e lendas como:

    Fumaça Preta, Viagens no Tempo, Realidade Paralela …

    Ah!

    Isso aí se torna contos da carochinha … perto da corrupção, canalhices e outras formas de roubar, mentir e enganar o povo !

    Que é real e vocês são testemunhas “vivas” disso …

    NESSE MOMENTO – 01/JUNHO/2010

    Sorry, mas acho que o post que coloquei 2 dias atrás …

    Será comprovado ,

    Com uma série extensa e contínua de comentários dos “hostis” …

    (“Obsediados”/”incorporados” pela “entidade” “Pai” Lost)

    Sai da arena os “tele-evangélicos” e sua indefectível “bíblia” …

    Entra em cena …

    Os “crentis” da Igreja Universal de Lost !

    Agora, + do que nunca …

    “Mestre” Caetano Veloso está certo com sua a sua “tecnologia” baiana …

    Pode ser que sim … Pode ser que não … E nenhuma dessas também !

    “Caetanizar” Lost … É a resposta suprema para todos os “mistérios” !

    “…tudo certo como dois e dois são cinco.”

    Caetano Veloso

    Muito Axé & Saravá !

    SHALOM !

  114. deeperlost Says:

    ACHO QUE A INICIATIVA DHARMA É ESTE SITE!!!!!

    CONCORDO COM O TEXTO – SO NÃO ACREDITO TER SIDO TEMPO PERDIDO!

    E OUTRA: ELES NÃO ESTAVAM MORTOS DESDE A QUEDA DO AVIÃO!!!

    ESQUECEM ISSO E APERTEM PLAY SEMPRE.

  115. SPECTRE1961 Says:

    שָׁלוֹם

    “SANGUE DE JACK …. TEM PODER!”

    “SÓ O NOME DE LOST SALVA!”

    “BEBA DA ÁGUA DA ILHA … E SEREIS SALVO!”

    Para se livrar desses “paradigmas …

    Ouça …

    “Caetenizar” o final de Lost e seja + feliz …

    Cante:

    Enquanto você se esforça prá ser
    Um sujeito normal
    E fazer tudo igual

    Eu do meu lado, aprendendo a ser louco
    Um maluco total
    Na loucura real

    Controlando a minha maluquez
    Misturada com minha lucidez

    Vou ficar
    Ficar com certeza
    Maluco beleza

    Este caminho que eu mesmo escolhi
    É tão fácil seguir
    Por não ter onde ir

    Controlando a minha maluquez
    Misturada com minha lucidez

    Vou ficar
    Ficar com certeza
    Maluco beleza
    Eu vou ficar…..

    Autor: Caetano Veloso

    SHALOM !

  116. SPECTRE1961 Says:

    שָׁלוֹם

    ORAÇÃO PODEROSA PARA AFASTAR A ENTIDADE “PAI” LOST

    Beije 3 x a foto de “Painho” Caetano e “reze” a seguir:

    Esse papo já tá qualquer coisa
    Você já tá pra lá de Marraqueche

    Mexe
    Qualquer coisa dentro, doida
    Já qualquer coisa doida
    Dentro mexe
    Não se avexe não
    Baião de dois
    Deixe de manha, ‘xe de manha, pois
    Sem essa aranha! Sem essa aranha!
    Sem essa, aranha!
    Nem a sanha arranha o carro
    Nem o sarro aranha a Espanha
    Meça: Tamanha!
    Meça: Tamanha!

    Esse papo seu já tá de manhã.
    Berro pelo aterro
    Pelo desterro
    Berro por seu berro
    Pelo seu erro
    Quero que você ganhe
    Que você me apanhe.
    Sou o seu bezerro
    Gritando mamãe.
    Esse papo meu tá qualquer
    coisa
    E você tá pra lá de Teerã

    SARAVÁ E MUITO AXÉ !

    STAY ON “CAETANICES” !

    SHALOM !

  117. Milton Says:

    Parabens pelo texto ele foi o melhor que li sobre o final tosco te Lost.
    Na minha procura por textos sobre o final foi o unico que expressou o que muitos fãs como eu sentiram: indignação com tanta bobagem.
    Obrigado

  118. juju Says:

    adoro que as pessoas sabem ver TELEVISÃO e se divertir, né? vamos fazer o seguinte: todo mundo vai pra casa estudar gramática (pra escrever direitinho ou a tia não vai entender os xingamentos) e depois descobrir o real significado da palavra ENTRETENIMENTO. repito, pra quem tem problemas de interpretação de texto: NORMAL detestar o fim de lost. só saibam diferenciar opinião pessoal de argumentos racionais e críticos sobre a série. quando os revoltados se juntam pra choramingar sobre uma suposta enganação, qualquer argumento contra é rebatido com um “é tu, cara de tatu!”. francamente…

    • Mariana Says:

      Se vc acha que Lost é apenas uma serie de tv que só serve como entretenimento e que todos que ficaram revoltados se juntam pra choramingar e deveriam aprender a escrever pra “tia juju” poder entender os xingamentos com mais clareza e bla,bla,bla… Otimo! Blz! Sem problema! Mas pq uma pessoa do seu nivel alem de entrar neste
      “saite” cheio de gente burra ainda volta pra responder e comentar mais!?!? Procure um site do seu nivel e nao volte mais aqui,faça esse favor a vc e a todos!!! Ainda bem que nao te conheço!

  119. samuel Says:

    obvio que não é O FINAL PERFEITO, mas isso seria supor que EXISTE um final perfeito. não existe. oi, mundo, a PERFEIÇÃO não existe. foi apenas UM dos finais possíveis, o que os criadores da série, como tal, elegeram pra encerrar a série, dentro da argumentação deles. e eu aposto q, como criadores e tendo o domínio total sobre sua criação, eles têm MUITOS argumentos a mais para defender as escolhas deles do q qq um de nós possa ter, ou, fazendo um paralelo, eles têm tantos argumentos pra defender as TEORIAS DELES q vcs (vcs q não gostaram, odiaram, acharam óbvio, acharam uma bosta) pra defender as suas. a diferença é q eles são os DONOS do negócio, eles fazem o q quiserem, e vcs não. eles oferecem as respostas, audiovisual é assim, as coisas sao dadas. quiserem mais interpretações, dá pra esperar sair o livro de lost.

    • Mariana Says:

      Que nenhum final seria perfeito,todo mundo sabe! NADA é perfeito! O questionamento aqui é a coerencia do fim com o restante da serie! Se este te satisfez, vc é um felizardo, muitos aqui nao tiveram essa “sorte”(Me incluo entre estes!).Segundo vc “a diferença é q eles são os DONOS do negócio” o problema com essa afirmação é que esse mesmo negocio só existe pq NÓS somos os consumidores nesse negocio e nos sentimos profundamente enganados a partir do momento que nos foi vendido um produto durante anos e no fim nos foi entregue outro! Essa é a argumentação aqui!

      • samuel Says:

        pois a série é coerente em si mesma, tanto quanto a VIDA é coerente em si mesma. o problema não é NÃO GOSTAR do final da série. o problema é que quem não gostou desse final supoe que 1. ela não foi coerente, 2. sempre sugere sua forma de tornar a historia coerente e 3. afirma que foi enganado. senhores, vendo tantas tramas ímpares em cada temporada (de puro mistério a viagens no tempo), nunca soubemos de fato, ANTES do final, sobre o que se tratava a série. ERA UMA SUPOSIÇÃO, porque havia mistérios, que fosse uma série SOBRE mistérios. não foi. foi uma série DRAMÁTICA.
        durante 6 anos os fãs, OS FÃS, elaboraram mil teorias e mil respostas pra perguntas/problemas SECUNDÁRIOS numa série de DRAMA. revejam as temporadas. é claro como a água que desce pro OB gigante da ilha: sempre foram os personagens. sempre foram os conflitos de cada personagem, a dúvida entre esconder comida ou não, salvar o charlie ou não, ajudar no parto da claire ou não, ir ou não com o saiyd até a torre da rádio, explodir a bomba ou não, trepar na cela com o sawyer pq tava com nojinho do jack ou não. o FLASH LIMBO, a ‘energia da ilha’ é o elemento FANTÁSTICO da série, como é o sabre de luz em star wars, ou como é o efeito devastador do cálice e das tábuas da ‘lei’ nos indiana jones.

    • JMA Says:

      Alguem aqui disse que nao esta satisfeito com esse final porque só um final perfeito seria aceitavel?

    • RLC Says:

      “A série é coerente em si mesma, tanto quanto a VIDA é coerente em si mesma.” Querer colocar uma serie de tv em pé de igualdade com a vida nao é um pouquinho demais!?! Muitos estao creditando a Lost(APENAS UMA SERIE DE TV) mais do que havia ali na verdade(Segundo muitos, no fim nao havia nada!),nesse caso vc esta dizendo que os escritores realizaram um feito digno dos Deuses ao escrever uma estoria que se iguala a vida! E por favor me explique. Se durante quase toda sua duraçao uma serie nos apresenta misterios como pressupor entao que se trata de uma drama!(Agora que a serie terminou isso é repetido a exaustao como um mantra mas em nenhum dos sites,blogs ou seja la o que for sobre Lost NUNCA foi dito que se tratava de uma serie dramatica,o que sempre vi foram todos fazendo listas e mais listas tentando resolver os mesmos misterios que agora nunca tiveram a menor importancia,afinal Lost sempre foi um drama,nao!?! Vide o box da 6º temporada,digno de uma serie dramatica! )Este fato(Repetido a exaustao pelos autores na tentativa de nos convencer!E parece que conseguiram com vc!) só surgiu convenientemente agora na parte final da serie! “Durante 6 anos os fãs, OS FÃS, elaboraram mil teorias e mil respostas pra perguntas/problemas SECUNDÁRIOS” Como ja foi muito bem dito aqui pelo Paralelo (Lauro Edison) “as perguntas não foram inventadas por fãs. Esta é outra falácia muito repetida por aí. As perguntas foram claramente levantadas pela própria série.”

      • samuel Says:

        RLC, releia minha frase, essa mesma que vc respondeu, e perceba o que foi criado pelos fãs. pra facilitar, eu vou fazer de outro modo.

        responda a questão a seguir: Na frase “Durante 6 anos os fãs (..) elaboraram mil teorias e mil respostas pra perguntas/problemas SECUNDÁRIOS”, o que é que foi(ram) elaborado(s) pelos fãs?
        a) mil teorias e mil respostas;
        b) perguntas/problemas;
        c) 6 anos;
        d) bazinga!

    • RLC Says:

      Please!!! Vc só repetiu o que ja havia dito anteriormente! Tambem vou tentar facilitar; Os fã nao elaboraram NADA!(Nenhuma pergunta foi INVENTADA pelos fãs). As perguntas foram APRESENTADAS PELA PROPRIA SERIE e ENUMERADAS(Nenhuma pergunta que nao existia foi inventada) pelos fãs !!!

      • samuel Says:

        óbvio q eu só repeti o q eu disse anteriormente, e foi exatamente isso que vc NÃO ENTENDEU. o q eu disse foi q fãs ELABORARAM TEORIAS, porra. tu não sabe ler não, caralho?

        cursinho de interpretação de texto pra vc. pqp.

      • samuel Says:

        aliás, e se tu ainda NÃO ENTENDEU, a resposta da pergunta é ALTERNATIVA A.

        tu não passava nem em CQTESTE, cara.

  120. Djoyama Says:

    Parabéns pelo texto, concordo com 90% do dito. Estavamos precisando mesmo algo que saísse do saudosismo que muitos sites entraram.

    Acho que a ideia inicial era já meter todo mundo no limbo, mas como foi uma das primeiras coisas cogitadas pelos fãs para a historia, eles desviaram o roteiro, inventaram um monte de merd@ e deu nisso.

    Vamos apreender, para quem ainda não aprendeu, a perceber as coisas q temos q engolir, e ficarmos mais alienados (no bom sentido) a essa BS toda.

  121. raquel Says:

    venho aqui, humildemente, discordar de vc. bem, vc citou a resposta do JJ Abrams, quando todos sabem que ele abandonou a série no 13o episódio da 1a Temporada. Já o Carlton Cuse e Damon Lindelof em 2005, já diziam que as pessoas nunca teriam explicações para os bad numbers. Pois se vc desmistifica algo que já é místico, a coisa inteira perde a graça, não?
    Por essa posição deles, já se podia deduzir que a série não faria questão de responder os mistérios, ou amarrar TODAS as pontas.
    Discordo de vc em outros pontos, mas a falta de tempo e a preguiça me fazem ter que terminar aqui esse comentário.

    Namastê!

    • JMA Says:

      Nao amarrar TODAS as pontas era esperado, o problema foi nao terem amarrado nenhuma! Creio que Carlton Cuse e Damon Lindelof durante o decorrer da serie nunca afirmaram ou negaram que qualquer coisa teria ou nao explicação!

      • raquel Says:

        Bem, no Comic Con de 2005 o Damon disse: “We may never know what the Numbers mean.” – Acho que foi bem claro, ne? E na quarta temporada, ele tb disse isso aqui, para Kristin do Santos:

        “There are some questions that are very engaging and interesting, and then there are other questions that we have no interest whatsoever in answering. We call it the midi-chlorian debate, because at a certain point, explaining something mystical demystifies it. To try and have a character come and say, “Here is what the numbers mean,” actually makes every usage of the numbers up to that point less interesting.

        You can actually watch Star Wars now, and when Obi-Wan talks about the Force to Luke for the first time, it loses its luster because the Force has been explained as, sort of, little biological agents that are in your blood stream. So you go, “Oh, I liked Obi-Wan’s version a lot better.” Which in the case of our show is, “The numbers are bad luck, they keep popping up in Hurley’s life, they appear on the island.” … But if you’re watching the show for a detailed explanation of what the numbers mean—and I’m not saying you won’t see more of them—then you will be disappointed by the end of season six.”

        Acho que quem acompanha as entrevistas dele, sabiam que nao teriam todas as respostas. E não é só a partir da 6a Temporada que eles começaram a dizer isso.

      • JMA Says:

        “We MAY never know what the Numbers mean.” MAY!!! Sempre foram evasivos ou mentiram sobre tudo quando questionados e nunca responderam efetivamente a nada. “Acho que quem acompanha as entrevistas dele, sabiam que nao teriam todas as respostas.” Podemos ficar aqui dias debatendo mas a verdade é que o problema nao foi nao termos todas as respostas foi nao termos resposta nenhuma!!!

  122. raquel Says:

    ah. quem te disse que a tal Fonte da Vida foi ali colocada por civilizações antigas, ou por vida inteligente antiga? para mim, ali foi mais um sinal de q uma tentativa humana frustrada de destruir a luz da ilha. Como fizeram no fim da quinta temporada, com a bomba de hidrogênio. Aquela rolha é uma versão menos tecnológica da Escotilha da Dharma, feita para impedir a destruição da ilha, e consequentemente para salvar o mundo (ora, ora então agora a gnt sabe quem provocou o incidente responsável pela queda do avião foram justamente os próprios sobreviventes do Oceanic 815, por mais místico q tenha sido o flash-limbo, ele nos deu a oportunidade de deduzir esses paradoxos deliciosos que só as histórias sci-fi podem fazer).

  123. Ferds Says:

    @Milton: Cara, juro que pensei isso. O box que custa 200 dólares tem uns minutos a mais para mostrar o reinado do Hugo na ilha e vai vender horrores. E a arte é uma pedra do templo com os hieroglifos que apareciam quando o código não era digitado no computador. Pode ser que eu seja muito burro, mas…
    1. O que representavam os hieroglifos?
    2. por que digitar aqueles números no computador?
    3. o que significavam os números?
    4. como Walt conseguiu usar o “msn” e falar com Michael através de outro terminal?
    5. o que mais faziam esses terminais?
    6. o que era o templo? …. e por aí vai….

    Ah, lembrei que isso não é importante, e só serve prá vender pros fãs imbecis… porque não tem nenhuma relação com a série.
    E se Lost era (ou tornou-se) uma série sobre pessoas e relacionamentos, talvez o box devesse vir em tons cor-de-rosa com coraçõeszinhos (tipo sex and the city) e uns símbolos de pós-morte…

    • Mariana Says:

      Mas os “caras” ainda querem debater que nós que nos enganamos e a serie nunca foi sobre misterios e que desde o inicio ficou claro que nao teriamos respostas! Ate agora depois da serie terminada continuam usando como força motriz da serie os mesmos misterios que nunca tiveram importancia afinal a serie sempre foi sobre pessoas! Ahhh tá!!!! Bando de trouxas!

    • raquel Says:

      Respondendo:

      1. Uma homenagem da Dharma aos antigos habitantes da ilha.

      2. Depois que o “Incidente” na escotilha swan ocorreu (quando a bomba de hidrogenio foi detonada por Juliet na 5a Temporada) digitar aqueles números era um protocolo necessário para evitar uma catástrofe global (se a ilha for detruída, como queriam Jack e Cia ao fim da quinta temporada, o mundo sofreria uma grande catástrofe.) Para salvar o mundo, os membros da Iniciativa Dharma elaboraram esse protocolo que impediam o fim da ilha. Com as informações da 6a temporada, qdo sabemos que o fim da ilha, significa tb o fim do mundo, essas coisas têm mais sentido, nao? Os números deviam parte da programação do computador, designado para elaborar o protocolo. Eles tb podem ter sido escolhidos em em uma homenagem equação Vallenzeti, que previa o fim do mundo.

      3 Em 2005, os produtores já disseram que havia a possibilidade de nunca sabermos tudo sobre os números. Não foi exatamente uma surpresa não termos essas respostas. Mas eis o que se sabe sobre eles:

      A Fundação Hanso, que iniciou a Iniciativa Dharma, contratou uma pessoa chamada Valenzetti para trabalhar na equação que determinaria a probabilidade de o mundo terminar na eminente da Crise dos Mísseis Cubana. Valenzetti basicamente deduziu que era 100 por cento no
      próximos 27 anos, então a Fundação Hanso começou a Iniciativa Dharma, num esforço para tentar mudar as variáveis no equação para que a humanidade não se destruir. Os números estavam na equação de previsão do fim do mundo. Considerando que os números também representam os candidatos, dá pra supor que eles desempenharam um elemento importante nos eventos que poderiam culminar no eventual fim do mundo. (seja qdo detonaram a bomba – todos os candidatos vivos participaram da tentativa, ou qdo Jack se sacrificou pela ilha).

      3 – Ué, pensei que tinha ficado claro que o Ben quem usou o computador de outra escotilha para atrair Michael para os outros e assim conseguir ter Jack entre Os Outros, para realizar a cirurgia que retiraria o cancer dele. O Ben era membro da Dharma. Ele conhecia bem as formas de comunicação deles. E não é lógico que uma iniciativa com tanta tecnologia fizessem computadores com comunicação entre si???

      4 – The Swan, Estação de Pesquisa de eletromagnetismo/
      The Pearl – Estação de vigilância
      The Arrow – Estação de pesquisa para o desenvolvimento de estratégias de defesa contra os Hostis
      The Staff – Estação de pesquisas médicas.
      The Hydra – Estação de pesquisa zoológica.
      The Flame – Estação de comunicações.
      The Looking Glass – um farol subaquático
      porto / estação submarina
      The Tempest – Estação de Gás Tóxico.
      The Orchid – Estação de pesquisa em botânica e viagem no tempo.
      The Lamp Post – Estação fora da ilha usada para encontrar a ilha. Com todo esse ódio de Lost, acredito q vc nunca mais terá coragem de rever os episódios em que explicam mais sobre as estações. Mas se quiser saber mais, tem aqui: http://lostpedia.wikia.com/wiki/Hatch

      6 – Ué, um templo é um templo. Muitas pessoas que iam pra ilha, passavam a ter uma fé imensurável sobre aquele lugar (com o Locke), e se uniam aos habitantes locais do lugar em torno de construções arquitetônicas religiosas que povos antigos deixaram na ilha, acreditando ser um local sagrado. Como pode-se deduzir, que provavelmente os egipcios tinham algum conhecimento sobre as propriedades da ilha, pode-se pensar que eles construíram o templo em torno de locais com propriedades curativas.

      abraços!

      • Mariana Says:

        Essa teoria da Equação de Valenzetti é muito legal mas nao faz parte dos apócrifos da serie! “Ué, um templo é um templo.” Verdade… E dai podemos deduzir o que quisermos,esse é o grande problema nao é!?! Podemos deduzir o que quisermos sobre tudo! Mais uma vez, nao quero respostas sobre tudo mas tambem nao quero ficar sem resposta alguma!

      • raquel Says:

        Não foi mostrada na série, mas faz parte mitologia, tudo que eu escrevi sobre a equação foi apenas uma tradução de uma fala do Damon Lindelof. E eu acho que se considerarmos o desenrolar dessa sexta temporada, pensar nos candidatos como variáveis da equação sobre o fim do mundo faz muito sentido.

        Acho que muitas respostas estão lá, o problema é que nem sempre são satisfatórias.

      • Ferds Says:

        Raquel, bastante didático mas não faz nenhum sentido prá mim.

        Pegando como exemplo os hieroglifos e o templo: não foi nem vagamente citada a origem e suas implicações; você supõe/deduz que os DharmaBoys fizeram essa “homenagem”, mas a relação não aparece sugerida em nenhum momento. Aliás, em nenhum momento da história (considerando a história descrita exclusivamente nos episódios) a Dharma [tecnologia] demonstra ter relação com os “outros” [misticismo]; até onde me lembro, não houve uma única incursão da Dharma pelo lado místico/folclórico da ilha. No máximo, construíram a estação orquídea próximo ao poço da roda-de-carroça, mas nunca chegaram à roda.
        Aliás, se o Ben terminou a série como um Zé-Mané-número-dois, como ele sabia exatamente o que fazer para ter acesso à roda? Como ele sabia que deveria voltar à ilha para ser julgado pelo Smokey??? Aliás, como ele sabia tantas coisas e deixou de saber? Aliás, aliás, aliás, o que ele sabia, e porque se tornou um zé mané? E como o John Locke real sabia quando ia chover?

        São essas questões que não fecham. No computador da estação swan só podiam ser digitados os números de contingência (qual o sentido? por que não apertar simplesmente ENTER? se o computador desse pane ou o desmond morresse ou não chegasse num veleiro, o mundo acaba, simples assim?).
        Então em 2004 havia dois pontos distintos a serem protegidos na ilha (a swan station e a caverna do dragão) para impedir que o mundo acabasse? E o “guardião”, de alguma forma milagrosa e não explicada, só tomava conta de 50% da contingência?

        Sinceramente, eu esperava respostas a essas perguntas que trouxessem coerência ao roteiro da série. O que ficou, para mim, foi uma série de enigmas que eram a essência e a genialidade da história mas terminaram como pontas soltas e deram um ar piegas ao roteiro e mostraram um desprezo com um público que, em diferentes formas, era fã da série.

      • raquel Says:

        Na série a gente sabe que a Iniciativa Dharma é fundada nos anos 1960/1970, época em que o orientalismo estava em voga, então faz sentido eles homenagearem uma civilização oriental que deixou marcas na ilha.

        Pq aqueles números? Bem o que se sabe é que eles são constantes da equação de previsão do fim do mundo. Como o flash-limbo provou que a bomba nunca mudou o passado, apenas provocou o tal “incidente”, que foi responsável pelo eminente fim da ilha, e consequentemente mundo, a cada 108 minutos, nada mais lógico que as constantes que integram parte da equação do fim do mundo fazerem para da programação do sistema que impedira a catástrofe. Não estavam ali a toa, eram números de programação do computador.

        O Ben morou na ilha quase a vida inteira, ele era da Iniciativa Dharma, tinha acesso as escotilhas. Além disso, qdo criança teve a vida salva pelos poderes curativos da ilha, com a ajuda dos então hostis. Ele era o líder dos outros, tinha uma curiosidade e uma abição enorme. Deve ter buscado as respostas e conseguido algum êxito em determinadas questões. Sim, no fim ele aceitou ser o número 2, mas isso reflete a jornada pessoal do personagem, não influi no conhecimento que ele tinha da ilha.

        Quanto ao Smockey, na 5a temporada fica claro que ele manipulou o Ben. Por exemplo, o Ben só conseguiu “invocar” a fumaça na 4a temporada, pq o MIB queria dar a falsa ilusão de a fumaça era mais uma entidade sagrada da ilha. O Ben tinha fé na ilha. E acreditava que se ele errou, era a ilha quem tinha que julgá-lo, e sendo a fumaça uma parte sagrada da ilha, quem melhor para julgá-lo do que ela? O Ben não “sabia” que tinha que ser julgado pela ilha. Porque no fim das contas, o “julgamento” não era necessário, foi só uma forma de o MIB manipular o Ben para matar o Jacob. Pois é com o tal julgamento que o MIB toma forma da Alex e manda o Ben obedecer o John Locke, não importasse o que acontecesse. E é a assim que o Jacob morre. O Ben nem sempre sabia das coisas, muitas vezes ele chegava a algumas conclusões em função de sua fé. Ele é um homem de fé. O MIB deve ter enxergado nele um ser corruptível, e por isso, ao contrário de Jacob, sempre se mostrou presente para o Ben na forma da fumaça.

        Bem, sobre os dois pontos da ilha que precisavam ser protegidos. O que aconteceu é que depois do incidente, a bomba de hidrogênio mudou força de eletromagnetismo da ilha. Aquela luz, tb pode ser entendida como uma forte carga de eletromagnetismo, vide Across the See. E a partir de então aquele lugar específico tb precisou ser protegido, pela mesma razão da caverna, houve manipulação humana que expôs a luz ao risco de ser extinta. E quem disse que Jacob não influenciou na proteção daquele lugar. Sempre me soou estranho o fato dele continuar sendo protegido, mesmo após o fim da Dharma. Hj penso que isso ocorreu em função das manipulações de Jacob. Acredito tb que foi pra isso que ele trouxe o Desmond.

      • Paralelo (Lauro Edison) Says:

        Raquel,

        o ridículo é Ben realmente acreditar que a Black Smoke estava em posição de julgá-lo, que ela devia ser levada a sério. Sendo que Jacob sempre soube a verdade sobre a Black Smoke. Aliás, Richard Alpert também sabia.

        No fim, Ben estava fazendo tudo por Jacob. Inclusive seguir Locke, cedendo a liderança dos Outros, era por causa de Jacob – afinal, MIB/Christian se fazia passar por porta-voz de Jacob.

        Então, quando Ben descobre que Locke quer, na verdade, matar Jacob (!!!) ele não desconfia de nada? Simplesmente vai lá e faz?

        Além do mais, o próprio Jacob não fez porra nenhuma pra desfazer essa confusão? Bastaria dizer: “gente, não elegi Locke porra nenhuma! Não o escutem!”. Em vez disso, o que ele fez? Saiu da Ilha pra pedir ajuda pra Ilana. WTF?!

  124. Ferds Says:

    Ahhh, e prás viúvas de Lost que estão depressivas com o fim da série: o SBT apresenta diariamente, há anos, uma série sobre pessoas, muito mais honesta nesse propósito, aliás. Não ficam enrolando com enigmas, hieroglifos, ilhas e ciência, e tratam absolutamente sobre pessoas. Para quem se interessar, o nome da série é Chaves.

  125. juju Says:

    pessoal nervosinho por aqui, ahn? enfim, o que acontece com os comentários do blog é a mesma coisa que acontece com as reações ao final da série. tu diz uma coisa, gurizada entende outra ou se FIXA numa frase só e sai xingando. juram que tá rolando debate mas ficam só repetindo uma ou duas frases de efeito, tipo mantra. reflitam.

  126. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Edilaine,

    pensando bem… Se é verdade que o voo 815 caiu numa fossa do pacífico, e que todos os corpos ficaram lá, por que todos os ‘espíritos’ foram parar na Ilha, alucinando destroços, com espíritos ‘duplamente mortos’? É beeeem complicada essa teoria, rs. Por exemplo, Lapidus seriam alguém que morreu e alucinava ver TV? Ou seria alguém vivo, vendo TV e, depois, indo pra Ilha? Ãh?! rsrsrs…

    deeperlost,

    o site principal tem muito do espírito da Iniciativa Dharma mesmo, rs.

    SPECTRE1961,

    obrigado pelos spams, err… Tá, e obrigado por ser coerente também: citar Caetano, dizer que 2 + 2 são 5, tudo que eu odeio, kkkkk… Mas o imperdoável, o crime hediondo, é citar “Maluco Beleza”, do gênio Raul Seixas, e atribuí-la ao palhaço do Caetano! Sangrei pelos ouvidos!

    JMA e Mariana,

    Thanks pelo samuel, rsrsrs.

    Raquel,

    a entrevista com J J Abrams é de 2009. Apesar de tudo, ele tinha moral pra falar, como um dos criadores. E o que DL e CC falaram sobre “explicações midichlorianas” está correto. Esmiuçar demais coisas desnecessárias é ridículo. Aliás, fizeram isso sobre os sussurros! Se era só essa bobagem, não precisavam ter dito. Se fosse outra coisa, mais interessante, aí sim, valeria dizer. De resto, claramente o que fizeram com Lost não foi apenas “evitar midichlorians”. Deixaram buracos profundos, no maior descaso. É completamente diferente. Por fim, tanto faz se os criadores já vinham avisando desde cedo (verdade é que ora eles falavam uma coisa, ora outra – chegaram até a falar que tudo teria explicação científica, se não me engano). Fica ruim do mesmo jeito.

    Sobre a Fonte de Vida, sua hipótese sobre aquilo ser uma antiga “escotilha” é boa. É uma possibilidade. Mas soa estranho, não? Se tirar a rolha, o mundo acaba. E quando não tinha rolha, que diabos houve pra chegar nessa situação? Posso imaginar: humanos foram lá, causaram um “incidente” e inventaram a rolha como recurso. Soa esquisitíssimo, sobretudo porque nada foi dito sobre. Mas ok, tá valendo. Neste caso, a “Luz” da Ilha poderia ser, originalmente, algum fenômeno natural/místico mesmo. Mas não entendi o que os sobreviventes do 815 tiveram a ver com a própria queda do avião. Não foi Desmond, ao se atrasar na escotilha (pela mão mágica de Jacob, diga-se)?

    • raquel Says:

      O nome do último episódio da 5a Temporada é “The Incident”. É nele que a bomba é detonada. O Dr. Pierre Chang, ao dar as orientações sobre o protocolo da Estação Cisne para impedir a provável catástrofe global, diz que um “Incidente” foi responsável por esse procedimento.

      Lembra quando o Daniel Faraday propõe destruir a ilha e a estação Swan, para impedir que o Incidente aconteça, e assim o Desmond nunca se atrasaria para apertar o botão, assim, eles nunca cairiam na ilha, e mudariam o futuro?

      Na época, o Miles falou da possibilidade da detonação da bomba ser responsável pelo tal Incidente. Assim, qdo a 6a temporada começou com a realidade paralela, todo descartaram essa hipótese. Mas qdo descobrimos que a realidade é apenas um Limbo, e lembramos que o nome do episódio é The Incident, dá pra concluir que de fato, foi a bomba que causou o incidente, a necessidade a Dharma de criar um protocolo para evitar o fim da ilha, e o fim do mundo. E foi graças ao incidente, que Desmond se atrasou no aperto do botão.

      Sim, sobre a rolha, soa bem esquisito. Mas qdo Desmond dizia que apertava o botão a cada 108 minutos para salvar o mundo tb não era esquisito? Se a gnt pensar a bomba foi detonada quase terminou com o fim da ilha (afinal, foi detonada num local onde o eletrogmatismo da ilha era forte, e onde há luz, tb há esse eletrogmatismo, como pode ser deduzido em Across The See), e a iniciativa Dharma elaborou um sistema pra impedir isso, dizendo que assim estaria salvando o mundo, as coisas passam a ter mais sentido. Pelo menos para mim.

      Eu sei que nos extras dos Dvds vão ter cenas da iniciativa Dharma; Talvez tenha algo sobre o incidente.

      Ou talvez mostre que minha teoria é furada. haha

      • Paralelo (Lauro Edison) Says:

        Raquel,

        entendi seu ponto. Como o flash-limbo (o termo do Pablo Villaça pegou, rs) prova que o Incidente ocorreu ever, prova também que os Oceanic causaram a própria queda na Ilha. Um looping à Terminator, rsrsrs. Interessante.

        Quanto ao botão dos 108 minutos, ele era esquisito sim. Mas ele podia ser esquisito, já que haveria tempo para explicar aquela loucura toda. E explicaram o suficiente, nesse ponto. Já a rolha simplesmente aparece no último episódio.

        Claro, se quisermos, podemos fazer associações interessantes: Desmond também era o cara no caso da “paleo-hatch”, rs. E mexer com aquilo também provocaria o fim do mundo. Se toda a 6ª temporada se dedicasse a essas analogias elegantes, e aprofundasse o conceito, daria pra levar a sério. Do jeito que está, claramente somos nós, os fãs, remendando a porralouquice deles, os criadores.

    • Edilaine Says:

      Bem… todos os ‘espíritos’ foram parar na Ilha da mesma maneira que todos se encontraram no ‘limbo’ , ou seja, de um forma ou de outra foram conduzidos até lá. A Ilha também seria uma espécie de limbo, ou seja, um dos planos espirituais pelo qual a alma deve passar, por isso a fala do Christian Shepard no ‘The End’ : “Partir? Não. Seguir (Move on)”. Assim, todos, todos na ilha seriam espíritos.
      No episódio Across de Sea, a mãe biológica dos irmãos fala uma língua totalmente diferente da mulher que a socorre e, no entanto, elas se compreendem e logo passam a conversar em inglê( não lembra o caso do Jin e da Sun no episódio final?); o Homem de Preto pergunta para sua ‘mae’ :”O que é morte?”, ela responde: “É algo com a qual você nunca deverá se preocupar”. Para mim estes parecem ser outros indícios de que a Ilha é também um plano espiritual.
      Quanto a Lapidus, por que ele estaria morto vendo TV? Ele estará morto ao chegar na Ilha. Ele é recrutado pelo Abbadon (‘cuja trabalho é levar pessoas para onde elas precisam ir’, lostpédia) para pilotar o helicóptero do cargueiro. A partir daí seguimos a jornada do seu espírito.
      E por que com espíritos ‘duplamente mortos’ ? Não entendi.

      • Paralelo (Lauro Edison) Says:

        Edilaine,

        estou fascinado com quantos detalhes podem convergir para uma teoria, quando se esmiuça o suficiente, rs. Essa da fala em inglês foi criativa, pra dizer o mínimo. Agora os “duplamente mortos” é quando mortos morrem na ilha. Por exemplo, Keamy é triplamente morto! kkkkk… 1) É morto, como todos; 2) morre na ilha; 3) morre no Limbo! putz!

  127. Adriano Says:

    e pensar em quanto tempo, energia e dinheiro eu gastei com Lost…quero meu dinheiro de volta…

  128. jam Says:

    Concordo completamente com tudo, acho q so fãs idotas vão poder dizer q gostaram do final…admito que gostei do paralelo que fizeram com jack fechando os olhos no final por ex, mas as milhares de perguntas importantes sem respostas…e o pior é q quem for ver sites americanos vão ver muitos dizendo q o final foi bom, emocionante e blablabla esquecendo convenientemente das milhares de perguntas não respondidas ou MUITO mal respondidas (americanos são msm os mais idiotas n entendo como são primeiro mundo aff)

    O negocio é esquecer a porcaria que virou lost e seguir pra outra serie!

  129. samuel Says:

    “Do jeito que está, claramente somos nós, os fãs, remendando a porralouquice deles, os criadores.”
    ESSA é a ideia, meus queridos: ficar falando, como ficam falando do UNIVERSO EXPANDIDO de star wars. a diferença é que, em tese, não haverá UE de lost.

    vamos tentar por outro lado. vejam lost como um CONTO DE FADAS moderno e absurdamente complexo.

    • RLC Says:

      Nessa parte concordo com vc! A intenção é fazer ficarmos aqui nos degladiando indefinidamente… Mantendo assim a serie viva por muito tempo ainda e provavelmente nos vendendo um monte de porcarias; Mantendo assim a galinha dos ovos de ouro rentavel por muito tempo ainda. Concordo tambem que Lost se tornou um conto de fadas moderno, só nao tenho tanta certeza quanto ao complexo,como ja disse anteriormente muitos estao creditando a Lost mais do que havia ali na verdade, segundo muitos(Me incluo entre estes), no fim era tao complexo mas tao complexo que nao era nada!

  130. samuel Says:

    existe uma ilha que contém a energia da vida, POTÊNCIA DE CONTRÁRIOS, vida e morte. homens chegaram na ilha, homens tentaram controlar essa energia, homens morreram tentando fazer isso. um homem percebeu que essa energia não deveria ser acessada, esse homem tornou-se um guardião. por anos e anos e anos outros homens chegaram à ilha e tentaram em vão acessar a fonte de energia, sempre impedidos pelo guardião. um guardião escolhia um substituto, que ACEITAVA essa missão e, ainda que às vezes não entendesse por completo, SENTIA que proteger a ilha era o correto a ser feito. um desses guardioes foi a VELHA q matou a mae verdadeira de jacob e mib. cansada e sem fé na humanidade, achava q nunca ia haver um substituto pra ela, pq os humanos tornavam-se cada vez piores. até q aparece uma GRAVIDA e ela tem a oportunidade de TREINAR um substituto PURO, um homem que não possui os vícios arraigados. cria dois, um com tendencias calmas, outro mais agressivo. ao mais calmo é passado o dever de proteger a ilha, ainda que nao saiba bem o porque. o mais calmo comete um erro HUMANO, na tentativa de frear o mais agressivo. o mais agressivo torna-se parte da ilha, mas nao quer a ilha. ele quer ir embora. mas se ele for embora, a ilha se vai e com ela a energia da vida. e sem energia da vida não há vida. o mais calmo sabe q o mais agressivo nao vai desistir de sair da ilha, entao precisa mante-lo lá ou destrui-lo. o mais agressivo só pode sair da ilha se nao houver nem o mais calmo, nem qualquer outro que proteja a energia da ilha. mas eles nao podem se matar, sóo um terceiro pode fazer isso. antes disso, as pessoas chegavam à ilha por acidente ou via seu interesse por conhecimento. a partir disso, além desses 2 meios, tb são TRAZIDAS à ilha. trazidas para o jogo entre o mais calmo e o mais agressivo. é uma disputa entre o QUERER, o PODER, o DEVER.

    • Paralelo (Lauro Edison) Says:

      Samuel,

      belo resumo. Mas nem com toda a tua boa vontade os buracos somem. Ou o guardião, ou a própria Ilha, têm o poder de impedir que outra pessoa encontre a Caverna de Luz. Só isso já fura tudo.

      Além do mais, você está presumindo que, numa época que não havia guardião, vários homens tentaram e não conseguiram fazer nada contra a Fonte. Então o guardião é dispensável.

      Depois, o irmão de Jacob (“Samuel”, no script, rs) não era mais agressivo coisa nenhuma. Na verdade, ela era o personagem menos agressivo e menos maldoso do todo o Across the Sea – incluindo os romanos, que ele próprio criticava como vis. De modo que não faz o menor sentido ele encarnar “o mal” se tornando a Black Smoke.

      E eu ainda acho que a Black Smoke não era ele. Deixaram isso propositalmente em aberto, creio, ao colocarem (F)Locke, no último episódio, falando como se fosse o próprio Locke. Mas não fecharia, né? Porque Jacob diz que a Black Smoke é fruto de um erro seu (jogar o irmão onde a mãe, que matou a mãe dele, pediu pra ele não jogar – putz, que ridículo-sobre-ridículo).

      • samuel Says:

        1. “Ou o guardião, ou a própria Ilha, têm o poder de impedir que outra pessoa encontre a Caverna de Luz. Só isso já fura tudo”: fura pq? é a função primordial do guardião. ele ESCONDE a entrada da caverna, q é, aparentemente, o único lugar de acesso direto ao mecanismo de ‘desligamento’ da luz.

        2. “(…) numa época que não havia guardião, vários homens tentaram e não conseguiram fazer nada contra a Fonte. Então o guardião é dispensável.”: numa época em que não havia guardião, ele não existia porque não havia necessidade. quando um 1º homem quis se apropriar diretamente da energia da fonte, o guardião se fez necessário.

        3. “irmão de Jacob (“Samuel”, no script, rs) não era mais agressivo coisa nenhuma.”: eu falo de TENDÊNCIA. ele sempre foi o mais CONTESTADOR, o mais REVOLTADO, o mais INDIGNADO com sua situação. é a essa maneira de ser agressivo que me refiro. de ser do tipo TENTE ME PARAR ENTÃO.

        3.1. “E eu ainda acho que a Black Smoke não era ele. Deixaram isso propositalmente em aberto”. não ficou em aberto, o monstro É o q, um dia, foi o irmão de jacob. o untangled do ‘across the sea’ deixa isso CLARO. supoe-se que a fonte da caverna tem poder de vida e de morte, bem como de realçar uma ou outra ESSÊNCIA de cada ser humano. a tendência do MIB, como apontei acima, era a contestação, o confronto. exposto ao máximo de energia (como o obelix caindo no caldeirão de poção), é totalmente plausível q a tendência da sua ‘alma’ (a aceitação da existência de alma em cada humano é uma premissa, em lost) seja elevada ao máximo. no caso, black smoke é PURA REVOLTA, digamos.

        3.2. “jogar o irmão onde a mãe, que matou a mãe dele, pediu pra ele não jogar – putz, que ridículo-sobre-ridículo”: o jacob, ainda que guardião da ilha, não deixa de ser humano, estando sujeito às paixões humanas, aos seus vícios, às suas virtudes. ele não é totalmente BOM, mas PRIORITARIAMENTE bom, pacífico. são essas nuances, quando falando de HUMANOS – não há pessoas SEMPRE boas ou SEMPRE más -, que enriquecem o DRAMA e permitem focar a história nos personagens.

        além do mais, a marcação do MIB como o ‘de preto’, o q nasce chorando, o que nasce mais sujo, o q usa tom mais escuros é um recurso narrativo pra apontar que ele é um ‘vilão’, que ele é uma DIFICULDADE na jornada do herói. ainda q isso possa levar a uma simplificação “ah, então é o bem contra o mal”, não há possibilidade de se criar uma história sem esse tipo de distinção. nem DARTH VADER foi SEMPRE MAU, nem luke foi SEMPRE BOM.

      • Paralelo (Lauro Edison) Says:

        1. Fura, porque se só dá pra encontrar a Caverna acompanhado pelo guardião, basta ele nunca ir lá e tá resolvido.

        2. Agora você já presume que o guardião surgiu “depois do 1º homem”. Antes era “homens morreram tentado fazer isso”. Isto se chama falácia ad hoc – quando sua teoria falha, você sai fazendo remendos até ela colar com seja o que for. Fica forçado.

        A verdade é que, mesmo sem guardião, o único modo de dar merda é se fosse um cara especial como Desmond lá dentro e tirasse a rolha. Fora isso, a Caverna nunca correu risco nenhum.

        3.1. Untangled não faz parte da série. E eu acho que a “tendência” do irmão de Jacob era a curiosidade, a vontade desbravar horizontes. Ele até criticava a maldade humana. Ele só ficou puto quando sua mãe cometeu uma chacina. Isso não é maldade nenhuma, putz. Jacob fez pior. E Jack entrou lá e não teve nenhuma “essência” realçada. Ele só morreu.

        3.2. Jacob jogou o próprio irmão para algo “pior que a morte”. Se aliou a uma mulher que matou sua mãe. Destruiu centenas de vidas à toa, por capricho (Ilana é só um exemplo). “Prioritariamente bom”? Tá difícil.

      • samuel Says:

        1. não. a função do guardião é ESCONDER, não mostrar. SEM guardião, qq pessoa é capaz de encontrar a caverna depois de algum tempo de busca.

        2. reli meu “resumo” e ali há, de fato, um problema. pois corrijo com o q quis dizer, exatamente, a seguir: houve um tempo em q os homens não queriam acessar a fonte, não tinham essa curiosidade. o “1º homem” tem a ver com o qualificador “que quis se apropriar diretamente da energia da fonte”. só a partir disso é q há a necessidade de um guardião.

        o uso do seu ‘falácia ad hoc’ beira o pedantismo filosófico. estou elencando premissas, simplesmente. debatendo. perceba q em nenhum momento quis dizer q CONCORDO ou DISCORDO desses pontos. estou apenas buscando soluções possíveis, que, aceitas sob certas condições, fazem sentido. acusações desse tipo soam simplesmente autoritárias e são, além disso, MÁ filosofia.

        ainda, eu não posso cogitar nenhuma possibilidade de justificação, mas vc pode invocar um SE FOSSE pra justificar q a caverna nunca teria corrido perigo nenhum?? belo argumento, também.

        3.1. untangled não faz parte da série, mas refere-se a ela, e de forma oficial. os filhos de han e leia não fazem parte das trilogias star wars, mas referem-se a ela, por exemplo. teorias e opiniões de fãs também não fazem parte da série, mas o q estamos discutindo mesmo? eu também ACHO muita coisa. o ponto q cito é o que FOI MOSTRADO na série. e foi mostrado em ‘across the sea’ como o mib reagia às coisas: contestando, gritando, dizendo q ia fazer e acontecer, da mesma forma q foi mostrado q ele ficou puto qnd a mae dele tocou o terror na vilinha, assim como mostrou q jacob mandou a racionalidade às favas ao fazer exatamente o q ele não deveria fazer (e sim, nisso ele é um babaca). assim como anakin (posso fazer esse paralelo pra sempre) matou o povo de areia, a despeito de tudo, movido pelo ódio e revolta. jack morreu fora da fonte. pode-se, veja bem, POSSIBILIDADE, considerar q, qnd mib caiu na fonte, ele estave inconsciente e a fonte estava em pleno funcionamento. no caso de jack, ela recém havia sido ‘religada’. pode não ser isso (talvez unca se saiba), mas imaginar essa possilidade não é nenhum absurdo, nem invalida a coisa toda.

        3.2. “algo pior q a morte” é ficar vagando eternamente como uma alma impossibilitada de redenção. como lost puxou o assado pra questão de existências diferentes, (corporea e ‘incorporea’, vida e ‘outra vida pós vida’) e mostrando q a redenção (a realização plena da consciência, do espírito, chame o status dos personagens do flashlimbo do que quiser) se dá não no plano ‘material’, mas no ‘espiritual’, o bom e o mau dizem respeito a esse critério: “o que é bom para a redenção do ‘espírito’?” e essa perspectiva, como mostrada na série, é superior à perspectiva meramente HUMANA da coisa toda. é a perspectiva humana ALIADA à ‘espiritual’ (não achei um termo melhor pra designar, mas ele não precisa necessariamente ter relação com qq religião), é humano com ALGO MAIS.

        mas toda essa argumentação é inútil se simplesmente NÃO SE QUER considerar outras possibilidades além do próprio gosto.

    • RLC Says:

      “Toda essa argumentação é inútil se simplesmente NÃO SE QUER considerar outras possibilidades além do próprio gosto.” Esta alegação é uma caminho de mao dupla, nao acha!?! Vc tambem nao parece disposto a aceitar outras possibilidades alem do seu proprio gosto!

      • samuel Says:

        velho, não tenho problema nenhum com quem não gostou do final da série. o problema não é gostar ou não, é alegar q não gostou porque não obteve as respostas da maneira como achava que devesse ser. há q se gostar, ou não, a partir do que existe e do que disso se pode tirar.

        quem não gostou, ou melhor, quem odiou se sentiu traído enganado feito de palhaço etc é q tá apontando que as coisas não fazem sentido, que ‘é qualquer coisa’, ‘é uma bosta completa’. não é. tanto não é que os comentários gerais são ‘essa reta final está fabulosa’, ‘a série vinha bem até esse episódio’, ‘lost é foda’. daí porque alguns episódios são ruim, tudo vira lixo merda de uma hora pra outra?

        ainda, se algo não faz sentido, por definição não se pode ‘gostar’ ou ‘desgostar’: se não faz sentido é incompreensível. e lost tanto faz sentido q existem aqueles que gostaram e aqueles que não.

        portanto, me parece q a discussão post aqui não é de GOSTOU/NÃO GOSTOU, mas de q ‘lost não faz sentido é tudo merda quem gostou é idiota e aceita qualquer porcaria foi tudo uma enganação dos produtores’.

        to expondo pontos que, LOGICAMENTE, são POSSÍVEIS. têm elementos ‘sobrenaturais, por assim, dizer, SIM, mas é uma série de ficção. n]ão é uma série estilo DOCUMENTÁRIO. não é FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO, em q uma nuvem preta de fumaça tomar a forma de um velho bebum é inadmissível.

  131. Theo Says:

    O Desmond tirou a rolha pra dar descarga na merda que os roteiristas fizeram….

  132. Leandro Mad Says:

    Perfeito!!! Resumiu tudo o que eu pensava!!!
    Aliás pra rir um pouco kkkkkkkkkkkkkkk:

  133. Luís Says:

    Jacob teve um “candidato” óbvio ao seu lado por mais de 100 anos, além de um bom grupo fiel de seguidores, por décadas, mas continuava a sua busca… claro, senão não haveria estória… ou esta estória foi arranjada no fim… ?!
    Por simplismos como este e pela enrolação desde cedo é que fica evidente que os criadores se perderam… e nem tinham resposta para tudo, mesmo.

    Mas ok, a série foi boa mesmo assim, até porque boa parte do resto fica próxima do lixo.

    • samuel Says:

      “Jacob teve um “candidato” óbvio ao seu lado por mais de 100 anos” vc está falando do alpert???? tanto o alpert NÃO ERA um homem capaz de suportar as AGRURAS de ser o guardião que, não fosse o hurley, ele teria aceito a proposta do MIB/FLOCKE/BLACKSMOKE.

      • Luís Says:

        Sim, me referi ao Richard; e ok, é a maneira que enxergaste a estória dele.

        Mas eu poderia pensar de outra maneira: se nos primeiros 10 ou 20 anos ele não demonstrasse uma significativa elevação de consciência e discernimento, eu, como Jacob, não seguiria com ele por mais 100 anos – conseguiria outro para o “trabalho”…
        Pois foi justamente isso que a série deu a entender sobre Richard Alpert: que ele seria um ser superior, “noutro nível” em relação aos demais que compunham os devotos de Jacob – incluindo Ben – justamente por estar há tanto tempo na ilha, justamente por ser o braço-direito de Jacob.
        Por isto eu tive dificuldade para tentar entender porque Richard pareceu acatar tão tranquilamente o assassinato coletivo do pessoal da DHARMA, visto na 3ª temporada; por isto me pareceu artificial a maneira como ele pareceu tão assustado e perdido ao final da série, abandonando até as crianças da ilha ao embarcar no avião.

        Claro que alguém sempre poderá fazer uma interpretação livre do que a série não conseguiu concluir, mas o que escrevi acima é mais um exemplo da minha crítica, que é mais ou menos na mesma linha do texto original deste blog: não é exatamente por “falta de respostas aos mistérios”; mas pela falta de coerência da estória, como um todo, com várias situações mal-elaboradas, de desfecho implausível ou desconexo da estória geral… para mim faltou trabalho, mesmo – dos criadores da série e dos diretores.

      • samuel Says:

        essa não foi a maneira como EU enxerguei a história. ela foi MOSTRADA assim. tá lá no AB ETERNO: o richard chega na ilha, é ‘tentado’ pelo fumaça, é ‘tentado’ pelo jacob, fica ao lado de jacob. ele pensa sobre as ‘ofertas’, ele escolhe um lado. ele é ‘boa pessoa’, boa pra auxiliar, mas não boa o suficiente pra ser guardião da ilha. é vulnerável, e essa vulnerabilidade FOI MOSTRADA qnd ele se sente ENGANADO TRAPACEADO pelo jacob e praticamente IMPLORA para que o fumaça apareça para q possa aceitar a proposta q o mib havia feito a ele.

        aliás, o ab eterno mostrou também exatamente o contrário disso que você disse sobre ele ser ‘superior’: APARENTEMENTE ele é um ser superior, mas, no final, é apenas um humano que precisava de algo em que se apoiar, q precisava de ‘cura’ pra sua dor, em algo em que acreditar.

  134. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Esse mostra exatamente minha reação ao fim do episódio!

    • raquel Says:

      Ferds, na minha teoria, com o incidente nem todos os membros da Dharma morrem. O que a gnt descobriu é que a bomba não mudou o futuro de ninguém, logo conclui-se que muitos dos membros da Dharma, como o próprio Radzinsky que a gnt conhece na 5a temporada, e sabe que foi ele um dos primeiros responsáveis por apertar o botão. O incidente não foi responsável pelo fim de todos da iniciativa Dharma, mas sim pelo mudança da força eletromagnética da ilha (essa mudança da força eletromagnética tb foi o que provocou a volta dos losties a realidade a qual pertenciam). Mas como uma bomba de hidrogênio não matou todos? Da mesma forma que um avião que se parte no meio, caindo no meio de uma ilha teve dezenas de sobreviventes. Duas situações que “na vida real” são impossíveis.

      abraços

  135. brunobbarbosa Says:

    A conclusão: quem glorifica este final de Lost certamente gosta muito das novelas da Globo. Garanto que tem muita novela que dá uma surra de cinta no quesito “desenvolvimento de personagens”.

    Se gostou do final e não gosta de novela, deve ser só por preconceito mesmo, porque, com a mesma boa vontade que estão analisando Lost, fariam de “A Gata Comeu” a última bolacha do pacote.

    Não dá nem pra dizer que a ideia é original. Vejam o primeiro dia na ilha, ahah:

    Vejam também o que o Hitler achou do final (em espanhol): http://www.youtube.com/watch?v=XFKoxKQHOk4&feature=related

  136. brunobbarbosa Says:

    Lauro postou o mesmo vídeos 3 minutos antes eheh…

  137. Edilaine Says:

    Paralelo,

    Paralelo, no meu primeiro comentário aqui, eu disse que estava decepcionada com a série, e continuo. Não gostei nem um pouco do ‘The end’. Só estou expondo aquilo o que entendi (e não gostei) da série. Parece que ela baseou-se no conceito do espiritismo, em que há mundos espirituais (onde tudo é parecido com o mundo real) em que a alma deve ‘viver’ nesses planos até atingir estado de purificação total. O corpo só morre um vez, a alma ‘morre’ toda vez que segue (move on) para outro plano espiritual.
    E se (dentro da logica da série) o Keamy morreu duas vezes, como você bem lembrou, por que não pode morrer três?

    • Paralelo (Lauro Edison) Says:

      Sim, Edilaine, tranquilo. Eu acho interessante a especulação. Não fui sarcástico ali. Mas que é estranho alguém morrer duas vezes, isso é. Veja que nem se trata de uma “jornada espiritual”. Por exemplo, Arzt morre por puro azar, na queda de uma avião (e passa pra ‘outro plano’), depois também morre por puro azar, na explosão da dinamite (e passa para ‘outro plano’). Fica tudo muito feio. Parece-me claro que não era mesmo essa a intenção no seriado.

  138. RLC Says:

    Espetacular esse video do Hitler!!! Vi em ingles(Entendi mais facil meu espanhol é nulo!) http://www.youtube.com/watch?v=-lqlQmMnD1Q

  139. RRunner Says:

    O video é o mesmo mas a legenda é outra. Genial! http://www.youtube.com/watch?v=RqRbHYEUtzk

  140. raquel Says:

    Longe de mim querer mudar a opinião da maioria das pessoas daqui sobre o fim da série. Mas eu gostei justamente em função dessas pontas soltas. Acho que se explicassem o que é a Dharma, pq os hieroglifos, etc. Ficaria expositiva, didática e chata. Eu gosto de ter a oportunidade de amarrar as pontas soltas. De buscar minhas próprias teorias, e entender alguns acontecimento que me parecem implícitos. Por isso, concordo com quem diz que as pontas soltas não são falhas, mas sim uma concessão. Ora, se vc pensar bem, ter uma explicação para esses mistérios soltos não é tão difícil assim (se fosse, não teria centenas de fãs dizendo que fariam melhor). Mas Lost é uma série que se construiu nessas buscas dos fãs por teorias, definições, pesquisas, etc. Não responder os mistérios não é descartá-los, as propriedade misteriosas da ilha desempenharam um forte papel em seu ato final, não explicar é dar uma oportunidade aos fãs de pensar para encontrar um sentido para eles. Confesso, que tive medo de ter todos os mistérios mastigados, pois tinha sensação que pensaria: hum, na minha teoria era melhor.

    Bem, essa é só minha opinião. óbvio que não sou como esses fãs lunáticos, que acham que quem não gostou é burro, não entendeu. Nada disso. Quem não gostou simplesmente teve uma expectativa contrária da minha. Mas por favor, não achem que eu sou só uma massa de manobra dos produtores caça-níqueis pq gostei da série. 🙂

  141. RRunner Says:

    Na boa, “Concordo com quem diz que as pontas soltas não são falhas, mas sim uma concessão.” “Não explicar é dar uma oportunidade aos fãs de pensar para encontrar um sentido para eles.” Acho muito comodo escrever uma estoria que prende sua atenção por anos(e te torna multi milionario) com misterios e todas as coisas que ja cansamos de falar aqui e no fim tirar o corpo fora, nao responder nada de nada dizendo que 90% do que vc viu nao importava! E ainda achar que nos fizeram um favor ou como vc colocou uma concessão, uma oportunidade de pensar para encontrar um sentido para toda a serie! É meio dose,não!?! Estou mais com quem ja disse aqui; “Somos nos que temos de matutar pra dar logica à trapalhada que foi lost?
    Não deviam ser os argumentistas, pagos a peso de ouro a fazer isso?
    Entao eles fazem a trapalhada, e nos ainda temos de ficar aqui tentando encaixar as trapalhadas deles?” Como tambem ja dito aqui é realmente triste constatar que neste fim nao tiveram um décimo da paixão que demonstraram pela série.Mas bem, essa tambem é só minha opinião.

  142. brunobbarbosa Says:

    Se o Jack saísse voando a la Superman fazendo um panorâmico sobre a ilha, ainda assim haveria os milhares de fãs acríticos dizendo “A ilha deu esse poder pra ele. Se o Jacob não fazia o mesmo, é porque não gostava de voar. Tem que respeitar a vontade dele. Você que não entendeu nada de Lost e fica criticando”.

    Admito que invejo vocês.
    Quase tanto quanto invejo crianças jogando futebol no recreio…

    • Marcos Ribeiro Says:

      Hahaha!!!! Seu humor refinado é inebriante! Crianças jogando futebol no recreio…Genial! Esse seu comentario foi GE-NI-AL!!!!!

    • raquel Says:

      vem cá, me diz uma coisa, qdo vc começou a assistir Lost e descobriu que o John Locke era paraplégico e miraculosamente voltou a andar – e nesse ponto todas a teorias de que eles estavam mortos, ou que era tudo um sonho, ou coisas afins, foram desmentidas que resposta vc imaginava? Uma explicação científica pra uma pessoa recuperar assim do zero a capacidade de andar? Bem, acho que a grande maioria das pessoas aceitou que o John era uma pessoa especial e tinha um papel a desempenhar na ilha. Pois essa explicação é tão ridícula qto os poderes de não envelhecer do Jacob – como guardião da ilha, ele precisria estar vivo e forte até encontrar um substituo – e afins. Se a ilha é um lugar especial que faz com que suas células e lesões neurais se regenerem, não é difícil imaginar que as mesmas propriedades fizessem com que a pessoa não envelheça. Mas é o que a série sinaliza desde o início, só o fato de uma avião se partir e ter dezenas de sobreviventes – algo impossível – já sinalizava isso, goste ou não.

      • Luís Says:

        Ok, acho que explicar tudo seria mesmo bobagem… assim como um amontoado de estórias desconexas também ficou um tanto bobo, pueril.
        Filmes são filmes, mas repito o que já escrevi para a SUPERINTERESSANTE: um mínimo de coerência narrativa e desfecho são essenciais a uma boa estória, e por isto concordei com a matéria original deste blog.
        A minha opinião é parecida: considerei o final muito bonito, sim, mas foi quase uma estória independente. Lembro novamente, por exemplo, que Jacob teve ao seu lado um “candidato” óbvio por mais de 100 anos, além de grupos de muitos fiéis seguidores por décadas… mas Jacob precisava trazer mais pessoas, que sabiam exatamente nada da ilha e nem faziam questão de saber. Mas é claro: se não fosse assim, não haveria estória… a não ser que a estória dos candidatos tenha sido arranjada no fim… ?!
        Justamente por idéias simplistas e/ou desconexas é que fica a decepção, pois o início da série foi genial, e a série ficará na história da TV, afinal.
        (Além da alternação óbvia de momentos mais “cults” com bang-bang geral – o que me fez desistir de ser um fã cego ao final da 3ª temporada, quando Jack explodia “outros” sem dó nem piedade… belo purgatório, não?!)

        É isto… qualquer interpretação fecha com algumas coisas mostradas nos 6 anos, mas não fecha com outras tantas… não posso esperar que os criadores da série saiam desta como “gênios”… “gênios de início de série”, talvez.

  143. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Raquel,

    é que eu realmente não acho (e vou repetir) que o final está “aberto a interpretação”. Se fosse assim, seria bem melhor mesmo – ainda que eu não achasse ideal. Por exemplo, 2001 – Uma Odisseia no Espaço tem um final realmente aberto. Não deixa de soar enrolação, mas você de fato pode projetar ali, coerentemente, uma série de interpretações possíveis. E isso foi proposital de Kubrick e Clarke.

    Já Lost foi tão mal concluído que nenhuma interpretação (tempo, tecnologia, ETs, Matrix, magia, sobrenatural, delírio – ou mesmo um “mix” arbitrário de tudo-isso-junto) dá coerência e um sentido geral ao que foi mostrado. O máximo que se pode fazer é escolher certos trechos da história e, ignorando o resto, interpretá-los numa bolha. No fim você diz: “Legal, os Oceanic 815 causaram a própria queda do avião”. Sim, interessante.

    Mas esse looping temporal, por ser causalmente fechado, impede Jacob de ter trazido os losties para a Ilha. Eles tinham que cair na Ilha de qualquer jeito, porque causaram o incidente (e isso foi antes de Jacob tocar Sawyer, aliás); e tinham que causar o incidente, poque caíram na Ilha. Jacob sequer poderia evitar.

    Lost não terminou aberto a interpretações. Terminou 100% fechado a qualquer interpretação possível.

    E quanto a Locke, claro que não era impossível uma explicação científica (ou ao menos sci fi) para o ocorrido com ele. Como esse mistério foi levantado no 4º episódio (um dos melhores da série), haveria muito tempo para explicar a contento. A sugestão das “propriedades eletromagnéticas” da Ilha foi um bom começo. De fato, há curas desse tipo na literatura médica, em bem menor escala. Bastaria dizer – como disseram – que a Ilha tem muita energia, num grau absurdo (e isso foi sugerido com o Efeito Casimir). Então, fazia sim sentido.

    • Luís Says:

      A lembrança de 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO é muito feliz, pois muitos dos fãs de LOST provavelmente não viram este filme, obrigatório para cinéfilos (como eu).

    • raquel Says:

      O final não está aberto. A história contada teve começo, meio e fim. Mas alguns mistérios estão sim em aberto. O que de fato é luz? Quem construiu a Estátua de Taurete? Quais as reais consequencias da viagem do tempo? Como o John Locke criança desenhou a fumaça? – Mistérios q não necessariamente fazem falta na história, mas que construíram uma aura de fé dos personagens, e espectadores, em torno do ambiente da ilha. E não é pq não foram respondido, que são menos especiais ou menos importantes.

      Veja bem, não sou fã de Lost que perdeu 6 anos da minha vida. Sou fã que perdeu no máximo seis meses. Sempre tive muito preconceito com Lost e só passei a dar uma chance no fim de 2009. Os episódios ainda estão frescos na minha memória. Além disso, revi a 3a temporada, enquanto via a sexta. Aí percebi que a partir dela, já existem muitas deixas sobre o que aconteceria no futuro. E vê essa história de uma vez, me fez perceber as conexões que cada temporada tem entre si. E não percebi tantos furos, assim. Mas isso é só minha percepção… Não me sinto melhor nem pior de quem achou o fim da série um lixo. E também não tenho como me colocar no lugar daqueles que viram a série durante seis anos.

      abraços.

  144. juju Says:

    pessoal que curtiu (fora eu, que sou mal educada, né, mari?) sendo SUPER sensato, dando sua opinião – aliás, alguém linkou um texto muito legal ali em cima – e a galera que não curte fica só nos argumentos bobos, repetidos e revoltados. discussão babaca. não encho mais o saco de vocês. BEIJOS, SE MATEM!

  145. Jim Says:

    Concordo em grande parte com o texto, ate as questões q tentaram responder, deram respostas ruims ou incompletas, por ex a black smoke, MIB or F locke: O que ele era? “Ah deixa de ser burro, vc n entendeu lost e fica falando mau do final! Mostra bem direitinho, q era o irmão de Jacob q cai na caverna e vira a black smoke” dira o fã idiota de carteirinha q acha q um final desses corresponde a qualidade q a serie tinha. Eu pergunto DE NOVO: O que era o black smoke? Ou, se eu jogar qlq coisa na caverna de luz (q, diga-se de passagen, deveria ser uma coisa boa, ja q a luz era sagrada, digna de ser protegida e tal) essa coisa vira uma fumaça negra maligna e fdp completamente no sense?
    “pai o q é isso”?
    “É uma cadeira meu filho”
    “E isso pai?”
    “É uma ilha filho”
    “E akela coisa preta pai?”
    “Ah, é a black smoke. Se vc entra na caverna de luz vc vira isso aí.
    “mas como assim pai? Pq? Como isso acontece? pq quem vira black smoke pode se passar por outras pessoas? Pq a mãe adotiva deles nunca explicou direito q era feio jogar pessoas la dentro e o q aconteceria com elas, o q teria feito jacob n jogar o irmão la? Pq *insira todas as duvidas apresentadas no texto*
    “CALA A BOCA E VAI ESTUDAR MOLEQUE! O FINAL FOI EMOCIONANTE, TODO MUNDO SE RENCONTRA E É ISSO Q IMPORTA!” Ah esses fãs de seriados com pouca mentalidade para perceber q foram enganados com um finalzinho a la happy mode visando justamente distrair todo mundo das questões n respondidas (questões q, para uma serie como lost, eram mais do q vitais q fossem bem esclarecidas. Dizer q n responderam para deixar aberto para nos mesmos respondermos é chamar todos os fãs de idiotas q n raciocinam) …

  146. Etiene Tico Says:

    Na cena em que Jack entra no buraco para “ligar” a luz de volta, eu pensei que ele ia sair de lá como o novo Monstro De Fumaça.

    Mas o que aconteceu?????

    Nada!!!!!

    Quando a mãe do Jacob diz para ele que algo pior que a morte acontece com quem entra lá dentro, para mim tinha ficado bem claro que qualquer pessoa que entrasse lá ficaria condenado, isso foi um aviso para o Jacob nunca tentar entrar lá, senão ele ia se dar mal.

    Ao que parece a única exceção seria Desmond pelo fato de ser especial, mas depois fiocu claro que qualquer idiota poderia entrar lá, só o azarado do irmão do Jacob se deu mal.

    Conseguiram estragar o final da série, graças a esse tipo de coisa e ao fato de não explicarem quase nada que foi importante durante toda série.

    A história do “Limbo” foi bonitinha e tudo mais, só que foi completamente desnecessária.
    O tempo que gastaram com ela, deveria ter sido usado para resolver grande parte dos mistérios da série.

    Isso sim era importante para a história.

  147. Ferds Says:

    @Raquel: faltou um detalhe importantíssimo que eu não comentei, e que infelizmente derruba toda sua teoria… você diz que na escotilha Swan os Dharma Boys “homenagearam” a civilização prévia da ilha, os egípicos (informação que estamos induzindo, não deduzindo). Bom… lembre-se que durante o processo que levou à detonação da bomba (vulgo “incidente”), aqueles que eram responsáveis pela construção da escotilha… morream!
    Portanto, teve escotilha mesmo assim? Quem fez? Como?

    Ah, e para aqueles que já não aguentavam mais a trilha sonora lamurienta do Giachhino com aquele violoncelo insuportável, sugestões de trilha sonora prá tentar salvar Lost:
    – episódio inicial, cena inicial: “Welcome to the Jungle”, Guns ‘n’ Roses;
    – episódio final, cena final: “Welcome to Paradise”, Green Day.

    • raquel Says:

      Ops, acabei respondendo no lugar errado.

      Ferds, na minha teoria, com o incidente nem todos os membros da Dharma morrem. O que a gnt descobriu é que a bomba não mudou o futuro de ninguém, logo conclui-se que muitos dos membros da Dharma, como o próprio Radzinsky que a gnt conhece na 5a temporada, e sabe que foi ele um dos primeiros responsáveis por apertar o botão. O incidente não foi responsável pelo fim de todos da iniciativa Dharma, mas sim pelo mudança da força eletromagnética da ilha (essa mudança da força eletromagnética tb foi o que provocou a volta dos losties a realidade a qual pertenciam). Mas como uma bomba de hidrogênio não matou todos? Da mesma forma que um avião que se parte no meio, caindo no meio de uma ilha teve dezenas de sobreviventes. Duas situações que “na vida real” são impossíveis.

      abraços

      • Ferds Says:

        Alright. Não vi nada muito claro de que os ditos-cujos sobreviveram, mas é deduzível. Creio que a maior crítica dos que assistiram até o final e estão descontentes com a série é o excesso de fatores deduzíveis, sendo que para cada um existem dúzias de hipóteses. De fato, argumentações como a sua, baseadas na própria série, tornam o debate muito melhor, agora até estou pensando em rever alguns episódios.

        Sobre haver sobreviventes do avião partido, o Locke voltar a andar ou a cura do câncer: é claro que sabíamos que a série tratava de alguns fenômenos sobrenaturais/impossíveis, e todos topamos seguir a ideia, desde o primeiro episódio. Particularmente, acompanhei a história justamente por sair do óbvio. As questões envolvendo os fenômenos magnéticos, até as viagens no tempo eu topei. Todos topamos, de uma forma ou de outra. Insisto, o fato desses tópicos serem desprezados pelo roteiro, seja por incompetência dos roteiristas, pressão financeira, whatever, é o que me aborrece.

  148. SPECTRE1961 Says:

    שָׁלוֹם

    juju Disse:
    junho 2, 2010 às 10:49 am | Responder

    “BEIJOS, SE MATEM!”

    Ah! kenga, é assim ?

    Então … vou mandar ver !!

    Ilê de Oxum Docô Homenageia os Orixás Yansã Raquel e Juju …

    Vocês duas estão precisando se purificar na “Jeba” Dourada no Templo Sagrado do Negão !

    Tia Raquel, vai lavar roupa e arrumar a casa antes que eu me esqueça !

    samuel Disse:
    junho 2, 2010 às 1:18 pm

    “Paralelo, sou um punheteiro mais teimoso que você, por isso o meu “Lost” é melhor que o seu …”

    Saravá Oxossi Samuel, por elocubrar os mistérios de Lost …

    Vai em paz “paizinho” Samuel …

    Em busca de outros “pranos” e aproveite, para dar o seu “kú” pra lá !

    E seja feliz, bicha enrustida !

    brunobbarbosa Disse:
    junho 2, 2010

    “Vão se fuder pra lá !”

    Concordo totalmente, seu Barbosa …

    Losties é uma turma de “punheteiros” que insistem em dizer, o meu “Lost” é melhor do que o seu !

    Jim Disse:
    junho 2, 2010 às 12:31 pm

    Lost no final mostrou que era 171 !

    “Menino” Jim, mandou bem … quando colocou

    “CALA A BOCA E VAI ESTUDAR MOLEQUE! O FINAL FOI EMOCIONANTE, TODO MUNDO SE RENCONTRA E É ISSO Q IMPORTA!”

    Jimmy,

    Você não deixou pedra sobre pedra para os “punheteiros” de plantão ..

    Nem para as “mocréias” melancólicas e orfãs de Lost …

    Edilaine Disse:
    junho 1, 2010 às 11:15 pm | Responder

    O que estou fazendo aqui ?

    Também não sei …

    Mas …

    Miss Edi,

    Quanto você cobra para tirar as cutículas e fazer a unha ?

    Paralelo,

    Relaxa cara !

    Hoje o dolar está em R$ 2,050 (paralelo, “craro”)

    Leandro Mad Disse:

    Olha esse boiola no vídeo !

    Tem razão … é o típico “boy” lostie que dá doido pra dar o “rabicó” ”

    Moral da História:

    “Caetanizando” Lost é a solução para os seus “probremas” …

    Stay On “Caetanices” !

    SHALOM !

  149. Valter Says:

    Salve Paralelo,

    Me confraternizo com sua indignação, mas lembre que apesar da serie ter acabado, o mundo não. Vou abusar um pouco de sua simpatia por Star Wars e traçar um paralelo (sem redundancia):

    Muitos fãs esperaram de 1983 a 2001 por um novo filme. Muito avanço tecnologico, universo expandido, muito dinheiro na conta de GL e suas empresas deixaram essa expectativa em um nivel realmente critico. Mas como no final de Lost, os fãs de Star Wars esperavam um sonho realizado, mas assistiram a apenas um filme.

    Excesso de espectativa!!!! A culpa então pode ser dividida entre os produtores e os fãs, que tambem ajudaram a aumentar a expectativa.
    Quanto essa ser a melhor serie de todos os tempos, eu tinha que ver até o final. Para mim ainda é Battlestar Galactica 2003, uma ficção científica focada principalmente em personagens, até mais que Lost. Ainda tem Babylon 5. Ou Dexter que ainda não acabou para receber o mérito.

    Quanto as criticas que voce recebeu, o comentario serve tanto ao seu texto como para serie Lost: “Só se atiram pedras em arvores frutiferas”.
    Sobre as reuniões de fãs, os xcers ignoram as ultimas temporadas. Por que não fazer o mesmo com Lost?

    A especiaria deve continuar fluindo…
    Abraços,

    • Albano Says:

      Valter,

      Você citou uma série que realmente era uma ficção científica focada nos sentimentos humanos, Battlestar Galactica. Uma série que, apesar de um pouco de enrolação na segunda temporada, conseguiu finalizar com um roteiro absolutamente coeso e coerente, ao contrário de Lost.

  150. LUÍS Says:

    Já que escreveram sobre o “INCIDENTE”, não resisti a escrever de novo pois este foi um dos desfechos que achei muito bem bolado, que ficou claro (para mim): os próprios losties acabaram provocando o tal incidente, quando esperavam evitá-lo… e, na verdade, ele se mostrou necessário para evitar um desastre maior, por conta das aventuras transloucadas da Iniciativa DHARMA.
    Já, explicar porque outros não morreram… bem, aí deixo por conta da “mágica” da ilha, mas os losties terem feito parte da sua história foi uma boa idéia.

    E para não perder a linha: achei a idéia geral da DHARMA brilhante, muito rica para ter acabado naquele assassinato coletivo “a la nazismo” (mais uma vez: “que purgatório”, se foi esta a idéia…)

  151. Renata Says:

    Cara, perfeito seu texto. Você foi o único a questionar o pq do Sayid acabar com a Shannon e não com a Nadia que sempre foi o amor da vida dele, falei sobre isso num fórum e ninguem soube responder. Também questionei o lance dele ter torturado várias pessoas no passado e mesmo assim se redimir de todos os seus “pecados” e ir pro céu junto com seus amiguinhos da ilha, e outra vez ninguem se prontificou a responder.
    Só foi ridículo esse final.

  152. juju Says:

    porra, MUFASA era muito maneiro, não sei como os roteiristas da disney deixaram ele morrer pisoteado daquele jeito. tavam perdidos, os roteiristas. na verdade, mataram o mufasa só porque ele pediu um salário muito alto e ainda tava arranjando problemas com a polícia africana. rei leão é uma bosta! tudo isso pra terminar com o MUFASA de estrelinhas aparecendo no céu com outros leões de estrelinhas. no LIMBO dos leões. FUI ENGANADA. que babaca aquele diálogo quase no final. ae a gente achou que o macaco ia desvendar algum mistério. quer dizer que é só colocar TINTA NA TESTA que vira o novo guardião da savana africana? e se o SCAR tivesse caído de CARA no urucum?
    ele ia ser o rei pra sempre??? que escolha óbvia o SIMBA. tinha que ser a nala, que era especial ou o timão e o pumba, que iam ser o número um e o número dois da savana. (aliás, hurley & ben = timão & pumba, né?)

    • jam Says:

      juju é impressão minha, ou vc acabou de comparar o rei leão (so pra começo de conversa, um desenho feito especialmente pra crianças da disney) com lost? Serio?! Assim acho q nem da pra discutir heim…

  153. Homem Says:

    Essa foi foda…

    Os fãs acríticos perderam totalmente a noção das coisas. Rebaixaram-se às crianças…

    Ta aí a explicação. para eles devemos julgar tudo com o mesmo rigor: “Rei Leão, LOST, Harry Potter…

  154. Wilian Says:

    BOMBAAAAANNNNDOOOO os comentários uhuuuuu

  155. Etiene Tico Says:

    Comparação rídicula a do Rei Leão.

    Não vejo nada de errado em quem gostou do final, achou bonito, era o que estava esperando e tudo mais.
    Respeito isso.

    O problema é que quem gostou (não estou falando de todos, apenas alguns) acredita que foi um final perfeito, que a idéia da série sempre foi essa e considera aqueles que discordam do final e o consideram fraco, idiotas que “não estavam preparados para assistir Lost” e criam outros comentários do tipo.

    Sinceramente, não gostei do final.

    Não gostei do final, pelo fato de que muita coisa importante foi simplemente esquecida nessa última temporada, coisas que considerava importantes para a série.

    Os roteiristas no começo da série sempre souberam responder de maneira fantástica e satisfatória muitos mistérios como bem lembrou o autor desse texto.
    Era esperado que no final da série continuassem com o ótimo trabalho e explicassem não todas as coisas da ilha, mas os fatos que eram tão importantes em outras temporadas.

    Ao invés disso, abandonaram toda uma mitologia fantástica que criaram e partiram para algo diferente que sinceramente não me agradou.

  156. Homem de Fé, Homem de Ciência Says:

    1)

    Concordo em muita coisa com você. Muita coisa mesmo. De certa forma, estou no seu time. Há dezenas de mistérios e coisas mal-resolvidas! Mas alguns dos mistérios que você elenca não existem, creio. Vejamos:

    Antes dos mistérios, uma crítica da crítica. A função do limbo foi dar um final bonito ás relações que se desenvolveram e/ou cresceram na ilha. Ocorre que muitos morreram lá e os fãs não chegaram a visualizar a redenção, a felicidade final. O limbo corrigiu isso. A morte não deixa de ser triste, mas o final tem seu lado feliz. O reencontro. Melhor que os finais 100% felizes das novelas. É um final perfeito? Nem é, talvez até longe disso.

    Keamy e Bakunin eram realmente invenções. Assim como o filho de Jack. São recursos criados pelos personagens no limbo para que possam “evoluir”. Se gosto dessas coisas meio espíritas? Não. Mas foi a resposta da série ao que parece.

    Faraday e as equações da RP. Ele apenas interpretou. Ele escreveu aquelas equações porque era o que ele achava (que uma energia muito grande poderia mudar tudo). Estava errado. Não foi isso que criou aquela outra realidade que ele já sabia que se encontrava. Enfim, ele errou a causa. Assim como faraday errou, na série, quanto a poder mudar o passado. Aquela história de “variável” não funcionou. Enfim, só mais uma interpretação errada do velho Faraday.

    Juliet morrendo? Ora, aquilo tudo estava meio confuso. Ora falava da máquina, ora da bomba. É isso mesmo. Não se sabe o que ela pensou no exato segundo que morreu. Estava confusa. Nada mais normal. Acho que alternava delírio e lucidez rapidamente.

    Aaron também me parece que se encaixa como recurso (o mesmo que citei falando de David, Keamy e Bakunin). Quando Charlie e Claire forem definitivamente para “o céu” devem esquecê-lo (ou algo assim). Devem se desapegar. Deve ter doído se despedir dessa lembrança. Fato é que os filhos devem sempre ficar em outro “grupo-limbo”. Algumas mães/pais utilizam-no como “recurso/ilusão”, talvez para se despedir melhor.

    Cada grupo tem seu limbo. O que une o grupo dos losties são os momentos da ilha/oceanic. Foi o que houve de mais marcante na vida de todo mundo ali. Por isso despertam lembranças. Quem não teve a ilha/oceanic como o mais importante da sua vida não está nesse grupo (ou está ilusoriamente, como recurso). Outras pessoas estão em outros limbos.

    Charlie deve ter jogado xadrez com Hurley já sabendo da sua vida real ué (Charlie já devia saber tudo ali. Que morreu. Que tem que esperar todo mundo. O pessoal tava lembrando. Nesse tempinho, ele escolheu uma época para intervir na realidade dos vivos e jogar um xadrezinho). O mesmo pra Mr. Eko. Não devem ter ido imediatamente “para o céu”. Vai ver queriam se divertir com alguns amigos vivos. Talvez tivessem achado o “Hurley” vivo muito sozinho naquele momento da vida dele e quiseram fazer companhia, ainda que não pudessem revelar “coisas do pós-morte”.

    Isabella não conseguia se desapegar à ilha, pois lá estava seu amor, Richard. Ao morrer, foi vigiar seu amado na ilha. Foi uma opção dela. Não acho que foi uma prisão/penitencia.

    Penny existe. Por que não? Conheceu vários losties e nem iria querer estar em outro grupo qualquer, sem seu amado Desmond. Vários outros são meros “recursos/ilusões”. Penny, não.

    Walt não estava lá. Era uma criança. Deve ter havido grupos mais importantes em sua vida. Quem sabe até ele não voltou à ilha no futuro e viveu com “others people” lá? Existem vários limbos. Cada um (limbo) é diferente pra cada grupo. A mim, parece claramente que foi isso.

    A ilha afundada deve ser o subconsciente de alguém. Do próprio Jack certamente. É aquilo que está bem no íntimo do “morto”-vivo lá. Enquanto a câmera afundava no oceano, ela afundava também no “íntimo/desconhecido” do Jack. Algumas lembranças não muito claras. Vai ver ele até sonhou ou algo assim. Pela lógica do final, acho plenamente possível.

    Sayid foi perdoado porque matou em estrito cumprimento do dever legal. O direito explica. Inexigibilidade de conduta diversa. Respondia a um superior. Este sim será punido pelo limbo. Sem contar que Sayid teve várias boas ações durante as seis temporadas. Michael teve menos. Sayid preferiu o grupo da ilha/oceanic/shannon. Ela sozinha perderia Sayid pra Nádia. Verdade. Ocorre que ela ganhou a soma da ilha/oceanic/amigos, assim, pesou mais.

    Ademais, não ficou claro se as lembranças no limbo são ou não seletivas. Podem ser só os momentos essenciais para os grupos escolhidos por uma inteligência (matemática?) superior. Não sei se me expiiquei bem. Deus lê a mente, calcula seu grupo (pesando as influências) e autoriza que se acesse somente as lembranças que lhe ajudarão a aceitar o grupo “menos pior”. Melhor que saber de tudo, já que “Deus” prevê em que grupo você ficaria se soubesse. Ademais, livra da dor da escolha entre duas opções que não são 100% legais.

    Não vi nada demais em Ben duvidar do “destruir a ilha”. Talvez fosse realmente apenas aquilo “da ilha” que o impede (FLocke) de partir. O todo pela parte. Algo como “vou usar o Desmond para desligar algo”. Ademais, é o que Ben queria mesmo acreditar. Isso influencia. E/Ou então pensou: “ele nasceu/viveu aqui. Tem poderes graças a isso. Não pode estar falando literalmente.. Deve ter alguma reserva de consideração pela ilha”…

    Era realmente a fumaça quem o convocava. De certa forma.

    Fazia aquilo para manipulá-lo. Bolou um jeito de se comunicar com Ben, já que isso seria útil no futuro, por aumentar a fé de Ben na ilha, nas coisas mágicas/místicas/fantásticas da ilha e suas misteriosas divindades.

    Locke estava assustado. Voltou a ser humano. Precisava chegar a um lugar seguro antes que tudo desmoronasse. Achou melhor desmaiar logo e sair correndo. Decisões rápidas em momentos difíceis. Talvez não boa, mas não o culpo tanto. Talvez se parasse alguns segundos a mais, perdesse a chance de sair daquela ilha e afundasse com ela.

    Preferiu acreditar que o golpe que deu em Jack era suficiente para que este nunca o alcançasse e tal. Por sinal, não sei como Jack sabia onde ele foi parar… Ora, nessas situações nem sempre se faz o que é mais racional. Ainda mais quando se é Monstro há dois mil e anos e, pela primeira vez, perde-se isso. Sem contar o risco de permanecer ali por mais alguns segundos (pra matar Jack) e simplesmente aparecer alguém (Kate, Sawyer…) e dar um tiro na cabeça dele (e em LOST isso acontece muito).

    Outra possibilidade. Ao virar humano, ganhou algumas características humanas boas de volta. Tipo, “não vou matar coitado, basta desmaiá-lo e fugir. Ele não vai me encontrar”. Ou então a parada foi mais fria mesmo, pesando tudo aquilo que eu falei, só que ele tomou a decisão errada simplesmente

    Jack não quis arriscar matar Desmond. Desmond estava muito ferido/detonado. Ele é forte, mas não imortal. Aquilo afeta ele. E a da luz era, pelo jeito, a carga mais potente que já “bateu nele”. Talvez não conseguisse colocar a rolha de volta e sair vivo daquele local. Ademais, a corda era só uma. Não sei se daria tempo de resgatar ambos. Enfim, Desmond tava ferido e Jack não quis arriscar matá-lo. Parece que a chance disso era grande.

    Ademais, Jack talvez já soubesse que ia morrer devido aos ferimentos graves. Facada etc.

    Os “outros” fizeram aquilo pra deter Jack. Vai ver foi excesso de Ethan. Ben, líder dos outros, estava muito fixado com “crianças”. Não sei se isso era ordem de Jacob, querendo um “plano b” – substituto criado na ilha, tipo como foi com ele. Talvez tenha sido só “coisa de Ben” mesmo, querendo criar uma geração “others” pura. Pessoas crescidas na ilha, desde pequenas. Vai ver Ethan sabia que Jack chegaria a tempo. Ou, enfim , se excedeu mesmo. Ben (ou Jacob) exagerou no “tragam esse bebê a todo custo” e deu naquilo… Pode ter rolado isso.

    Ademais, há vários candidatos. Talvez não custe muito sacrificar um ou mais deles em nome de um bem maior. Uma grande aposta talvez.

    Walt deve ter sido um candidato “bem tocado”. Vários poderes. Mas, ao fim, se relacionou bastante com o pai na ilha e, quando perdeu este, viu que não era mais solitário/infeliz. Assim, Jacob foi decidindo deixá-lo ir com o pai mesmo. Deve ter riscado o nome do guri e tudo mais.

    Aaron não era importante. O vidente era uma fraude.

    Miles e Hurley? Toque de Jacob.

    Suicídio de Charlie e Sayid. Realmente acho estranho. Mas a regra deve ser “suicídio puro”. Assim, se alguém teve uma participação essencial (Bakunin, MIB…), a causa não é “pura”. É porcentagem de suicídio, porcentagem de homicídio. Assim, se Charlie/Sayid não teria se matado sem a ação de Bakunin/Flocke, não há que se falar em suicídio puro. Na verdade, não queriam morrer ali. Não era suicídio puro.

    E, no caso de Sayid, ainda tem outro escape. Já tinha, de certa forma, morrido. Richard também ia morrer por “não correr da dinamite que Jack acendeu”. Só não morreu pq Jack ficou lá e não podia se matar. Caso o contrário, teria um pouco de homicídio (por causa de Jack) e Richard morreria. Não seria “suicídio puro”.

    Enfim, a morte de Sayid é contaminada por “homicídio de Flocke”. Ou então ele já era zumbi.. Morreu uma vez e perdeu o encanto/candidatura…

    Por que Jacob traz centenas de pessoas? Por que não ia agüentar ficar no cargo a vida toda. Precisava de um substituto pra proteger a ilha da fumaça.

    Sobre a fumaça ter demorado de matar Jacob. Há motivo. JACOB só deixa que o matem quando não quis mais o cargo. Para acelerar a transição. Não agüenta mais. Resistiu ao máximo… Mas decidiu que ia deixar Ben escolher… Por isso não reage. Tipo a mãe louca quando morreu.

    Parece que Jacob (guardião) é bom de briga e tem poderes desconhecidos. Lembremos que a veia maluca era guardiã e tinha poderes desconhecidos. Decidiu não usar nada disso contra Ben…

    “Por que Alpert começa a envelhecer após a morte de Jacob e o fim de suas cinzas, mas as outras regras, como (F)Locke não poder atacar os candidatos, se mantêm de pé?” Olha, CREIO que quando as cinzas sumiram, Flocke já podia atacar os “ex-candidatos” (até pq nem candidatos eram mais). Acho que se sentia tão imbatível (com razão até então) que não viu qualquer necessidade de fazer isso. Seria mera perda de tempo. Também por isso nem ligou de Sawyer ficar com a arma.

    O acordo “Ben-Widmore” deve ser, por algum motivo, mais importante e merecedor de respeito que “Ben-Goodwin”. Mas realmente ficou meio estranho/mal-explicado.

    A imortalidade de Richard deve ter alguma explicação que relaciona “água da fonte da vida”, eletromagnetismo/propriedade curativas da ilha. Não sei se a “reza em latim” é essencial. Vamos dizer que o guardião sabe algum tipo de manipulação de coisas da natureza que realmente não sabemos explicar. Vale lembrar que aquela luz é eletromagnetismo. O guardião deve ter algum poder, alguma manipulação sobre isso. O “beber AGUA” deve ser apenas o “visual” disso tudo. Ok, também gostaria de algo mais explicado, mas não é tão ridículo quanto você fez parecer…

    Mulheres grávidas morriam por causa da merda que os humanos fizeram em 77. Incidente. Isso é exagerar o mito da maçã, mas ok, LOST é meio religioso mesmo. O fato é que a radioatividade da bomba claramente (muito possivelmente) tem algo a ver. Já a do câncer de Bem eu realmente não sei. Há uma teoria que diz que quem cura é Anubis (MIB-Fumaça), daí a “seletividade”. Só quando lhe convem. Quis deixar Ben com ciúme de Locke (para poder manipulá-lo).

    É algo pior que a morte (cair na caverna de luz) pq a porra parece que realça algumas características ruins. Acho que se o cara cai lá com uma “carga meio negativa de pensamentos” é “very bad”. Isso explicaria a diferença para o que aconteceu com Jack, que não teve nada (deve ter morrido pelos ferimentos mesmo. Da facada etc.). A mãe de Jacob certamente nunca quis arriscar entrar lá e nem queria que ninguém entrasse. Talvez soubesse que virava fumaça se a pessoa fosse (ou ESTIVESSE) má. Daí é melhor não arriscar, já que não se sabe como a luz/eletromagnetismo vai reagir/julgar.

    Qual era o problema de Libby. Infelizmente eles não conseguiram todos os flashbacks que queriam fazer. Algumas atrizes caíram fora. O piloto também deveria ter algum. Ou então, Jacob não achava ruim sacrificar um ou outro inocente… Jacob nao era 100% bom não…

    Não sei como ele teria matado Nádia não…

    Sun não viajou pra 77 realmente porque não era candidata. Voltou pra buscar o JIN. Kate, ao contrário, desistiu de ser mãe ao pegar o vôo. Tanto que ela, após, revela que voltou pra buscar Claire pra criar Aaron.

    Os números eram sinônimo de catástrofe. O fim do mundo está relacionado a eles. Quanto mais perigo, mais eles aparecem. Outras vezes, é mera coincidência. Não responde muita coisa isto aqui. Confesso. Mas é mais que nada.

    O que é a ilha? Gostei de uma teoria aqui mesmo do seu blog. Um rapaz disse que era de fato algo natural. Estabilidade natural e tal. Assim, aquele mecanismo que vimos no “the end” seria tão somente a “escotilha antiga”. Mecanismo criado para consertar alguma “merda antiga” feito pelo homem. Acho que podemos trabalhar em cima disso e tentar ver se é coerente. Claro que há sempre o risco do fã ter ido além do Carlton e Damon. Mas antes isso.

    A necessidade de um guardião? Simples. Nunca se sabe até onde um humano pode chegar. Vai que um possível criador de algo Põe num lugar e diz: “nossa, como sou sabido, eles nunca vão encontrar”. Milênios depois, a tecnologia descobre. Se não tiver um guardião poderoso cuidando da parada… já era.

    A Fumaça é uma mistura de misticismo com algo realmente cientifico. Por exemplo, pra mim ela não consegue deixar a ilha porque a fonte a “suga”. Ela não consegue fugir muito da “fonte”. Só alcança determinado diâmetro. Quando tiram a parada da tomada (Desmond), essa força some. Perde os poderes, mas não é mais atraída pela fonte. Pode pegar o barco e se mandar.

    A cerca sônica de algum modo simula esse efeito (não atraindo, mas repelindo). As cinzas são a cerca sônica de tecnologia atrasada. Embora não muito bem explicada. Algum isolante. Assim como o mecanismo da rolha pode ter um equivalente tecnológico bem superior (talvez fosse a escotilha, como já especulamos). Ou então as cinzas, por serem de Jacob (será?) impedem o ataque. Como a regra é “não pode matar JACOB”…

    Um erro seu. Ela vira Alex porque ainda não está presa. Só fica presa como John Locke quando Jacob leva a facada. E aqui não sei como funciona isso. De fato. Essa prisão.

    Ela copiou o corpo, mas não é o mesmo corpo. Quando a luz é “desligada”, parece que seus átomos não podem mais se re-arrumar em grande escala. Fica presa na última forma em que estava (copiada). É como se os poderes eletromagnéticos possibilitassem re-arrumação instantânea de átomos em diferentes formas, daí sua imortalidade. Sem a luz, isso acaba e ele pode morrer. Perdeu a “maleabilidade”, sei lá como expressar.

    Matou Seth Norris para aterrorizar. Certamente ajudaria no seu longo plano. Estava querendo despertar a fé de alguém no “nossa, estamos num lugar mágico!”. Viu que Locke seria o manipulado ideal. Alguns a fumaça viu que não tinha jeito. Testou Mr. Eko e o matou. Por exemplo.

    • Paralelo (Lauro Edison) Says:

      HF/HC, você me deixou com medo de advogados. Do jeito que você faz, é possível incriminar qualquer inocente e libertar qualquer serial killer! kkkk

      AINDA estou lendo seu mini-e-book, rs. Se eu não respondê-lo, pode apostar que é por mera falta de paciência mesmo, rs, já que é grande. Interessante, está.

  157. SPECTRE1961 Says:

    שָׁלוֹם

    Homem de Fé, Homem de Ciência Disse:
    junho 3, 2010 às 1:35 am | Responder

    Olha … esse post aí de cima é + uma kao/71 “deles” …

    “Concordo em muita coisa com você. Muita coisa mesmo”

    Depois disso, o “cumpadi” começa no blá blá blá …

    Encheu de linguiça a “porra” toda …

    Tudo que o Paralelo já tinha comentado em minúcias e detalhes …

    Enfim …

    + um “infiltrado” da “Igreja de Lost dos Últimos Tempos” ….

    Papo furado, pra boi dormir …

    E justificar o enredo “queijo suíço” e “me engana que eu gosto” !

    Ainda vai aparecer, por aqui …

    Muitos “punheteiros”, “crentis” e tribos de mocréias from Lost !

    Portanto …

    Vamos “caetanizando” esses comentários …

    Assim fica + palatável …

    Muito Axé e Saravá para todos ..

    Com a “benção” de Pai Caetano !

    SHALOM !

  158. Homem de Fé, Homem de Ciência Says:

    Já vi que tem fanático em tudo quanto é lugar.

    Quando vou contestar o pessoal do “ah, LOST foi lindo e sobre personagens”, vem comentários improdutivos iguais a esse acima.

    Que feio, cara. Deixa isso pra eles…

    Estamos mais certos que eles. Não precisamos da argumentação medrosa e evasiva acima. Sua sorte é que aqui estou eu, não um deles…

  159. brunobbarbosa Says:

    O raciocínio que fiz pra “fechar” a história foi em boa parte semelhante ao seu, Homem de Fé/Ciência. Foi o melhor que consegui pra realizar meu “let go”, ahah.

    A história fecha, assim como qualquer conto de realismo fantástico também fecha. Não demora a percebermos que qualquer história do mundo, por mais absurda que seja, pode ser fechada quando se enche de “parece”, “deve”, “pode” e “talvez” na junção das pontas (nem arrisquei contar quantas vezes você escreveu cada uma dessas…).

    Em muitos filmes e séries estas aberturas não passam de um toque muito oportuno e instigador. Já em Lost, haja vista a quantidade e profundidade de alcance das mesmas, são traço constitutivo de uma trama de mais de 100 horas de duração.

    Aqui reside, pra mim, o real divisor de águas entre os fãs: aqueles que acreditam que este foi um modo inovador e muito ousado de os autores perpetuarem Lost (crendiospadre…) ou que é resultado de um trabalho muito mal calculado – simplesmente tropeçou nas próprias pernas e seguiu um atalho qualquer pra terminar a empreitada a que se propôs.

    Pra mim, novamente, todo este debate é somente uma das inúmeras evidências da segunda proposição. Se isto não inviabiliza uma série de sequer ser cogitada como uma das melhores de todos os tempos, não sei o que mais poderia…

    É uma pena, porque as duas primeiras temporadas são de encher os olhos de qualquer um, homem de fé, de ciência ou do raio que o parta.

  160. Homem de Fé, Homem de Ciência Says:

    Ok, Bruno. Isso sim é um comentário.

    Agora, não acho que seja o caso de desistir. E se a coerência realmente estiver na obra e não estarmos percebendo.

    Acho, por exemplo, que a coerência é maior do que o Lauro Edison disse (daí eu levantar tantas respostas. E algumas são respostas mesmo) e bem menor do que a que os fãs “que aceitam tudo” acreditam. Por enquanto, é esse o meu palpite.

    Então quando vejo que alguém está dizendo que LOST foi menor do que o que penso que foi, quero mostrar: “olha é mais que isso”.

    Quando vejo a galera soltando vergonhosos uníssonos quase dizendo: “que perfeição!” ou, pior, mergulhando na auto-ilusão ORDENADA PELOS PRODUTORES DA SÉRIE de que “ah, era só uma série sobre personagens e amor”!!! Quero que acordem! Olha, teve falhas grandes!

    Acho que vale a pena pesquisarmos um pouco qual é o verdadeiro LOST. E estou sempre aberto a mudar de idéia.

  161. brunobbarbosa Says:

    “Entende-se por literatura fantástica (ou REALISMO FANTÁSTICO) aquelas narrativas em que ocorrem fatos inconcebíveis, inexplicáveis, surreais e que produzem uma grande sensação de estranhamento nas pessoas.

    Normalmente, esta atmosfera de irrealidade tem uma dimensão alegórica, ou seja, por meio do absurdo e do inverossímil, ela alude à realidade concreta da existência, cabendo ao leitor escolher um sentido realista para eventos aparentemente sobrenaturais.”

    _________
    Imagino como QUALQUER FÃ reagiria, lá por volta da 3ª temporada, se um maluco aparecesse dizendo que Lost seria uma série de realismo fantástico. TODOS ririam na cara de quem soltasse essa e diriam que essa possibilidade não existia.

  162. Homem de Fé, Homem de Ciência Says:

    estivermos…

  163. brunobbarbosa Says:

    Não foi tão ruim, claro. O erro foi querer ser maior do que podia.

    Seria necessário muito mais tempo, dinheiro e esforço pra arcar com tudo que já tinha ido a jogo sem que houvesse uma quebra drástica de condução.

    Talvez até tenham feito o melhor com o que tinham, mas não escusa que, no overall, a série não pega top 10 das melhores séries, seja em sci-fi ou drama.

  164. LUÍS Says:

    LOST foi uma idéia criativa, início de série genial, cujos criadores/produtores/diretores não tiveram pernas para desenvolver, ou nem se importaram… simples assim.

    Se tem gente que perdia aniversário, na noite do seriado, para depois varar a madrugada legendando o episódio, imagina se vão admitir que a estória, como um todo, virou “salada de frutas” – e sem chantily, no fim, para boa parte dos fãs.

    Mas respeito quem gostou incondicionalmente, até porque eu gostei e não concordo com a linha “merda total” de comentários tipo do editor da SUPERINTERESSANTE… mas este eu entendo: a revista volta-e-meia explorava a série e nunca cogitou tal final.

  165. Henrique Says:

    É realmente uma pena! Lost tinha potencial para ser uma das melhores series de todos os tempos e vamos ser honestos nao foi. Aqui e em varios outros sites existem milhares de argumentos e contra argumentos ferrenhos a favor ou contra a serie e o que a mesma se tornou. Estou com muitos que como aqui neste site afirmam que Lost se tornou tão complexo,tão profundo que no fim se tornou um grande nada que saiu do lugar algum e chegou ao lugar nenhum(O video do Hitler no Youtube embora totalmente caricato reflete em grande parte isso)ou como diz o comentario do brunobbarbosa, qualquer estoria do mundo, por mais sem sentido que seja, pode ser explicada quando tantas pontas soltas são preenchidas com “parece”, “deve”, “pode” e “talvez”. Somente atraves destes mesmos “parece”, “deve”, “pode” e “talvez” os defensores de Lost como inovador,revolucionario,etc… encontram sentido,argumento e explicações para a salada sem sentido que esta serie tao promissora se tornou ao terminar de forma a ter praticamente infinitas interpretações(Embora ja tenha dado certo em outros filmes e series,nao foi o caso em Lost).Claro que cada um com sua opinião mas me entristece que tantos que sempre se disseram tao fãs da serie como vejo aqui e em outros sites,defendam a forma como a serie terminou afirmando convictamente que “Lost sempre foi uma serie sobre pessoas” sera que algum deles afirmaria lá pela 3º temporada com a mesma veemencia que o fazem agora que Lost sempre foi uma serie sobre relacionamentos, sera que condenariam os que como eles proprios(Embora agora neguem com todas suas forças)esperavam soluções para os mesmos misterios que agora segundo “eles” nunca significaram nada! Enfim pena mas a verdade é que pode-se debater infinitamente mas a serie acabou e nada vai mudar! ” O que aconteceu, aconteceu”!

  166. Rodrigo Ricardo Says:

    Muito bom seu texto, Homem de Fé, mas…veja sua explicação para Aaron: “não era importante. O vidente era uma fraude.”

    É certo que o vidente era um farsante (ele mesmo confessou isso lá no episódio da Claire e em outro cujo flashback era do Sr. Eko). Porém, ele teve uma visão muito impactante quando tocou Claire e fez questão até mesmo de devolver o dinheiro a ela. Depois ele insistiu para que ela viajasse de Sidney para Los Angeles (frisando para que fosse exclusivamente naquele voo) e até comprou a passagem e deu a ela.

    Como explicar isso sem que algo muito importante acontecesse?

    Caberia aos roteiristas explicar isso. O que fizeram durante 4 temporadas vários episódios duplos?

    Você e todos nós sabemos. Depois comento mais sobre sua resposta.

  167. Paralelo (Lauro Edison) Says:

    Conversa no Messenger, com uma flor que desistiu de Lost na terceira temporada e queria saber o final:

    Alê L. diz:
    Não faria muita diferença. Vi duas ou três temporadas há muuuuito tempo… E não pretendo ver todas as demais no fim de semana só pra você me contar o fim. Preguiça de Lost.

    Paralelo diz:
    posso dizer mesmo então?

    Alê L. diz:
    Por favor. ¬¬ To pedindo tem meia hora.

    Paralelo diz:
    rrsrsrs, ok
    A fumaça negra é o irmão de Jacob. E Jacob é o guardião da uma caverna de Luz, que está há dois mil anos na ilha. Ninguém poderia entrar naquela caverna, pois ocorreria “algo pior que a morte”. Uma dia, muito puto com o irmão, Jacob o jogou nessa caverna. E, plim, ele virou a fumaça negra. Desde então, por 2 mil anos, tenta sair da ilha, e Jacob tenta impedi-lo. Err…

    Alê L. diz:
    HAHAHAHAHAHAHAHA.
    TÁ DE SACANAGEM COMIGO?!

    Paralelo diz:
    Alê, minha linda… é sério!! :-O creia!! :-O

    Alê L. diz:
    Jacob, irmão do Jacob, algo pior que a morte, caverna de 2 mil anos…
    HAHAHAHAHAHAHAHA!

  168. LUÍS Says:

    SAMUEL:
    Vamos combinar: estamos falando da série toda, não de um capítulo, não somente da 6ª temporada.

    Então: a série havia me dado a entender, sim, que Richard era “superior” aos seus pares, e isto era absolutamente coerente com a estória de então porque, se não bastassem as suas cenas, desde a 3ª temporada era insinuado que ele era muito antigo na ilha, e logo depois dito que ele era um conselheiro do seu povo, um par de Jacob… alguém teve impressão diferente das temporadas anteriores?
    Por isto escrevi que Jacob tinha um candidato óbvio ao seu lado, todo o tempo… passou 100 anos na ilha fazendo o quê?! Por si só essa estada não seria uma evolução mental/espiritual?!

    Aí vem a sexta temporada, e vemos um Richard assustado, inclusive incapaz de reconhecer e de lidar com o Locke/MIB… situação totalmente inconsistente, artificial… talvez uma “solução” pensada mesmo para a necessidade de Jacob estar procurando outros candidatos. Restaria perguntar: entre as dezenas de fiéis apoiadores de Jacob, não seria mais fácil preparar um substituto desse pessoal, como deveria ter sido feito com Richard?! Pois é…

    Aliás, essa idéia dos “candidatos” é relativamente nova na série, tanto que na 3ª temporada, com Jack, Sawyer e Kate prisioneiros dos “outros”, não me lembro de qualquer menção a isto, mas lembro de um deles (fuzilado por Juliet adiante) se referir: “eles nem estavam na lista de Jacob”. Não me perguntem que lista era esta, mas a minha memória é boa, fazer o q…

    Sem problemas, estamos discutindo numa boa, mas é exatamente disto que eu e outros escrevemos: falta de nexo pode dar margem a quase todo tipo de interpretação.

    • samuel Says:

      entendo seu ponto, luís. mas a 6ª temporada é tão parte da série quanto qq outra, com o ‘agravante’ de ser (ou TER que ser) ‘a esclarecedora’. o q acontece nela não pode ser desconsiderado, mesmo q ela seja uma destruidora de expectativas.

      de qq maneira, ser ‘antigo’, ser ‘conselheiro’, ser, sei lá, ‘amiguinho’ ou ‘da turma’ do jacob não faz de alguém um guardião em potencial. por isso que a resposta pra “por si só essa estada não seria uma evolução mental/espiritual?!” é NÃO, não seria uma evolução. veja o casao do jack: muito menos tempo de ilha, muito menos tempo de convivência com JACOB (inclusive certa descrença na sua existência) e, VOILÁ, guardião. qual a diferença entre ele e alpert? uma certa ‘disposição’ de comportamento, disposição de saber que, de alguma forma, guardar a ‘fonte’ é importante e requer uma firmeza de princípios, mesmo nas dificuldades. jack alcançou isso, alpert não.

      além disso, o tempo na ilha não faz do richard alguém menos humano, sujeito a vícios, virtudes, fragilidades, etc, etc, etc.

      aliás, me dei conta disso agora, o que me parece incoerente é que um site como este, aparentemente de visão HUMANISTA, em detrimento de questões mais ‘científicas’ que são estopins para conflitos, dê tão pouca importância à construção dos personagens e dos conflitos humanos.

      • LUÍS Says:

        Mas tanto tempo ao lado de Jacob faria de Richard um sábio, com certeza, pronto para lidar com o MIB quando o encontrasse, talvez pronto para substituir Jacob… esta é a impressão nítida que fica, assistindo às temporadas anteriores.

        E expectativas quebradas podem ser interessantes ou podem soar falsas, se forem apenas para criar desfechos surpreendentes ou “tapar furos”… depende do desenvolvimento coerente ou não da trama. Repetindo: o desfecho do “incidente” foi surpreendente, para mim, mas achei ótimo, porque foi coerente, além de criativo.
        (O incidente precisava acontecer para salvar a ilha de um desastre maior, e foi provocado pelos losties quando estes esperavam evitá-lo. A ideia da conexão dos losties com a estória da ilha, em particular com a Iniciativa DHARMA, era riquíssima… e simplesmente foi esquecida na 6ª temporada. Um desfecho para a “escotilha”, outra subtrama rica mas que acabou desconectada do resto da série, também foi esquecido.)

      • LUÍS Says:

        Outra questão fundamental, Samuel, sobre o fim do teu comentário: se situações colocadas soarem falsas demais, desconexas, como esperar grande profundidade da trama, tipo construção de personagens bem-feitas?!

        E é justamente por isto que as situações da 1ª temporada, em especial, para mim eram muito bem construídas. Eram verossímeis e profundas, como a referência aos preconceitos étnicos tão comuns nos EUA, como a luta de cada um pela sobrevivência, fora da ilha ou dentro dela, até com o medo dos losties exposto ao se depararem com uma ilha tão “especial”. Estas sim eram situações profundas, por serem advindas da condição humana e inseridas com criatividade na proposta da estória.

        Mas, para terminar como boa estória, o que é colocado no ar tem que ter desfecho – e coerente, não tapa-furo.
        (Que fique claro novamente que eu não esperava “resposta para tudo”, e até tem coisa que tem ficar sem resposta, mesmo.)

      • samuel Says:

        “(…) tempo ao lado de Jacob faria de Richard um sábio, com certeza(…)” simplesmente o tempo ao lado de jacob não faria de ninguém sábio, como não fez. é preciso uma disposição a mais, uma ‘consciência’ sobre o problema todo da ilha.

        e qnt à questão da 1ª temp ser mais ‘profunda’: é interessante esse ponto de vista porque, normalmente, a primeira temporada de qq série é aquela em que temos menos referências, em q mais usamos nossas referencias (externas ao espaço da ficção, da serie em si) exatamente pq recém estamos sendo apresentados àquele ambiente.

  169. SPECTRE1961 Says:

    שָׁלוֹם

    “VOCÊ DIZ QUE SABE TUDO;MAS VAGALUME SABE MAIS; VAGALUME ACENDE A BUNDA COISA QUE VOCÊ NÃO FAZ!!!!”

    GILBERTO GIL

    AOS “PUNHETEIROS” DE PLANTÃO 24/7 …

    E TAMBÉM AS MOCRÉIAS DESCONSOLADAS …

    Quantas vezes vocês vão continuar comendo junk food,

    Usando quase o tempo inteiro, um linguajar “nerd”/geek para argumentos simples e básicos da vida e do cotidiano ..

    E ainda, insistir que o seu “Lost” é melhor que o do Paralelo, que do fulano e da sincrana …

    Henrique Disse:
    junho 3, 2010 às 2:36 pm | Responder

    “Ou como diz o comentario do brunobbarbosa,”

    “qualquer estoria do mundo, por mais sem sentido que seja,”

    “pode ser explicada quando tantas pontas soltas são preenchidas com:”
    “parece”,
    “deve”,
    “pode”
    e “talvez”.

    “Somente atraves destes mesmos …”

    “parece”,
    “deve”,
    “pode”
    e “talvez” …

    “Os defensores de Lost como inovador,revolucionario,etc…”

    “Encontram sentido,argumento e explicações para a salada sem sentido”

    “Que esta serie tao promissora se tornou ao terminar …”

    “De forma a ter praticamente infinitas interpretações …”

    OU SEJA, “CAETANICES” …..

    Muita “caetanice”, sem substrato ou conteúdo …

    É conversa de “baiano” com roupagem de shopping center …

    Cambada de masturbadores terceirizados pelo J.J. Abrams …

    Vocês …

    Se tornam similar a porra dos “crentis” do “kú quente” …

    Que ficam no 1/2 da praça de qualquer cidade brasileira …

    Gritando, Sangue “di” Jesus Tem “Púder” !

    Vocês com esse blá blá inócuo de:

    “deve”,

    “poderia”,

    “se fosse” …

    Amiguinhos, vão jogar RPG e bater uma “bronha” …

    Vendo a foto do X-Wing do Skywalker …

    E aproveitam, sejam “alternativos” e “mudérninhos” …

    Vão dar o “kú” pra lá …

    E sejam felizes,

    Happy !!!

    SHALOM !

  170. raquel Says:

    Hoje recebi meus dvds da 1a Temporada de Lost, que tem o piloto com os comentários do JJ Abrams e do Damon lindelof. Pois bem, na hora do urso polar, o Sawyer e a Kate começam a discutir, pois ela não confia nele com arma. Nessa parte o JJ fala: “essa cena exemplifica bem a série. Tem mistérios, mas ninguém está aí preocupado com o urso polar, eles não vão atras de saber de onde ele veio, etc. O que importa é o que aquela situação faz com os personagens, pois no fim o show é sobre a trajetória deles.” O audio foi gravado na primeira temporada. Então vc tem todo direito de ter achado um final um lixo, mas dizer que eles inventaram essa história de que a série é sobre os personagens só agora, pq nao souberam resolver os mistérios, não é verdade. Desde o começo eles vinham com esse papo de que a série é sobre personagens.

    abraços

    • Paralelo (Lauro Edison) Says:

      Como eu disse, Raquel, ora eles diziam uma coisa, ora outra. Mas ponto pra você, pelo achado, rs. Ainda assim, a 6ª temporada trouxe uma ênfase maníaca nesse “sobre os personagens”, e um esquecimento total pelos mistérios – que quer os criadores admitam, quer não, são pelo menos metade da história.

    • Marcos Ribeiro Says:

      Tambem ja vi reportagens deles ou de atores dizendo que os personagens NÃO ESTAVAM MORTOS, que a ilha NÃO era espiritual e que ate o fim a estoria TERIA suas tramas “amarradas”! Enfim ou foram evasivos ou disseram muitas coisas ao longo da serie que no fim nao podem ser levadas em consideração!

    • Marcos Ribeiro Says:

      Só mais uma que lembrei! Quando perguntados do pq o Walt some da estoria e se sua participação na estoria ficaria sem conclusão os mesmos Srs.Carlton Cuse e Damon Lindelof disseram que tudo era planejado e tinha um motivo! Bom…Depois ele apareceu 5 Mins conversando com o Locke nao disse ou fez nada relevante e pronto acabou…Esse era grande o planejamento e motivo! Isso é só uma “bobagem” que exemplifica o tanto de coisas que esses Srs disseram que nao tem a menor importancia!

      • Rodrigo Ricardo Says:

        Muito bom, Marcos!

        Também lembrei disso por esses dias, mas esqueci de postar.

        Eles disseram que inclusive o envelhecimento natural do ator também foi levado em consideração para o que viria posteriormente para o Walt. No entanto…..

  171. Alexandre Versignassi Says:

    Perfeito. O STF deveria obrigar a inclusão desse texto nas caixas de DVD da série! Vc disse tudo.
    abração

  172. Leandro Mad Says:

    Spectre1961 perdendo a cabeça não tem preço kkkkkkkkkkkkkk

  173. Carlos Says:

    Também gostaria de lembrar dos outros “Outros”. Aqueles que estavam no templo, com o japa que não gostava de falar inglês… Da onde eles vieram ? O que era aquela banheira que “curava” as pessoas ? Porque ninguém nunca tinha visto eles ali ? E que diabo era aquele farol ???

  174. Matthaeus Says:

    Relaxa. É só um seriado. É para entretenimento. Uma ficção. Não vai existir algo perfeito. Os cara sempre vão errar. Faça um seriado. Busque a perfeição. Sempre terá gente que vai achar erros até na sua respiração.

    Relaxa cara.

  175. Matthaeus Says:

    Final alternativo

  176. Tita Says:

    Vocês não viram a novela Alma gêmea,não?
    Desconfio que os roteiristas de Lost sim. Lá também tinha laguinho mágico com índia véia e tudo, onde a mocinha tinha flashes de outra vida;a missão dela agora era buscar o mocinho que não acreditava nessa história;e ela e o mocinho morriam no final para seguirem juntos para eternidade envoltos numa magnífica luz. Original,né? Lembra alguma coisa?

    O que particularmente me incomodou no fim não foi o desfecho espírita-piegas-redentor, mas não dar as explicações para os mistérios que eles mesmos criaram, como já foi dito aqui. É a mesma coisa que num livro de Agatha Christie ou Conan Doyle o detetive não achasse o assassino ou desvendasse o caso no final, então pra que raios escrever o livro?

    O autor do post foi acusado de não ter gostado do final por não ser do agrado pessoal dele, eu acho que não é isso. Pelo que entendi, ele, e eu também gostariamos de ‘alguma’ explicação,mesmo que não fosse ‘a mais lógica’, ou alguém acha mesmo realmente crível qualquer teoria que explique uma fumaça saindo de um lago de luz com rolha?Mas alguma coisa teria que ser dita para todos os ‘furos’ da história que foram listados aqui,né?

  177. Eduardo Says:

    Chorões.

    hahahaha

  178. Homem de Fé, Homem de Ciência Says:

    “hahahaha”

    Que argumento fantástico este acima…

    E olha que fiz um post contestando o texto aqui do Paralelo, mas esse cara acima só mostra como LOST tem fãs incapazes de raciocinar e simplesmente aceitar tudo que os produtores dizem. Sem qualquer senso crítico.

  179. Dilmo Says:

    Sinceramente fikei desapontado com certas desculpas esfarrapadas dadas por esses roteiristas… CARAS DE PAU… tem gente no LOSTINLOST.. acreditando nessa conversa fiada de série sobre pessoas.. DESRESPEITO!!!

  180. sanzio Says:

    Cara, simples. Não existe urso polar numa ilha tropical, ninguem teletransporta… Portanto era apenas algo ilusório, um sonho, ou sei lá.

    Só isso pra explicar 6anos de engodo. E por mim, desde o principio eles estavam mortos.

  181. samuel Says:

    aff.
    desculpem, cansei.

    olha, as correntes de email não são reais, tá? fica a dica.

  182. Luiz Neves Says:

    Ficava me remoendo esses dias “Mas se Jack morreu, ficou esperando até 2000 mil anos dps Hurley e Ben morrerem?” Muitos me respondiam “Ah, naquela linha espiritual, 2000 mil anos podem equivaler um simples mês”. Ah faça-me o favor né ¬¬.. Outra duvida que tinha era ” WTF! David ñ morreu como estava ali?”. Obrigado por vc me responder isso, simplesmente RÍDICULO, era uma simulação apenas pra os losties, mas e Keamy e outros?

    Pqp tantos erros, me deixa muito muito P* da vida, e o pior são as respostas forçada. Caramba, como forçaram a barra em cima de Locke.. Afinal como ele iria sair da ilha dps? Ia sair nadando, ou ia aprender a pilotar avião, visto que a principio o piloto tava morto. Enfim, ele poderia matar, destruir a ilha e nao ia conseguir sair de qlqr jeito..

    Enfim mt mt mt erros, decepcionante. E eles ainda querem ganhar mais dinheiro as nossas custas com dvd de 20min pra responder o que podia ser respondido satisfatóriamente no decorrer de 6 anos.
    já postei tudo isso, mas to postando den novo. hehe

  183. Rodrigo Ricardo Says:

    Valeu Luiz Neves!! É isso aí! Nada de DVDs.

  184. Luís Says:

    Mesmo que eu tenha achado bonito e emocionante o episódio final, a 6ª temporada acabou sendo uma simplificação forçada para o desfecho das 5 temporadas anteriores. Tantos personagens, subtramas e mistérios colocados no ar para manter a audiência por 6 anos tiveram a performance mais óbvia possível: enrolação, trama-salada-de-frutas e quase um não-desfecho.
    Este é o resumo de tudo o que vi, li e coloquei aqui.

    Acho normal o esforço dos fãs incondicionais de tentarem achar explicação para tudo o que ficou solto (e foi um monte de coisas), mas soa patético ante as próprias explicações fraquinhas dos criadores/produtores da série, que afinal estão ricos e “nem aí” para fãs como eu.
    Paciência… é showbusiness… mas vamos combinar: com altos e baixos, a série foi boa.

  185. Javan Says:

    Pô, eu lembro que parei de assistir no final da segunda temporada…
    Na hora lembrei da merda em que se transformou arquivo X, onde os criadores/produtores ficaram enrolando pelo sucesso que vinham tendo e não consiguiram responder quase nada… pior já fizeram dois filmes que nem vale a pena assistir…

    Daí quando voltei a a acompanhar a série ano passado, principalmente por que disseram que ia acabar esse ano eu pense: ah, vamos ver no que dá…

    Confesso que criei expectativas como vocês até o Across the Sea, depois desse episóiodio, lembrei novamente do arquivo X e resolvi deixar pra lá… por mais que eu bata a perna (e eu acho que existe coisa muito melhor pra gente se preocupar, tipo nossos problemas sociais, ambientais etc.) os produtores já estão ricos e iam fazer o que desse na telha mesmo…

    Me desligando de toda coerência com a série (que nunca foi seu forte) eu relaxei e gozei como recomendou a Marta rsrsrs Curti o final da série, foi emotivo e tal…

    Agora vocês que tão revoltados, aprenderam a lição? Vão parar de criar espectativa em cima de seriados americanos e ir curtir suas vidas de verdade???? Espero que sim.

    No mais quem quiser se entreter com uma boa história eu recomendo ir ler bons mangás e Hqs alternativas, são mais coerentes e menos óbvias… Recomendo fortemente um que terminou essa semana: Full Metal Alchemist, depois que lerem eu tenho certeza que vcs dedicarão mais tempo a outras mídias…

    See you another life brothers!

  186. Eugenia Says:

    Outro furo da sexta temporada: qual o sentido de Sawyer e Charlotte transarem? Eles mal se falaram na ilha! Isso era uma questão espiritual pra eles, é?
    Mais uma vez parabéns pelo site. Fiz um comentário grande após o fim da série mas sumiu.

  187. Rodrigo Ricardo Says:

    Bem lembrado, Eugenia. Nada bate mesmo. Javan vc também é muito coerente em seu comentário. Confesso que depois do final de Lost fiquei muito desanimado de acompanhar outras séries que estavam nos meus planos (Fringe, Flashforward e V). É difícil.

  188. Rodrigo Ricardo Says:

    Luís, realmente a série é boa em seu balanço final. Muitas reviravoltas acachapantes (p. ex. o final da 3ª temporada). Mas não tenho coragem de indicar a ninguém.

    • Luís Says:

      Para não esquecer: só a idéia da ilha-purgatório para dar sentido a algumas coisas, tipo a “temporada em branco” de 16 anos da francesa na ilha (ao final dos quais ela não sabe bulhufas do que acontece por lá, mas se dá bem com a “fumaça”…), e dá um melhor sentido ao literal purgatório do Kevin e do Desmond por anos, naquela escotilha.

      Por isto (e outras) é que possivelmente o editor da SUPERINTERESSANTE tem razão, ao dizer que afinal esta era a idéia central original da série. Mas, voltando: dá sentido a muitas coisas da primeira e da segunda temporada, mas depois…

  189. Cecilia Says:

    Finalmente, depois de tantos dias e desencontros no orkut, encontrei pessoas que compartilham minha decepção da ultima temporada…

    Perfeito o texto e os comentarios!

  190. Rodrigo Ricardo Says:

    Cecília, acesse esse artigo também, mais resumido, mas no mesmo sentido:

    http://go2.wordpress.com/?id=725X1342&site=aventurahumana.wordpress.com&url=http%3A%2F%2Fsuper.abril.com.br%2Fblogs%2Fsuperblog%2Flost-no-purgatorio-editor-da-superinteressante-comenta-final-do-maior-fenomeno-televisivo-da-decada%2F&sref=http%3A%2F%2Faventurahumana.wordpress.com%2F2010%2F05%2F26%2Fo-fim-de-lost%2F%23comment-420

  191. Dinara Says:

    Bom, um Bost com um B bem grande… Em resumo, n serviu de nada os mistérios. A série se preocupou em os personagens estarem aos pares, tudo muito romantico. Vc lembra q a Juliet andava com um membro da dharma q era casado? A mulher desse cara disse p Juliet: vc se parece com ela. Qm diabos era “ela” e fora que com a queda do aviao muitos dharmeiros n foram mais vistos, n morreram e simplesmente sumiram. Poderia ser qq final menos este.

  192. Marcelofc Says:

    Mta gente achou a série um lixo e mesmo assim continuaram perdendo mto tempo pra continuar falando nela.
    Uma prova que a Série “deu certo”e fez o q os produtores queriam.

    Eu curti mto a série toda, inclusive suas mudanças.
    Até pq depois do fim de um filme/série de ficção científica vem a realidade. A fantasia acaba e vc tem q voltar pra sua vida, sendo ela boa ou não.

    Lost acabou assim, como a vida, cheia de momentos ótimos e decepções.

    O q eu gostei é q ela realmente acabou com um FIM.
    Nada da papagaiada de “E viveram felizes para sempre”

    Eu curti.
    Para quem não gostou… MOVE ON.

  193. The Adversary Says:

    Bom texto, Paralelo. Apesar de concordar com muito do que você disse, acabei gostando — muito — do series finale de Lost. Porém, só gostei porque fui me desapegando (“let go”, hahah) das esperanças de conseguir qualquer resposta conforme a última temporada se aproximava do final. Nunca acreditei que tudo seria respondido, como foi dito algumas vezes pelos produtores, mas não imaginava que tantas coisas — algumas bem importantes — ficariam em aberto após os 18 episódios da sexta temporada.

    O episódio “Across The Sea” foi a última pá de terra no meu túmulo de esperanças. Foram dadas explicações idiotas e/ou absurdas e, pior que isso, foi dado um soco na cara de todos que esperavam explicações com a “mãe” dos irmãos dizendo: “Every question I answer will simply lead to another question.” Neste exato momento, desliguei meu cérebro e comecei a assisti pensando apenas nos personagens — pelo menos o arco dramático individual deles deveria ter um final. Nesse quesito, Lost não me decepcionou.
    Também me lembro de, ao final do mesmo episódio, ter pensado: “Chega de respostas”. Pensei isso porque, enquanto várias coisas foram explicadas de maneira interessante e inteligente ao longo das temporadas anteriores, as respostas dessa temporada foram um tanto idiotas. Nenhuma delas me deu uma reação como a “Nossa, foi o Desmond que acendeu a luz da escotilha. :D” ou “Opa! O avião que o Locke encontrou foi usado pelos traficantes ‘amigos’ do Mr. Eko”. Pelo contrário: Duas ou três foram uma bostinha. Se for pra responder com idiotices, prefiro que o ponto em questão seja deixado em aberto. Não faço questão de que seja fisicamente possível, mas que seja pelo menos interessante.

    Achei uma grande falta de respeito dos roteiristas, mas prefiro agregar tudo que Lost me proporcionou e ensinou de bom (e “let go” das questões que provavelmente nunca terão resposta) a ficar com raiva da série, acreditando que desperdicei seis anos assistindo TV, discutindo em fóruns e participando de ARGs.

    E, cá entre nós, Christian Shephard se tornou um verdadeiro Deus Ex Machina depois de morrer, não? 😉

  194. anderson logan Says:

    deu pra ver que vc naum entendeu o sentido da serie!!!

  195. Davi Furtado Says:

    Primeiro lugar, gostaria de parabenizá-lo. Realmente seu comentário traduz o que as pessoas inteligentes acharam de Lost; um início brilhante, digno de ser a melhor série de todos os tempos e um final péssimo, digno do pior final das séries já realizadas. Não tem explicação para um final como esses, não é verdade? Presumi-se que os roteiristas fossem pessoas mais inteligentes e teriam melhores idéias para um melhor final. Realmente não sei porque fizeram um final como esse, depois de tantas idéias boas iniciais.

    Bem, para terminar, mais uma vez o parabenizo, e digo que concordo com TUDO que escreveste. A minha indignação é tanta que vim ler teu comentário no dia de hoje, 07 de setembro de 2010, tempos depois do fim da série. E penso que ficaremos revoltados até um novo final ser escrito. Afinal, será que seria possível uma nova temporada para apagar ou amenizar todos esses erros? Gostaria que respondessem.

    Grande abraço,

    Davi

    • Paralelo (Lauro Edison) Says:

      Davi,

      obrigado pelo elogio.

      Rá! Quem sabe num futuro distante, muito distante mesmo – ponha 50 anos, um século! – façam um final digno pra Lost. Um futuro onde a tecnologia será tão boa que até os fãs poderão fazer, rs.

      Mas na prática, a curto prazo, é isso aí mesmo. Também fiquei com aquela sensação: “não é possível! Eles tão de sacanagem! Vão fazer a VERDADEIRA sexta temporada, ainda, pra rir da cara de todos!”

      Abs!

  196. juanito Says:

    Gente, amigas, monas… tenho uma coisa pra falar prô ‘cês: Bem, De fato, Lost assim como a bíblia é pura simbologia, ignorante é que diz o contrário. Então não esperem encontrar em Lost explicações detalhadas e minuciosas sobre fins e soluções de problemas levantados pelos próprios autores e atores. (P.s. Terminei de assistir lost semana passada – hj é 18.10.2010 às 23 e 45 = ou seja, não muito competente para afirmar muita coisa sobre lost, além de que é uma obra magnífica).
    Em torno desses dois meses (q eu assistir LOST, graças ao meu nam… )percebi que a definição de LOST adquiriu propriedade sobre quem o assistiu (vcs no caso em 6 anos. Q dó de VCs.splichsplichsplich). Voltando ao assunto…. LOST designa então o caráter PERDIDO de cada ser, cada personagem nesse mundo, “alou galera” – Lost explicita: Nós- não é simplesmente uma sério com enredo, trama, início meio e fim. É um emaranhado de idéias, conflitos, crenças, opiniões, descrença que cada ser alimenta no seu dia-a-dia.
    Realmente eu queria entender com afinco o fim de Lost: Sabemos que todos morreram, foi o pai do Jack quem disse, o que é óbvio, pois, como disse todo mundo morre um dia, mas estar morto quer dizer…. isso eu num sei. Mas aparentemente foi o que tentaram mostrar. Eles realizaram a passagem, viram a luz (era Deus?). Mas a Ana Lucia ainda num tava preparada (era o purgatório?). Não creio que era um universo paralelo a vida normal que levavam nossos “Losts e Hostis e Dharmas (Karma, parecido não? E vcs sabem o que é Karma?)” esse papo de Avatar, há vários de nós em outras dimensões e se fossemos especiais como o DESMOND poderíamos “parear” e divagar entre elas. Interessante não????
    Prova disso é que os caras vão até idade antiga (taweret), eternidade, fé, apologia e aborda os conflitos, guerras e o florescimento do progresso e da sabedoria…. enfim é em parte ficção (dinheiro) é em parte razão, fé, contrapontos de toda historia da humanidade, dos primórdios aos dias de agora… é nossa história. joaodance@msn.com 01:12 19.10.2010. Que sono to indo dormir!!!! minhaconexão ainda é adisacada.. afff…. NamastÊ, Amém, Obrigado Fiquem com os Deuses que florescem a cada respiração tua, a cada bom pensamento teu….

  197. JuninhuH Says:

    Putz… depois de tanto tempo que vi o fim da 6ª temporada, acho que devia postar aqui nessa excelente análise, porém crítica ao extremo, neh? Considero todas as idéias expostas pelo analítico aqui acima, corretíssimo. Como a maioria de nós, acompanhei LOST ao longo de 6 angustiantes anos de sofrimento, alegria, tristeza, consternação, paixão, mas que bom que a alegria estava mais presente do que a tristeza. O fim de LOST? Decepção! Apesar dos momentos em que os autores manipularam o meu cérebro com a ajuda dos nossos respeitavéis Losties actors com cenas emocionais dignas de um gran finale, não pudia deixar de passar a profunda decepção que senti. Decepção ao saber que o final não era o que eu esperava. Pra mim, fã de LOST como eu sou até hj, falar isso não eh muito agradável. Nunca aceitei o fim, e nunca vou aceitar! Mas o que me consola é saber que realmente os momentos bons que vivi em lost, vao estar pra sempre guardados na memória. Nem Jesus agradou a todos, in fact, como J.J ou Calton poderia agradar? Sempre que alguém me pergunta sobre lost eu digo: – A melhor série de todos os tempos, mas se vc assistir não vá com sede ao pote, pois o final…” Não concordo com as pessoas que acham que é perda de tempo, não msm… LOSt encetou com mistérios, findou com mistérios… Universo paralelo? só hj entendi o que realmente era aquilo… Se realmente fosse um U.P seria ateh que interessante, mas colocar o lado espiritual foi um pouco forçado. Se alguém já assistiu o filme “O MISTÉRIO DO TRIANGULO DAS BERMUDAS” vai ver um final que daria mto certo em LOST, ASSISTAM! bem melhor que o final de LOST. Apesar dos pesares, sempre tirarei meu chapeu pra LOST, nunca na história das séries aconteceu algo parecido com o que acontece com ela… Nunca vi uma série tão aliciante como lost. acho que tá difícil pra ter outra… Saudades do tempos em que corriam atras de javalis, saudades do tempo em que o Flocke arrancavas as arvores, saudades de LOST em todo! Saudades de tudo sobre lost! ateh do “Previosly in LOST” ou do “bad robott” juniorrilly@hotmail.com

    Namasté!

  198. Matheus Says:

    Foto bacana no final do texto do autor lah em cima

    Ri pacas….

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    =)

  199. Deena Says:

    Hmm it looks like your site ate my first comment (it was extremely long) so I guess I’ll just sum it up what I wrote and say, I’m thoroughly enjoying your blog.
    I too am an aspiring blog blogger but I’m still new to everything. Do you have any tips and hints for first-time blog writers? I’d definitely appreciate it.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: